Bula Challenger - Koppert

Bula Challenger

CI
Isaria fumorosea Cepa ESALQ-1296
28617
Koppert

Composição

Isaria fumosorosea cepa ESALQ 1296 85 g/L

Classificação

Terrestre/Aérea
Inseticida microbiológico
Não Classificado
IV - Produto pouco perigoso ao meio ambiente
Não inflamável
Não corrosivo
Suspensão Concentrada (SC)
Inseticida microbiológico

Todas as culturas com ocorrência do alvo biológico

Calda Terrestre Dosagem
Diaphorina citri (Psilideo)
Helicoverpa armigera (Helicoverpa)

Tipo: Frasco.
Material: Plástico.
Capacidade: 0,05; 0,075; 0,1; 0,15; 0,2; 0,25; 0,3; 0,5; 0,7; 0,75; 1,0; 1,25; 1,5; 1,75; 2,0; 2,5; 2,75; 3,0; 3,25; 3,5; 3,75; 4,0; 4,25; 4,5; 4,75; 5,0 L.
Tipo: Bombona.
Material: Plástico.
Capacidade: 3,0; 3,25; 3,5; 3,75; 4,0; 4,25; 4,5; 4,75; 5,0; 5,25; 5,5; 5,75; 6,0; 6,25; 6,5; 6,75; 7,0; 7,25; 7,5; 7,75; 8,0; 8,25; 8,5; 8,75; 9,0; 9,25; 9,5; 9,75; 10,0; 12,0; 12,5; 14,0; 15,0; 16,0; 17,0; 17,5; 18,0; 19,0; 20,0; 22,5; 25,0; 27,5; 30,0; 50,0; 100,0 L.
Tipo: Tambor.
Material: Metal/Plástico/Fibra.
Capacidade: 10; 20; 30; 40; 50; 80; 100; 120; 140; 150; 160; 180; 200; 220; 250 L.
Tipo: Tanque.
Material: Metal/Plástico/Fibra.
Capacidade: 100; 200; 300; 350; 400; 450; 500; 550; 600; 650; 700; 750; 800; 850; 900; 950; 1.000; 1.100; 1.200; 1.300; 1.400; 1.500; 1.600; 1.700; 1.800; 1.900; 2.000; 2.500; 3.000; 3.500; 4.000; 4.500; 5.000; 10.000; 15.000; 20.000 L.

INSTRUÇÕES DE USO

CHALLENGER é um inseticida microbiológico eficaz no controle de Helicoverpa armigera e Diaphorina citri (Psilídeo), em qualquer cultura na qual ocorram.


NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO

As pulverizações devem ser feitas a cada 7 a 21 dias para assegurar uma cobertura constante. Se a área foliar estiver altamente exposta à radiação UV e a infestação da praga for intensa, o intervalo entre as aplicações deve ser menor. Para um melhor resultado, a primeira pulverização devem ocorrer na presença de lagartas até o 3º instar e de acordo com o estágio de desenvolvimento da planta.

MODO/ EQUIPAMENTO DE APLICAÇÃO

Deve ser utilizada aplicação terrestre (costal ou tratorizada), aérea ou via pivô. Limpeza do equipamento - Limpar muito bem o tanque/bicos do pulverizador para eliminar resíduos de inseticidas, herbicidas ou fungicidas químicos.
Atenção:
a) Não realizar a limpeza do pulverizador próximo de lagos, rios ou reservas de água.
b) Realizar esta limpeza em local adequado onde os resíduos tenham o destino estabelecido em legislação. O ideal é encher o tanque do pulverizador com água e adicionar 1 litro de solupan ou 1 kg de sabão em pó para cada 400 litros de água. Deixar esta mistura em repouso por 12 horas. Em seguida agitar a mistura e aspergir todo o volume através dos bicos de pulverização. Posteriormente enxaguar com água limpa usando como escoamento sempre os bicos. Nessa operação aproveita-se para testar a regulagem da vazão.

Preparação da calda:

- Realizar a diluição do produto em caráter de pré-mistura em água com posterior diluição no tanque de pulverização obedecendo as recomendações abaixo:
- Manter um nível de pH entre 5 e 5.8 na calda de aplicação
- Manter agitação constante durante aplicação
- Aplicar o mais rápido possível após o preparo da calda


Volume de calda Aplicação aérea:

Utilizar volume de calda de 30 L/ha

Aplicação terrestre

- Utilizar volume de calda entre 150 e 250 L/ha
- Evitar aplicações com temperaturas superiores a 30º C e umidade relativa do ar inferior à 40%.
- Para aplicação aérea, respeitar a velocidade do vento até 8 km/h

INTERVALO DE SEGURANÇA

Não determinado em função da não necessidade de estipular o LMR para este produto.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NA CULTURA E ÁREAS TRATADAS

4 horas ou até a secagem da calda. Caso necessite entrar antes desse período, utilize os equipamentos de proteção individual (EPI) recomendados para o uso durante a aplicação.

LIMITAÇÕES DE USO

Os usos do produto estão restritos aos indicados no rótulo e bula. Quando este produto for utilizado nas doses recomendadas, não causará danos às culturas indicadas. Recomenda-se aplicar nas horas mais frescas do dia, preferencialmente ao final da tarde ou a noite, em dias nublados ou com garoa bem fina. Nessas condições, a exposição do fungo à radiação UV do sol (fator de inviabilização da agente) é menor.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre MIP, provenientes da pesquisa publica ou privada, recomenda-se que estes programas sejam implementados.

Não existem informações sobre o desenvolvimento de resistência ao fungo Isaria fumosorosea.