Bula Firmeza N - Iharabras

Bula Firmeza N

Tiofanato-Metílico; Fluazinam
12716
Iharabras

Composição

Fluazinam 52,5 g/L
Tiofanato-metílico 350 g/L

Classificação

Fungicida, Nematicida
I - Extremamente tóxica
II - Produto muito perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Suspensão Concentrada para Tratamento de Sementes (FS)
Contato, Sistêmico

Arroz

Aspergillus spp (Fungo de pós colheita)
Fusarium moniliforme (Fusariose)
Penicillium spp (Fungo de armazenamento)
Rhizoctonia solani (Damping-off)

Feijão

Aspergillus flavus (Podridão das sementes)
Aspergillus spp (Fungo de pós colheita)
Colletotrichum lindemuthianum (Antracnose)
Penicillium spp (Fungo de armazenamento)
Sclerotinia sclerotiorum (Podridão de esclerotinia)

Milho

Fusarium moniliforme (Fusariose)
Penicillium oxalicum (Tombamento)
Pratylenchus zeae (Nematóide)

Soja

Cercospora kikuchii (Mancha púrpura da semente)
Colletotrichum truncatum (Antracnose)
Fusarium pallidoroseum (Fusariose)
Meloidogyne incognita (Nematóide das galhas)
Phomopsis sojae (Podridão seca)
Rhizoctonia solani (Damping-off)
Sclerotinia sclerotiorum (Podridão de esclerotinia)

Trigo

Bipolaris sorokiniana (Mancha marrom)
Pyricularia grisea (Brusone)

Tipo: Bombona
Material: Plástico
Capacidade: 5,0; 6,0; 10,0; 20,0; 50,0; 100,0; 200,0; 500,0 e 1.000,0 L

Tipo: Frasco
Material: Plástico
Capacidade:0,5 e 1,0 L

Tipo: Farm-Pack
Material: Plástico
Capacidade: 50,0; 100,0; 200,0; 500,0 e 1.000,0 L

Tipo: Tanque
Material: Plástico
Capacidade: 50,0; 100,0; 200,0; 500,0 e 1.000,0 L

INSTRUÇÕES DE USO:
FIRMEZA é um fungicida sistêmico e de contato com amplo espectro de ação, dos grupos químicos Benzimidazol (precursor de) (Tiofanato-metílico) e Fenilpiridinilamina (Fluazinam), utilizado para tratamento de sementes para o controle de doenças e nematóides.
MODO DE APLICAÇÃO:
Diluir o FIRMEZA em um volume de água suficiente para proporcionar a distribuição uniforme do produto nas sementes, aplicando-se a calda diretamente sobre as sementes. Em geral considera-se um total de 500 mL de calda / 100 kg de sementes para se proporcionar uma boa distribuição do produto.
O tratamento das sementes deve ser feito em tambor rotativo, equipamento de rosca sem fim ou em outro equipamento que possibilite uma distribuição homogênea do produto, tomando-se o cuidado para que as sementes não sofram quaisquer danos mecânicos que possa interferir negativamente na germinação.
Observação: Seguir as condições de aplicação acima indicadas e consultar um Engenheiro Agrônomo.
INTERVALO DE SEGURANÇA:
Arroz Irrigado, Feijão, Milho, Soja e Trigo: Intervalo de segurança não determinado devido à modalidade de emprego.
INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS:
Como o produto é destinado ao tratamento de sementes, não há restrições quanto à reentrada de pessoas em lavouras oriundas de sementes tratadas. Como medida preventiva, recomenda-se o uso de botas de borracha.
LIMITAÇÕES DE USO:
Os usos do produto estão restritos aos indicados no rótulo e bula. Quando este produto for utilizado nas doses recomendadas, não causará danos às culturas indicadas.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Recomenda-se, de maneira geral, o manejo integrado das doenças, envolvendo todos os princípios e medidas disponíveis e viáveis de controle. O uso de sementes sadias, variedades resistentes, rotação de culturas, época adequada de semeadura, adubação equilibrada, fungicidas, manejo da irrigação e outros, visam o melhor equilíbrio do sistema.

O uso sucessivo de fungicidas do mesmo mecanismo de ação para o controle do mesmo alvo pode contribuir para o aumento da população de fungos causadores de doenças resistentes a esse mecanismo de ação, levando a perda de eficiência do produto e consequente prejuízo. O produto fungicida FIRMEZA é composto por Tiofanato-metílico e Fluazinam, que apresentam mecanismos de ação: Montagem de ß-Tubulina na mitose e Desacoplador de fosforilação oxidativa, pertencentes ao Grupo B1 e Grupo C5, segundo classificação internacional do FRAC (Comitê de Ação à Resistência de Fungicidas), respectivamente.
Como prática de manejo de resistência e para evitar os problemas com a resistência dos fungicidas, seguem algumas recomendações:
• Alternância de fungicidas com mecanismos de ação distintos do Grupo B1 e C5 para o controle do mesmo alvo, sempre que possível;
• Adotar outras práticas de redução da população de patógenos, seguindo as boas práticas agrícolas, tais como rotação de culturas, controles culturais, cultivares com gene de resistência quando disponíveis, etc.;
• Utilizar as recomendações de dose e modo de aplicação de acordo com a bula do produto;
• Sempre consultar um engenheiro agrônomo para o direcionamento das principais estratégias regionais sobre orientação técnica de tecnologia de aplicação e manutenção da eficácia dos fungicidas;
• Informações sobre possíveis casos de resistência em fungicidas no controle de fungos patogênicos devem ser consultados e, ou, informados à: Sociedade Brasileira de Fitopatologia (SBF: www.sbfito.com.br), Comitê de Ação à Resistência de Fungicidas (FRAC-BR: www.frac-br.org), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA: www.agricultura.gov.br).