Bula Coact - Dow AgroSciences

Bula Coact

acessos
Diclosulam
5199
Dow AgroSciences

Composição

Diclosulam 840 g/kg Sulfonanilida triazolopirimidina

Classificação

Herbicida
II - Altamente tóxico
III - Produto perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Granulado Dispersível (WG)
Seletivo, Sistêmico

Cana-de-açúcar Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Capim colchão
(Digitaria horizontalis)
126 a 231 g.p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha - Única. Não determinado. Pré-emergência das plantas daninhas, em uma única aplicação, após o plantio ou corte da cultura
Corda de viola
(Ipomoea grandifolia)
126 a 231 g.p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha - Única. Não determinado. Pré-emergência das plantas daninhas, em uma única aplicação, após o plantio ou corte da cultura
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
126 a 231 g.p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha - Única. Não determinado. Pré-emergência das plantas daninhas, em uma única aplicação, após o plantio ou corte da cultura
Tiririca
(Cyperus rotundus)
126 a 231 g.p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha - Única. Não determinado. Pré-emergência das plantas daninhas, em uma única aplicação, após o plantio ou corte da cultura

Envelopes com 5 sacos hidrossolúveis - 42 g.

INSTRUÇÕES DE USO DO PRODUTO:

CULTURAS: COACT é um herbicida seletivo, aplicado no solo, recomendado para o controle de plantas daninhas de folhas largas na cultura da soja. COACT pode ser usado tanto nas áreas tradicionais de plantio de soja, na região sul, como também nas áreas de cerrado, do meio oeste brasileiro.

PLANTAS DANINHAS E DOSES RECOMENDADAS:

COACT controla, na dose de 23,8 a 29,8 g/ha do produto formulado, equivalente a 20 a 25 gramas de ingrediente ativo por hectare, as seguintes plantas daninhas: Raphanus raphanistrum - nabo, Bidens pilosa – picão-preto, Emilia sonchifolia – falsa-serralha, Amaranthus viridis - caruru, Acanthospermum hispidum – carrapicho-de-carneiro, Tridax procumbens – erva-de-touro.

COACT na dose de 41,7 g/ha do produto formulado, equivalente a 35 g
de ingrediente ativo/ ha, controla as plantas daninhas acima descritas e as seguintes invasoras: Euphorbia heterophylla - leiteira, Ipomoea grandifolia - corda-de-viola, Sida rhombifolia - guanxuma, Xanthium strumarium - carrapichão, Acanthospermum australe - carrapicho-rasteiro, Desmodium tortuosum - carrapicho-beiço-de-boi
Hyptis suaveolens - cheirosa, Mimosa invisa - sensitiva, dormideira, Chamaesyce hirta - erva-de-santa luzia, Portulaca oleracea - beldroega, Eupatorium pauciflorum – botão-azul, Ageratum conyzoides - mentrasto, Croton grandulosus - gervão-branco.

INÍCIO, NÚMERO E ÉPOCAS OU INTERVALO DE APLICAÇÕES:
É recomendada a utilização de COACT no sistema de PPI (pré-plantio incorporado), em plantio convencional.


MODO DE APLICAÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃO:
COACT deverá ser aplicado por equipamento terrestre, por pulverizador tratorizado, de baixa pressão (35 a 50 lb/pol2), com barras e dotados de bicos tipo "leque" 80.02 a 80.04 ou 110.02 a 110.04. A altura da barra, distância entre bicos e pressão utilizada devem ser calculadas de modo a prover uma cobertura uniforme da superfície a ser tratada. O volume de calda recomendado é de 150 a 300 litros por hectare.
Nas aplicações em pré-plantio incorporado, a grade deve ser regulada de modo a incorporar o produto a uma profundidade de 5 a 10 cm, no solo previamente destorroado.

INTERVALO DE SEGURANÇA: Não determinado devido à modalidade de emprego (solo).

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS: (De acordo com as recomendações aprovadas pelo Órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA / MS )

LIMITAÇÕES DE USO:
Fitotoxicidade para as culturas indicadas: A soja apresenta boa tolerância à aplicação de COACT nas doses recomendadas, quando a mesma for plantada em áreas apropriadas para o seu cultivo.
Outras Restrições a Serem Observadas: A soja não poderá ser rotacionada com as seguintes culturas de outono, plantadas imediatamente após a colheita da soja: milho, girassol, sorgo e brássicas. O girassol poderá ser plantado 18 meses após a colheita da soja.

PRECAUÇÕES GERAIS: Não coma, não beba e não fume durante o manuseio do produto. Não utilize equipamento com vazamento. Não desentupa bicos, orifícios e válvulas com a boca. Não distribua o produto com a mão desprotegida.

PRECAUÇÕES NO MANUSEIO: Se houver contato do produto com os olhos, lave-os imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Use máscara cobrindo o nariz e a boca. Caso o produto seja inalado ou aspirado, procure local arejado e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Use luvas de borracha. Ao contato com o produto com a pele, lave-a imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Ao abrir a embalagem, faça de modo a evitar respingos.

PRECAUÇÕES DURANTE A APLICAÇÃO: Evite o máximo possível, o contato com a área de aplicação. Não aplique o produto contra o vento. O produto produz neblina, use máscara cobrindo o nariz e a boca. Use macacão com mangas compridas, chapéu de aba larga, luvas e botas.

PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO: Não reutilize a embalagem vazia. Mantenha o restante do produto adequadamente fechado, em local trancado, longe do alcance de crianças e animais. Tome banho, troque e lave suas roupas.

PRIMEIROS SOCORROS: Ingestão: Provoque vômito e procure logo o médico, levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto. Olhos: Lave com água em abundância e procure logo o médico, levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto. Pele: Lave com água em abundância e procure logo o médico, levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto. INALAÇÃO: Procure lugar arejado.

MECANISMOS DE AÇÃO, ABSORÇÃO E EXCREÇÃO PARA O SER HUMANO: Administrado oralmente em doses até 500 mg/kg peso vivo, 74 a 87% da dose foi recuparada na urina e fezes após 24 horas. A meia vida urinária varia de 7 a 12 horas.

EFEITOS AGUDOS E CRÔNICOS: SNAKE* pode apresentar leve irritação dérmica e ocular, apresentando baixa toxicidade aguda por via dérmica e oral. Aplicações dérmicas repetidas em doses de até 1000 mg/kg peso vivo /dia, cinco dias por semana, durante 3 semanas, não produziram nenhuma irritação dérmica significativa, nem evidências de efeitos sistêmicos.

EFEITOS COLATERAIS: Não foram detectados efeitos colaterais nas doses utilizadas nas diversas provas toxicológicas com o produto.

ANTÍDOTO E TRATAMENTO: Tratamento sintomático.

PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE: Este produto é PERIGOSO ao meio ambiente. Este produto é ALTAMENTE PERSISTENTE no meio ambiente. Este produto é ALTAMENTE TRANSPORTÁVEL no meio ambiente, desloca-se facilmente no solo, podendo alcançar lençois freáticos, águas superficiais (rios, lagos, etc.) e áreas vizinhas. Evite a contaminação ambiental - Preserve a Natureza. Não utilize equipamento com vazamentos. Aplique somente as doses recomendadas. Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d'água. Descarte corretamente as embalagens e restos do produto - siga as instruções da bula. Em caso de acidente, siga corretamente as instruções constantes na bula.

INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO: Mantenha o produto em sua embalagem original. O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas ou outros materiais. A construção deve ser de alvenaria ou de material não comburente. O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável. Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO. Trancar o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças. Deve haver sempre sacos plásticos disponíveis, para envolver adequadamente embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados. Em caso de armazéns maiores, deverão ser seguidas as instruções constantes da NBR 9843. Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal.

INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES: Contacte as autoridades locais competentes e a Empresa. Utilize o EPI (macacão de PVC, luvas e botas de borracha, óculos protetores e máscaras contra eventuais vapores). Isole e sinalize a área contaminada. Em caso de derrame, estancar o escoamento, não permitindo que o produto entre em bueiros, drenos ou cursos de águas naturais. Siga as instruções: Piso pavimentado: Recolha esse material com auxílio de uma pá e coloque em tambores ou recipientes devidamente lacrados e identificados. Remova para área de descarte de lixo químico, lave o local com grande quantidade de água. Solo: retirar, com o auxílio de uma pá, as camadas de terra contaminada até que atinja solo seco e coloque em tambores ou recipientes lacrados e identificados. Corpos d'Água: interromper imediatamente o consumo humano e animal e contactar o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do recurso hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido.Em caso de incêndio, use extintores de água em forma de neblina, CO2 ou pó químico, ficando a favor do vento para evitar intoxicação.

DESTINAÇÃO ADEQUADA DE RESÍDUOS E EMBALAGENS: As embalagens devem ser enxaguadas três vezes e a calda resultante acrescentada à preparação para ser pulverizada (tríplice lavagem). Não reutilize embalagens vazias. Observar a legislação Estadual e Municipal específica. Fica proibido o enterrio de embalagens em áreas inadequadas. Consulte o órgão estadual de meio ambiente..

ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA: O Armazenamento da embalagem vazia, até a devolução nas Unidades de Recebimento, deve ser em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva, ter piso impermeável, no próprio local das embalagens cheias. Use luvas no manuseio desta embalagem. Esta embalagem vazia deve ser armazenada, separada das não contaminadas, em sacos plásticos transparentes (Embalagens Padronizadas - modelo ABNT), todas devidamente identificadas e com lacre, que deverão ser adquiridas nos Canais de Distribuição

DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA: É obrigatória a devolução da embalagem vazia pelo usuário ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal emitida no ato da compra. A devolução deve ser feita no prazo de até um ano da data da compra ou, até o prazo de validade do produto. O usuário deve guardar o comprovante de devolução pelo prazo mínimo de um ano.

TRANSPORTE: As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas. O transporte desta embalagem vazia, de agrotóxicos, seus componentes e afins, e sobras de produtos, está sujeito às regras e aos procedimentos estabelecidos na legislação específica.

DESTINAÇÃO FINAL DAS EMBALAGENS VAZIAS: A destinação final das embalagens vazias, após a devolução pelos usuários, somente poderá ser realizada pela Empresa Registrante ou por empresas legalmente autorizadas pelos órgãos competentes.

É PROIBIDO AO USUÁRIO A REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM DAS EMBALAGENS VAZIAS OU FRACIONAMENTO / REEMBALAGEM DE PRODUTOS

EFEITOS SOBRE O MEIO AMBIENTE DECORRENTES DA DESTINAÇÃO INADEQUADA DA EMBALAGEM VAZIA E RESTOS DE PRODUTOS: A destinação inadequada das embalagens e restos de produtos no meio ambiente causa contaminação do solo, da água e do ar prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.

PRODUTO IMPRÓPRIO PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO: Caso este produto venha a se tornar impróprio para utilização ou em desuso, consultar o registrante através do telefone indicado no rótulo para sua devolução e destinação final.

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre programas de Manejo Integrado, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes programas sejam implementados.

O uso continuado de herbicidas com o mesmo mecanismo de ação pode contribuir para o aumento de população de plantas daninhas resistentes a esse mecanismo de ação. Como prática de manejo de resistência de plantas daninhas, deverão ser aplicados, alternadamente, herbicidas com diferentes mecanismos de ação. Os herbicidas deverão estar registrados para a cultura. Não havendo produtos alternativos, recomenda-se a rotação de culturas que possibilite o uso de herbicidas com diferentes mecanismos de ação. Para maiores esclarecimentos, consulte um engenheiro agrônomo.

Compatibilidade

Não se conhecem casos de incompatibilidade.