Bula Botran 750

acessos
Dicloran
3799
Cross Link

Composição

Diclorana 750 g/kg Cloroaromático

Classificação

Fungicida
III - Medianamente tóxico
II - Produto muito perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Pó molhável (WP)
Contato
Alho Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mofo cinzento
(Botrytis cinerea)
1,5 a 2 kg p.c./ha 1500 L de calda/ha - Realizar no máximo três aplicações com intervalo de 7 a 10 dias. 14 dias. Logo após o aparecimento dos primeiros sintomas
Cebola Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mofo cinzento
(Botrytis cinerea)
1,5 a 2 kg p.c./ha 600 L de calda/ha - Realizar no máximo três aplicações com intervalo 7 a 10 dias. 14 dias. Logo após o aparecimento dos primeiros sintomas
Pêssego Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Podridão mole
(Rhizopus stolonifer)
100 a 120 g p.c./100 L de água 1000 L de calda/ha - Único. 1 dia. Tratamento de pós-colheita
Podridão parda
(Monilinia fructicola)
150 g p.c./100 L de água 1000 L de calda/ha - Reaplicar caso necessário. 1 dia. Logo após o aparecimento da doença

Sacos de papel multifoliado de 1 Kg e 2 Kg. Barricas de fibras revestidas com polietileno de 10 Kg e 15 Kg. Embalagens de poliéster metalizado de 1 e 2 Kg.

INSTRUÇÕES DE USO:

BOTRAN 750 é um fungicida de contato, com ação protetora e erradicante, atuando nos processos de germinação e crescimento micelial dos fungos. É recomendado para o controle de doenças nas culturas de pêssego e cebola,nas seguintes modalidades:
- Pêssego: aplicação foliar para o controle de podridão-parda; tratamento pós-colheita de frutos para controle de podridão-mole.
- Cebola: aplicação foliar para controle de mofo-cinzento.

CULTURA, DOENÇAS E DOSES RECOMENDADAS:

Vide seção “Indicações de Uso/Doses”.

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:

- Pêssego: Aplicação foliar: Faça no máximo três aplicações durante a safra da cultura, com intervalos de 7 dias, observando-se as restrições de uso descritas na bula. Aplique na fase de maturação dos frutos, iniciando as aplicações três semanas antes da colheita. Pós-colheita: a) Via imersão dos frutos: Imediatamente após a colheita, imerja completamente os frutos por 20 segundos na calda contendo BOTRAN 750. Utilize a maior dose nos períodos mais favoráveis à doença (umidade e temperatura altas). b) Via pulverização ou aspersão nos frutos: Imediatamente após a colheita, pulverize a calda contendo BOTRAN 750, de forma a obter boa cobertura dos frutos.

- Cebola: Faça no máximo três aplicações durante o ciclo da cultura. Inicie o tratamento logo no aparecimento dos primeiros sintomas, e, se necessário, reaplique a intervalos de 7 a 10 dias entre cada aplicação. Aplique em pulverização foliar, dando boa cobertura de toda a parte aérea das plantas.

MODO DE APLICAÇÃO:
BOTRAN 750 apresenta-se na forma de Pó Molhável, sendo portanto recomendado que se empaste o produto com um pouco de água. Depois, acrescente mais água para formar uma suspensão concentrada, e então despeje-a no tanque do pulverizador ou no tanque de tratamento pós-colheita já contendo água em agitação. Mantenha a calda em agitação durante a aplicação.

- Pêssego: Aplicação foliar: Aplique por via terrestre utilizando pulverizador costal motorizado ou turbo atomizador. Aplique 1.000 L de calda/ha. Tratamento pós-colheita: a) Via imersão dos frutos: Para a imersão dos frutos poderão ser utilizados tanques de polietileno, alumínio, ferro ou aço inoxidável. Os contentores ou embalagens que irão acondicionar os frutos durante e após o tratamento, deverão permitir adequada drenagem da calda fungicida dos frutos. Agite bem a calda para manter boa suspensão. Não faça reabastecimento parcial do volume de calda no tanque de imersão. Quando a calda estiver com nível baixo ou com acúmulo de sujeira deve ser integralmente trocada. Não recicle a calda após o uso. b) Via aspersão ou pulverização dos frutos: Utilize pulverizadores manuais com pressão constante ou aspersores acoplados em esteiras de beneficiamento. Utilize pressão de 20 a 40 lb/pol2, e bicos que permitam boa nebulização. Mantenha a calda sob agitação constante. Colete a calda escorrida através de drenos, descartando-a adequadamente.

- Cebola: aplique em pulverização foliar, via terrestre, utilizando pulverizador costal manual ou motorizado, pulverizador de tração tratorizada com barras, bicos de cone vazio série JA (JA-2, JA-3, JA-4); bicos de jato plano 110.02 ou similares. Pressão de trabalho de 30 a 150 lb/pol² para bicos de cone vazio a 30 a 60 lb/pol² para bicos de jato plano; tamanho de gotas (DMV) de 110 a 130 micrômetros; deposição de 60 a 100 gotas/cm². Velocidade do trator de 4 a 8 km/h. Utilize no máximo 600 L de calda/ha. Adicione um espalhante-adesivo não iônico na dose recomendada em bula, à calda de pulverização.

INTERVALO DE SEGURANÇA:

Pêssego: Aplicação foliar: 1 dia.
Pêssego: Aplicação pós-colheita: 1 dia.
Cebola: Aplicação foliar: 14 dias.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS:
Mantenha afastado das áreas deaplicação, crianças, animais dométicos e pessoas desprotegidos, por um período de 24 horas.

LIMITAÇÕES DE USO:
BOTRAN 750 não é fitotóxico nas dosagens e modalidades aqui recomendadas.
Em pós-colheita, o acúmulo do produto e/ou distribuição desuniforme, pode manchar os frutos.

PRECAUÇÕES GERAIS: Antes de usar o produto, leia e siga as instruções do rótulo e da Bula. Não coma, não beba e não fume durante o manuseio do produto. Não utilize equipamento com vazamento. Não desentupa bicos, orifícios e válvulas com a boca. Não distribua o produto com as mãos desprotegidas.Uso exclusivo agrícola. Não transporte o produto junto com alimento, ração, animais e pessoas.

PRECAUÇÕES NA PREPARAÇÃO DA CALDA: Utilize os equipamentos de segurança - EPI: óculos protetores, macacão hidrorrepelente, com mangas compridas, avental impermeável, luvas e botas de borracha, touca árabe, máscara com filtro de carvão ativado. Manuseie o produto em local arejado. Evite contato do produto com a pele e os olhos, caso isto aconteça lave imediatamente o local e siga as recomendações de PRIMEIROS SOCORROS. Observe atentamente as recomendações da Bula visando utilizar a dose adequada.

PRECAUÇÕES DURANTE A APLICAÇÃO: Utilize Equipamento de Proteção Individual -EPI:óculos protetores, macacão hidrorrepelente, com mangas compridas, avental impermeável, luvas e botas de borracha, touca árabe, máscara com filtro de carvão ativado,.Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes. Mantenha afastado das áreas de aplicação, crianças, animais domésticos e pessoas desprotegidas. Aplique sempre a dose recomendada.

PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO: Após a aplicação do produto remova o equipamento de proteção, tome banho e lave as roupas. Mantenha o restante dos produtos adequadamente fechados e armazenados. A reentrada de pessoas habilitadas na cultura aplicada só deve ser permitida, após 24 horas. Descarte corretamente as embalagens vazias.

PRIMEIROS SOCORROS: Ingestão: beber água morna e provocar vômito. Contato com os olhos: lavar com água em abundância. Contato com a pele: lavar com água e sabão. Inalação ou aspiração: procurar local arejado.

OBSERVAÇÃO: Ao procurar o médico, leve a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico.

SINTOMAS DE ALARME: No caso de ingestão, podem ocorrer tontura, náuseas, dor de cabeça, insônia e diarréia; No caso de contato com o pó, inalação ou aspiração, podem ocorrer irritações da pele, olhos ou do trato digestivo.

ANTÍDOTO E TRATAMENTO: Em casos de conhecida ingestão oral, recomenda-se a indução de vômito, seguida de limpeza do trato digestivo com um laxante moderado. Não há antídoto específico para o produto. Tratamento Sintomático.

PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIA QUANTO A PROTEÇÃO MEIO AMBIENTE: Este produto é MUITO PERIGOSO AO MEIO AMBIENTE (CLASSE II). Este produto é AlTAMENTE TÓXICO para organismos aquáticos. Evite a contaminação ambiental -Preserve a natureza. Não utilize equipamento com vazamentos. Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes. Aplique somente as doses recomendadas. Não lave embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d'água. Descarte corretamente as embalagens e restos do produto.

INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO DO PRODUTO, VISANDO SUA CONSERVAÇÃO E PREVENÇÃO CONTRA ACIDENTES: Mantenha O produto em sua embalagem original, sempre fechada. O local de depósito deve ser exclusivo para produtos tóxicos, deve ser isolado de alimentos bebidas ou outros materiais. A construção deve ser de alvenaria ou de material não comburente. O local de depósito deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável. Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO. Tranque o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças. Deve haver sempre embalagens adequadas disponíveis, para envolver embalagens rompidas ou para recolhimento de produtos vazados. Em caso de armazéns deverão ser seguidas as instruções constantes na NBR 9843. Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal.

INSTRUÇÕES EM CASOS DE ACIDENTES: Isole e sinalize a área contaminada. Contate as autoridades locais competentes e a empresa. Utilize equipamento de proteção individual -EPI (macacão de PVC, luvas e botas de borracha, óculos protetores e máscara contra eventuais vapores). Em caso de derrame, siga as instruções: Piso pavimentado: Recolha o material com auxilio de uma pá e coloque em recipiente lacrado e identificado devidamente. Remova conforme orientações de destinação embalagens. Lave o local com grande quantidade de água; Solo: Retire as camadas de terra contaminada até atingir o solo não contaminado e adote os mesmos procedimentos acima descritos para recolhimento e destinação. corpos d'água: Interrompa imediatamente a captação para consumo humano e animal e contate o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotados dependem das proporções do acidente, das características do recurso hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido. Em caso de incêndio, use extintores de água em forma de neblina, CO2 ou pó químico, ficando a favor do vento para evitar intoxicação.

DESTINAÇÃO ADEQUADA DE RESÍDUOS E EMBALAGENS: As embalagens devem ser lavadas três vezes e a calda resultante a para pulverização (tríplice lavagem). Não reutilize embalagens. As embalagens devem ser perfuradas de maneira a torna-las inadequadas para outros usos. (Obs.: exceto em caso de existência do recolhimento das mesmas pela empresa). Observe a legislação Estadual e Municipal especificas. Fica proibido o enterrio de embalagens em áreas de abrangência do Programa Nacional de Recolhimento e destinação adequada de embalagens. Consulte o Órgão Estadual de Meio Ambiente.

MÉTODO DE DESATIVAÇÃO DO PRODUTO: Método de desativação: A incineração é o método indicado, devendo ser realizada com forno tipo rotativo com câmara de pós-combustão, cujos parâmetros de operação são: Temperatura do forno rotativo: 700-800oC. Temperatura da câmara pós-combustão: 900-800oc. Tempo de residência FR: 3,0 segundos (gases). Tempo de residência dos sólidos FR: = 30 minutos.

Incluir outros métodos de controle de doenças (ex.: Resistência genética, controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Doenças (MID) quando disponíveis e apropriados.

Qualquer agente de controle de doenças pode ficar menos efetivo ao longo do tempo devido ao desenvolvimento de resistência. O Comitê Brasileiro de Ação a Resistência a Fungicidas (FRAC-BR) recomenda as seguintes estratégias de manejo de resistência visando prolongar a vida útil dos fungicidas:
- Utilizar a rotação de fungicidas com mecanismos de ação distintos.
- Utilizar o fungicida somente na época, na dose e nos intervalos de aplicação recomendados no rótulo/bula.
- Incluir outros métodos de controle de doenças (ex.: Resistência genética, controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Doenças (MID) quando disponíveis e apropriados.
- Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para orientação sobre as recomendações locais para o manejo de resistência.

O uso continuado de um fungicida ou grupo de fungicidas com o mesmo modo de ação, numa mesma área pode favorecer o aumento de populações tolerantes a estes produtos ao longo do tempo. A adoção de estraté-gias de manejo de resistência a fungicidas é importante para evitar ou diminuir os riscos de desenvolvimento destas populações tolerantes, preservando os benefícios da efetividade dos produtos.
- Sempre que possível, faça a rotação de produtos com diferente(s) modo(s) de ação(ões), que controle(m) a mesma doença.
- Use somente as dosagens recomendadas na bula.
- Consulte sempre um Engenheiro Agrônomo para direcionamento sobre as recomendações locais para o Ma-nejo de Resistência de Fungicidas.
- Caso a doença continue a se desenvolver normalmente após o uso do produto, não aumente a dose além do limite recomendado. Procure a orientação do Engenheiro Agrônomo.