Bula Game

acessos
Lufenuron
1613
UPL

Composição

Lufenuron 50 g/L Aciluréia

Classificação

Inseticida/Acaricida
II - Altamente tóxico
III - Produto perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Concentrado Emulsionável (EC)
Ingestão
Algodão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Curuquerê
(Alabama argillacea)
150 a 200 mL p.c./ha 80 a 200 L de calda/ha - Fazer duas aplicações por ciclo. 28 dias. Início da infestação
Batata Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Traça da batatinha
(Phthorimaea operculella)
600 a 800 mL p.c./ha 400 a 800 L de calda/ha - Reaplicar após 14 dias fazendo rotação com outros ingredientes ativos. Fazer duas aplicações por ciclo. 14 dias. Início da infestação
Citros Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Minadora da folhas
(Phyllocnistis citrella)
25 mL/100 L de água 10 L de água/planta - Fazer duas aplicações por ciclo. 28 dias. no início das brotações, quando estiverem com 3 a 5 cm de comprimento, e também quando há a detecção das primeiras posturas ou larvas
Milho Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Lagarta do cartucho
(Spodoptera frugiperda)
300 mL p.c./ha 150 a 400 L de calda/ha - Fazer duas aplicações por ciclo. 35 dias. Início da infestação quando as lagartas recém eclodidas iniciarem a raspagem das folhas
Soja Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Lagarta da soja
(Anticarsia gemmatalis)
150 mL p.c./ha 80 a 200 L de calda/ha - Reaplicar se necessário após 14 dias. Fazer 2 aplicações por ciclo. 35 dias. Início da infestação após a eclosão dos ovos com as lagartas no 1º ou 2º ínstar de desenvolvimento
Tomate Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Broca pequena do tomateiro
(Neoleucinodes elegantalis)
80 mL/100 L de água 400 a 1000 L de calda/ha - O produo deve ser aplicado a cada 7 a 10 dias conforme as condições da planta e de clima, propícias ao desenvolvimento da praga, obedecendo-se o intervalo de carência. 10 dias. Início do florescimento, antes que a praga penetre no interior dos frutos
Traça do tomateiro
(Tuta absoluta)
80 mL/100 L de água 400 a 1000 L de calda/ha - Repetir a cada 7 a 10 dias conforme as condições da planta e de clima, propícias ao desenvolvimento da praga, obedecendo-se o intervalo de carência. Fazer no máximo 3 aplicações por ciclo. 10 dias. Nos primeiros sinais da praga
Trigo Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Lagarta do trigo
(Pseudaletia sequax)
100 mL p.c./ha 80 a 200 L de calda/ha - Repetindo se necessária após 14 dias. Fazer 2 aplicações por ciclo. 14 dias. Início da infestação da praga

ANTES DE USAR O PRODUTO, LEIA O RÓTULO, A BULA E A RECEITA E CONSERVE-OS EM SEU PODER.

É OBRIGATÓRIO O USO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL. PROTEJA-SE.

É OBRIGATÓRIA A DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA.

Indústria Brasileira

CLASSIFICAÇÃO TOXICOLÓGICA: CLASSE II – ALTAMENTE TÓXICO
CLASSIFICAÇÃO DO POTENCIAL DE PERICULOSIDADE AMBIENTAL: CLASSE III – PERIGOSO AO MEIO AMBIENTE

Cor da Faixa: Amarelo Intenso


INSTRUÇÕES DE USO:

O produto GAME é recomendado para o controle das pragas nas culturas relacionadas a seguir e suas respectivas doses:

Cultura Pragas Dose do Produto Comercial Volume de Calda (L/ha)
Nome Comum Nome Científico
Algodão Curuquerê Alabama argillacea 150 a 200 mL/ha 80 a 200
Batata Traça-da-batatinha Phthorimaea operculella 600 a 800 mL/ha 400 a 800
Citros Minadora-das-folhas Phyllocnistis citrella 25 mL/100 L d’água ---
Milho Lagarta-militar Spodoptera frugiperda 300 mL/ha 150 a 400
Soja Lagarta-da-soja Anticarsia gemmatalis 150 mL/ha 80 a 200
Tomate Broca-pequena-do-fruto Neoleucinodes elegantalis 80 mL/100 L d’água 400 a 1000
Traça-do-tomateiro Tuta absoluta
Trigo Lagarta-do-trigo Pseudaletia sequax 100 mL/ha 80 a 200


NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:
Pelo seu mecanismo de ação sobre os insetos, o GAME não possui efeito de choque sobre as pragas mencionadas, e sua plena eficiência começa a manifestar-se entre 3-5 dias após a pulverização. Apesar de eficiente contra as lagartas em qualquer fase de seu desenvolvimento, deve-se iniciar as pulverizações, quando os insetos estão ainda na fase de ovo ou no 1º ou 2º ínstar de desenvolvimento, quando ainda não causa prejuízos as culturas e, portanto, não precisam ser eliminadas rapidamente.

• Algodão: Curuquerê - iniciar a pulverização no início da infestação. Fazer avaliações periódicas do nível populacional das pragas. Realizar até 2 aplicações por ciclo, espaçadas de 10 dias.

• Batata: Traça-da-batatinha - iniciar a pulverização no início da infestação da praga. Reaplicar após 14 dias fazendo rotação com outros ingredientes ativos. Realizar até 2 aplicações por ciclo.

• Citros: Minadora-das-folhas - iniciar a pulverização no início das brotações, quando estiverem com 3 a 5 cm de comprimento, e também quando há a detecção das primeiras posturas ou larvas. Realizar até 2 aplicações por ciclo, espaçadas de 14 dias.

• Milho: Lagarta-militar - iniciar as pulverizações no início da infestação quando as lagartas recém eclodidas iniciarem a raspagem das folhas. Realizar até 2 aplicações por ciclo, espaçadas de 14 dias.
• Soja: Lagarta-da-soja - iniciar as pulverizações no início da infestação após a eclosão dos ovos com as lagartas no 1º ou 2º ínstar de desenvolvimento. Reaplicar se necessário após 14 dias. Realizar até 2 aplicações por ciclo.

• Tomate: Broca-pequena-do-fruto - as pulverizações devem ser iniciadas no início do florescimento, antes que a praga penetre no interior dos frutos. O produto deve ser aplicado a cada 7 a 10 dias conforme as condições da planta e de clima, propícias ao desenvolvimento da praga, obedecendo-se o intervalo de carência. Traça-do-tomateiro - iniciar as pulverizações nos primeiros sinais da praga e repetir a cada 7 a 10 dias conforme as condições da planta e de clima, propícias ao desenvolvimento da praga, obedecendo-se o intervalo de carência. Realizar no máximo 3 aplicações por ciclo.

• Trigo: Lagarta-do-trigo – iniciar a pulverização no início da infestação da praga, repetindo se necessária após 14 dias. Realizar até 2 aplicações por ciclo.


MODO DE APLICAÇÃO:
A dose recomendada do GAME deve ser diluída em água e aplicada sob forma de pulverização com qualquer tipo de equipamento terrestre, costal ou tratorizado, ou também através de aeronaves especializadas para pulverização agrícola. Para uma cobertura uniforme sobre as plantas, nas pulverizações terrestres, recomenda-se o seguinte:

• Algodão, Soja e Trigo: Utilizar bicos de jato cônico vazio com um volume da água entre 80 a 200 L/ha.

• Batata: Utilizar bicos de jato cônico vazio com um volume de água variando de 400 a 800 L/ha, conforme o crescimento vegetativo da cultura.

• Citros: Recomenda-se utilizar tubo atomizadores tratorizados, ou pistolas de pulverização com um volume de água de aproximadamente de 10 L/planta adulta.

• Milho: Utilizar bicos de jato leque preferencialmente 8004. Para reduzir a perda de calda recomenda-se fechar os bicos que ficarão nas entre-linhas da cultura, deixando em atividade somente aqueles sobre as linhas da cultura. Em condições climáticas normais usar volume de calda de 150 a 200 L/ha aumentando para 300 a 400 L/ha sob condições de seca e baixa umidade.

• Tomate: Recomenda-se também o uso de bicos de jato cônico com um volume de água entre 400 a 1000 L/ha conforme o desenvolvimento da cultura.
Equipamentos/Parâmetros para Pulverização:

Condições meteorológicas Temperatura: máxima 30ºC
Umidade Relativa mínima: 55%
Velocidade do vento:
máxima: 15 km/hora
mínima: 3 Km/hora Evitar as horas mais quentes do dia.
*Largura da faixa recomendada para aviões do tipo IPANEMA e similares. Para aeronaves de maior porte, consultar Engenheiro Agrônomo.

INTERVALO DE SEGURANÇA:

Cultura Dias
Algodão 28
Batata 14
Citros 28
Milho 35
Soja 35
Tomate 10
Trigo 14


INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS:
(De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela saúde humana -

LIMITAÇÕES DE USO:
Fitotoxicidade para as culturas indicadas:
Nas culturas e doses recomendadas não apresenta qualquer efeito fitotóxico.


INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL A SEREM UTILIZADOS:
Vide DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DA SAÚDE HUMANA


INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃO A SEREM USADOS:
Vide modo de aplicação.


DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TRÍPLICE LAVAGEM DA EMBALAGEM OU TECNOLOGIA EQUIVALENTE:
Vide DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE.


INFORMAÇÕES SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA A DEVOLUÇÃO, DESTINAÇÃO, TRANSPORTE, RECICLAGEM, REUTILIZAÇÃO E INUTILIZAÇÃO DAS EMBALAGENS VAZIAS:
Vide DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE.


INFORMAÇÕES SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA A DEVOLUÇÃO E DESTINAÇÃO DE PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO:
Vide DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE.


INFORMAÇÕES SOBRE O MANEJO DE RESISTÊNCIA:
Qualquer agente de controle de inseto pode se tornar menos efetivo ao longo do tempo, se a praga alvo desenvolver algum mecanismo de resistência a ele. O Comitê Brasileiro de Ação a Resistência a Inseticidas – IRAC-BR recomenda as seguintes estratégias de manejo de resistência, visando prolongar a vida útil dos inseticidas:
- Qualquer produto para controle de pragas, da mesma classe ou modo ação, não deve ser utilizado em gerações consecutivas da praga.
- Usar somente doses recomendadas na bula/rótulo.
- Consultar sempre um Engenheiro Agrônomo para orientação sobre o Manejo de Resistência a Inseticidas.
- Incluir outros métodos de controle de pragas (Ex. Controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas, quando disponível e apropriado.


INFORMAÇÕES SOBRE MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS:
- Incluir outros métodos de controle de pragas (Ex. Controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas, quando disponível e apropriado. Para maiores esclarecimentos, consulte um engenheiro agrônomo.

MINISTÉRIO DA SAÚDE - AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA
DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DA SAÚDE HUMANA:
(De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana - ANVISA/MS).



INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS
DADOS RELATIVOS A PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE:
(De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente - IBAMA/MMA).



RESTRIÇÕES ESTABELECIDAS POR ORGÃO COMPETENTE DO ESTADO, DISTRITO FEDERAL OU MUNICIPAL
(De acordo com as recomendações aprovadas pelos órgãos responsáveis.)




TELEFONES DE EMERGÊNCIA PARA INFORMAÇÕES MÉDICAS: 08007010450

DADOS RELATIVOS A PROTEÇÃ0 DA SAUDE HUMANA:
ANTES DE USAR LEIA COM ATENcA0 ESTAS INSTRUÇÕES
PRODUTO PERIGOSO
USE OS EQUIPAMENTOS DE PROTEcAO INDIVIDUAL COMO INDICADO
PRECAUÇÕES GERAIS:
• Produto para use exclusivamente agricola.

Nao coma, nao beba e nao fume durante o manuseio e aplicagao do produto.

Nao manuseie ou aplique o produto sem os equipamentos de protegao individual (EPI)
recomendados.

Nao utilize equipamentos de protegao individual (EPI) danificados.
• Nao utilize equipamentos corn vazamento ou corn defeitos.
• Nao desentupa bicos, orificios e valvulas corn a boca.

Nao transporte o produto juntamente corn alimentos, medicamentos, ragoes, animals e
pessoas.
PRECAUÇÕES NA PREPARAÇÃO DA CALDA:

Caso ocorra contato acidental da pessoa corn o produto, siga as instruções descritas em
primeiros socorros e procure rapidamente o servigo médico de emergência.
• Ao abrir a embalagem, faça-o de modo a evitar respingos.

Utilize equipamento de proteção individual - EPI: macacão de algodao impermeável corn
mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas por cima das
botas; botas de borracha; avental impermeavel; mascara provida de filtros adequados;
Óculos de seguranga corn protegao lateral, touca erabe e luvas de nitrila.
• Manuseie o produto em local aberto e ventilado.
PRECAUÇÕES DURANTE A APLICAÇÃO:
• Evite o máximo possível, o contato corn a área tratada.

Não aplique o produto na presenga de ventos fortes e nas horas mais quentes do dia.

Não aplique o produto contra o vento, se utilizar distribuidor costal.

Se utilizar trator ou avião, aplique o produto contra o vento, de modo a evitar que o
aplicador entre na nevoa do produto.

Aplique o produto somente nas doses recomendados e observe o intervalo de seguranga
(intervalo de tempo entre a última aplicação e.a colheita).

Utilize equipamento de protegao individual - EPI: macacão de algodão impermeavel corn
mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas por cima das
botas; botas de borracha; mascara provida de filtros adequados; óculos de segurança
corn proteção lateral, touca árabe e luvas de nitrila.
PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO:

Mantenha o restante do produto adequadamente fechado em sua embalagem original em
local trancado, longe do alcance de crianças e animais.
• Antes de retirar os equipamentos de proteção individual (EPI), lave as luvas ainda
vestidas para evitar contaminação.
• Tome banho imediatamente após a aplicação do produto.

Troque e lave suas roupas de proteção separado das demais roupas da família. Ao lavar
as roupas utilizar luvas e avental impermeável
• Faça manutenção e lavagem dos equipamentos de proteção apos cada aplicação do produto.
• Fique atento ao tempo de uso dos filtros, seguindo corretamente as especificações do fabricante.
• Não reutilizar a embalagem vazia.
• No descarte de embalagens utilize equipamento de proteção individual - EPI: macacão de algodão impermeável com mangas cumprida, luvas de nitrila e botas de borracha.
PRIMEIROS SOCORROS: procure logo um serviço medico de emergência levando a embalagem, rotulo, bula e/ou receituário agronomico do produto.
INGESTÃO: Se engolir o produto, não provoque o vomite. Caso o vomito ocorra naturalmente, deite a pessoa de lado. Não de nada para beber ou corner.
OLHOS: Em caso de contato, lave com muita água corrente durante pelo menos 15 minutos. Evite que a água de lavagem entre no outro olho.
PELE: Em caso de contato, tire a roupa contaminada e lave a pele com muita .6gua corrente e sabão neutro.
INALAÇÃO: Se o produto for inalado ("respirado"), leve a pessoa para um local aberto e ventilado.

A pessoa que ajudar deve proteger-se da contaminação usando luvas e avental IMPERMEÁVEIS.

INFORMAÇÕES MÉDICAS

Grupo Químico: Lufenurom Benzoilureia
Outros : Dipropilenoglicol dibenzoato + emulsificantes

Vias de exposição Oral, inalatória, ocular e dérmica.

Toxicocinetica:Em ratos, Lufenurom foi parcialmente absorvido no trato gastrointestinal e armazenado no tecido adiposo. A taxa de absorção através da pele foi de 5%. A eliminação foi lenta através das fezes. Somente uma quantidade menor que 0,5% do Lufenuron foi metabolizado. Foram encontrados resíduos da sustância teste em tecido adiposo e no leite. Em estudos realizados com animais expostos a doses repetidas, foi observada uma depleção dos resíduos presentes no tecido adiposo com meia-vida de 16 horas, depois de cessada a administração da substancia teste.

Mecanismos de toxicidade: Os mecanismos de toxicidade do Lufenurom em humanos não são completamente conhecidos. Nos insetos atua inibindo a síntese de quitina, que o ser humano não possui.

Sintomas e sinais clínicos: Exposição aguda: ha poucos relatos em humanos. Em animais observou-se: ,Sinais e sintomas
Dermimal: Sensibilização da pele.
Ocular: Irritação leve transitaria.
lnalatório: Tosse, dispneia.
Oral: Nauseas, vomitos
Sistemica: Alterações hepáticas, confusão e alteração de eletrólitos.

Efeitos crônicos: em animais causou efeitos sobre o sistema nervoso
central (convulsões tônico-clonicas), perda de peso, moderado enfisema, alterações do metabolismo protéico, hepáticas e tireóideas. Não houve evidencias de efeitos carcinogênicos, endócrinos, na reprodução ou sobre o desenvolvimento.

Outros Componentes Dipropilenoglicol dibenzoato : provocou efeitos sobre o
desenvolvimento em animais.
Emulsificante : tem propriedades irritativas do trato gastrointestinal,
ocular, dérmico e respiratório. A exposição repetida induz reações
alérgicas (asma. dermatite alérgica e eczema).
Diagnostico: O diagnostico a estabelecido pela confirmação da exposição e de quadro clínico compatível.
• Obs.: Em se apresentando sinais e sintomas indicativos de
intoxicação aguda, trate o paciente imediatamente.

TRATAMENTO

Antídoto: não ha antídoto especifico.
Tratamento: remoção da fonte de exposição, descontaminação, proteção das vias respiratórias, de aspiração; tratamento sintomático e de suporte.

Exposição Oral:
• Diluição: imediatamente diluir com (120-240)ml de água ou leite (não exceder 120 ml em crianças)(pelo emulsificante)
• Lavagem gástrica: na maioria dos casos não é necessário.
1. Considere logo apos ingestão de uma grande quantidade do produto (ate 1 hora). Proteger as vias aéreas em posição de Trendelenburg e decúbito lateral esquerdo ou por incubação endotraqueal.
2. contra-indicações: perda de reflexos protetores das vias respirat6rias ou
alterarão de consciência em pacientes nao-intubados; corrosivos e
hidrocarbonetos; risco de hemorragia ou perfurarão gastrointestinal. Carvão ativado: se liga a maioria dos agentes tóxicos e pode diminuir a absorção sistêmica deles, se administrado logo ap6s a ingestão (1 h)
1. Dose: suspensão (240 ml de água/30 g de carvão). Dose: 25 a 100 g em
adultos, 25 a 50 g em crianças de (1-12)a e 1 g/kg em < 1 a.
• Não provocar vomit°.
• Endoscopia: considere em casos de irritação gastrointestinal ou
esofágica para avaliar a extensão do dano e guiar a lavagem gástrica.
• Emergência, suporte e tratamento sintomático: manter as vias aéreas permeáveis: aspirar secreções, administrar oxigênio e encubar se necessário. Atenção especial para parada respirat6ria repentina, hipotensão e arritmias. Uso de ventilação assistida se requerido. Monitorar oxigenação (oximetria ou gasometria), eletrólitos, ECG, etc. Manter internação por no minim° 24 horas ap6s o desaparecimento dos sintomas.
• Fluidos intravenosos e monitorização laboratorial. Manter internação par no mínima 24 horas apos o desaparecimento dos sintomas.
Exposição Inalatória: Se ocorrer tosse/dispnéia, avalie quanto a irritação, bronquite ou pneumonia. Administre oxigênio e auxilie na ventilação. Trate bronco espasmos com 132-agonizas via inalatória e corticosteróides via oral ou parenteral.
Exposição Ocular: Lave as olhos expostos com quantidades copiosas de água ou salina 0,9%, a temperatura ambiente, par pelo menos 15 minutos. Se as sintomas persistirem, encaminhar o paciente para o especialista.
Exposição Dérmica: Remova as roupas contaminadas e lave a área exposta com abundante água e sabão. Encaminhar o paciente para o especialista caso a irritação ou dor persistirem.

CUIDADOS Para os prestadores de primeiros socorros:
• EVITAR aplicar respiração boca-boca em caso de ingestao do produto; usar equipamento de reanimacao manual (Amb6).
• Usar equipamentos de PROTEÇÃO: para evitar contato cutaneo, ocular e inalatório com o produto.

Contra-indicações: A indução do vômito e contra-indicada em razão do risco de aspiração pulmonar.
ATENCAO
Ligue para o Disque-Intoxicagao: 0800-722-6001 para notificar o caso e
obter informações especializadas sobre o diagnostico e tratamento.
Rede Nacional de Centros de Informação e Assistência Toxicológica
RENACIAT — ANVISA/MS
Notifique ao sistema de informação de agravos de notificação
(SINAN / MS)
Telefone de Emergência da empresa: 0800 70 10 450 — (019) 3794-
5600

Mecanismo de Ação, Absorção e Excreção para Animais de Laboratório: Vide itens Toxicocinetica e Mecanismos de toxicidade no quadro acima.
Efeitos Agudos e Crônicos para Animais de Laboratório:
Efeitos Agudos: (PF)
DL50 oral em ratos (fêmeas): > 300 mg/kg DL50dermica em ratos: > 4000 mg/Kg Irritação dérmica: No irritante.
Irritação ocular: Altamente irritante Sensibilização cutânea: Não sensibilizante.
Efeitos crônicos :
Lufenurom: não causou efeitos sobre a reprodução, sobre o desenvolvimento ou apresentou potencial mutagênico nos estudos realizados com animais de laboratório. No estudo combinado crônico e de carcinogenicidade realizado por 2 anos com ratos, foram observadas convulsões e lesões histopatológicas relacionadas com alteração de gordura no fígado. Os animais expostos a doses elevadas (> 20 mg/kg pc/dia), durante semanas consecutivas, apresentaram convulsões. Nestas doses mais elevadas, o Lufenurom acumulou nos tecidos adiposos mais rapidamente do que foi metabolizado ou eliminado; devido a ocorrência de uma saturação do tecido adiposo o nível de Lufenurom aumentou significativamente no sistema animal. A saturação complete do sistema animal causou os efeitos convulsivos, que diminuíram consideravelmente quando a exposição foi cessada. Concluiu-se que a convulsão foi um evento secundário a bioacumulacao de Lufenurom no tecido adiposo.
Dipropilenoglicol dibenzoato : provocou incremento no numero de costelas cervicais e ossificação incompleta de vértebras e esterno (NOAEL = 250 mg/kg/d).

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÀVEIS DADOS RELATIVOS A PROTEcA0 DO MEIO AMBIENTE:
PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PR0TEÇÃO AO MEIO AMBIENTE:

PERIGOSO AO MEIO AMBIENTE (CLASSE III).


• Este produto é ALTAMENTE Tóxico para microcrustáceos.
• Evite contaminação ambiental - Preserve a Natureza
• No utilize equipamento com vazamento.
• No aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes.
• Aplique somente as doses recomendadas.
• No lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d'água. Evite contaminação da água.
• A destinação inadequada de embalagens ou restos de produtos ocasiona contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, flora e a saúde das pessoas.
• Não execute aplicação aérea de agrotóxicos em áreas situadas a uma distancia inferior a 500 (quinhentos) metros de povoação e de mananciais de captação de água para abastecimento publico e de 250 (duzentos e cinqüenta) metros de mananciais de água, moradias isoladas, agrupamentos de animas e vegetação suscetível a danos.
• Observe as disposições constantes na legislação estadual e municipal concernentes as atividades aeroagricolas.
INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO DO PRODUTO, VISANDO SUA CONSERVAcA0 E PREVENcA0 CONTRA ACIDENTES:
• Mantenha o produto em sua embalagem original, sempre fechada.
• 0 local deve ser exclusivo para produto tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas, razões ou outros materiais.
• A construção deve ser de alvenaria ou de material não combustível.
• 0 local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável.
• Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO.
• Tranque o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças.
• Deve haver sempre embalagens adequadas disponíveis, para envolver embalagens rompida ou para o recolhimento de produtos vazados.
• Em caso de armazéns, deverão ser seguidas as instruções constantes da NBR 9843 da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT.
• Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal.
INSTRUÇÕES EM CASOS DE ACIDENTES:
• Isole e sinalize a área contaminada.
• Contate as autoridades locais competente e a Empresa DVA AGRO DO BRASIL - COMERCIO, IMPORTAgA0 E EXPORTAcA0 DE INSUMOS AGROPECUARIOS LTDA., pelo telefone de Emergência (0800) 70 10 450 - (019) 3794-5600.

• Utilize equipamento de proteção individual - EPI (macacão impermeável, luvas e botas de3 borracha, óculos protetores e mascara com filtros).
• Em caso de derrame, estanque o escoamento, não permitindo que o produto entre em bueiros, drenos ou corpos d'água. Siga as instruções abaixo:
Piso pavimentado: absorva o produto com serragem ou areia, recolha o material com auxilio de uma PA e coloque em recipiente lacrado e identificado devidamente. O produto derramado não devera mais ser utilizado. Neste caso, contate a empresa registraste, pelo telefone indicado acima, para que seja feito o recolhimento pela mesma. Lave o local com grande quantidade de água.
Solo: retire as camadas de terra contaminada ate atingir o solo no contaminado, recolha esse material e coloque em um recipiente lacrado e devidamente identificado. Contate a empresa registraste conforme indicado acima.
Corpos d'água: interrompa imediatamente a captação para o consumo humano ou animal, contate o órgão ambiental mais próximo e o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do corpo hídrico em questa° e da quantidade do produto envolvido.
• Em caso de incêndio use extintores de água em forma de neblina, CO2 ou pó químico, ficando a favor do vento para evitar intoxicação.
PROCEDIMENTOS DE LAVAGEM, ARMAZENAMENTO, Devolução, TRANSPORTE E DESTINAgA0 DE EMBALAGENS VAZIAS E RESTOS DE PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA A REUTILIZAÇÃO OU EM DESUSO:
EMBALAGEM Rígida LAVAVEL
- LAVAGEM DA EMBALAGEM:
Durante o procedimento de lavagem o operador devera estar utilizando os mesmos s -
Equipamentos de Proteg5o Individual - recomendamos para o preparo da calda do produto.
• Tríplice Lavagem (Lavagem Manual):
Esta embalagem devera ser submetida ao processo de Tríplice Lavagem, imediatamente apos o seu esvaziamento, adotando-se os seguintes procedimentos:
Esvazie completamente o conteúdo da embalagem no tanque do pulverizador mantendo-o na posição vertical durante 30 segundos;
mantendo-o na posição vertical durante 30 segundos;
- Adicione água limpa a embalagem ate 1/4 do seu volume;
- Tampe barn a embalagem e agite-a por 30 segundos;
- Despeje a água da lavagem no tanque pulverizador;
- Faca esta operação três vezes;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica perfurando o fundo. Ass.:
• Lavagem sob Pressão:
• Ao utilizar pulverizadores dotados de equipamentos de lavagem e seguintes procedi mentos:
- Encaixe a embalagem vazia no local apropriado do funil instalado no pulverizador; - Acione o mecanismo para liberar o jato de água;
- Direcione o jato de água para todas as paredes internas da embalagem, por 30 segundos;
- A água de lavagem deve ser transferida para o tanque do pulverizador;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica, perfurando o fundo.
Ao utilizar equipamento independente para lavagem sob pressão, adotar os seguintes procedimentos :
- Imediatamente após o esvaziamento do conhecido original da embalagem, mante-la invertida sobre a boca do tanque de pulverização, em posição vertical, durante 30 segundos.
- Manter a embalagem nessa posição, introduzir a ponta do equipamento de lavagem sob pressão, direcionando o jato de água para todas as paredes internas da embalagem, por 30 segundos;
- Toda a água de lavagem é dirigida diretamente para o tanque do pulverizador;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica, perfurando o fundo.
- ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA:
Ápice a realização da Tríplice lavagem ou Lavagem Sob Pressão, esta embalagem deve ser armazenada com a tampa, em caixa coletiva, quando existente, separadamente das embalagens no lavadas.
0 armazenamento das embalagens vazias, ate sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, ou no próprio local onde guardadas as embalagens cheias.
- DEVOLKAO DA EMBALAGEM VAZIA:
No prazo de ate um ano da data da compra, é obrigatória a devolução da embalagem vazia, com tampa, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida no ato da compra.
Caso o produto no tenha sido totalmente utilizado nesse prazo, e ainda esteja dentro do prazo de validade, será facultada a devolução da embalagem em ate 6 meses apos o termino do seu prazo de validade.
0 usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, pelo prazo mínimo de um ano apos a devolução da embalagem vazia.
- TRANSPORTE:
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com
medicamentos, racties, animais e pessoas.
EMBALAGEM Rígida NÃO LAVAVEL
ESTA EMBALAGEM NAO PODE SER LAVADA

- ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA:

O armazenamento da ennbalagem vazia, ate sua devolugao pelo usuário, deve estar em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e corn piso impermeável, ou no local onde guardadas as embalagens cheias.
Use luvas no manuseio desta embalagem.
Esta embalagem deve ser armazenada com sua tampa, em caixa coletiva, quando existente, separadamente das embalagens lavadas.

onde guardadas as embalagens cheias.
Use luvas no manuseio desta embalagem.
Esta embalagem deve ser armazenada com sua tampa, em caixa coletiva, quando existente, separadamente das embalagens lavadas.

0 usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, período mínimo de um ano apos a devolução da embalagem vazia.
- TRANSPORTE:
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto a medicamentos, rações, animais e pessoas
EMBALAGEM Flexível
- ESTA EMBALAGEM NAO PODE SER LAVADA
0 armazenamento da embalagem vazia, ate sua devolução pelo
em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, ou no próprio local onde guardadas as embalagens cheias.
Use luvas no manuseio desta embalagem.
Essa embalagem vazia deve ser armazenada separadamente das lavadas, em saco plastic° transparente (Embalagens Padronizadas - modelo ABNT), devidamente identificado e com lacre, o qual devera ser adquirido nas Canal de Distribuição.
- DEVOLKAO DA EMBALAGEM VAZIA:
No prazo de ate um ano da data da compra, e obrigatória a devolução da embalagem vazia, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida no ato da compra.
Caso o produto não tenha sido totalmente utilizado nesse prazo, e ainda esteja dentro do seu prazo de validade, será facultada a devolução da embalagem em ate 6 meses após o termino do seu prazo de validade.
0 usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, pelo prazo minim° de um ano apos a devolução da embalagem vazia.
- TRANSPORTE:
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas. Devem ser transportadas em saco plastic° transparente (Embalagens Padronizadas - model° ABNT), devidamente identificado e com lacre, o qual devera ser adquirido nos Canais de Distribuição.
EMBALAGEM SECUNDARIA - NAO CONTAMINADA
- ESTA EMBALAGEM NAO PODE SER LAVADA
- ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA:
0 armazenamento da embalagem vazia, ate sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, no próprio local onde guardadas as embalagens cheias.
DEVOLUCAO DA EMBALAGEM VAZIA:
E obrigatória a devolução da embalagem vazia, pelo usuário, onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida pelo estabelecimento comercial.
- TRANSPORTE:
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas.
- DESTINACAO FINAL DAS EMBALAGENS VAZIAS:

A destinação final das embalagens vazias, apos a devolução pelos usuários, somente poderá ser realizada pela Empresa Registraste ou por empresas legalmente autorizadas pelos órgãos competentes.
- E PROIBIDO AO USUARIO A REUTILIZAcA0 E A RECICLAGEM DESTA EMBALAGEM VAZIA OU 0 FRACIONAMENTO E REEMBALAGEM DESTE PRODUTO.
- EFEITOS SOBRE 0 MEIO AMBIENTE DECORRENTE DA DESTINAcA0 INADEQUADA DA EMBALAGEM VAZIA E RESTOS DE PRODUTOS:
A destinação inadequada das embalagens vazias, sacarias e restos de produtos no meio ambiente causa contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.
- PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAcA0 OU EM DESUSO:
Caso este produto venha a se tornar impróprio para utilização ou em desuso, consulte o registraste através do telefone indicado no rotulo para sua devolução e destinação final.
A desativação do produto é feita através de incineração em fornos destinados para este tipo de operação, equipados com câmaras de lavagem de gases efluentes e aprovados por órgão ambiental competente.
- TRANSPORTE DE AGROTÓXICOS, COMPONENTES E AFINS:
0 transporte esta sujeito as regras e aos procedimentos estabelecidos na legislação especifica, que inclui o acompanhamento da ficha de emergência do produto, bem como determina que os agrotóxicos no podem ser transportados junto de pessoas, animais, rações, medicamentos ou outros materiais.
RESTRIÇOES ESTABELECIDAS POR ORGãO COMPETENTE DO ESTADO, DISTRITO

-
Incluir outros métodos de controle de pragas (Ex. Controle cultural, biológico, etc.) dentro
do programa de Manejo Integrado de Pragas, quando disponivel e apropriado. Para maiores
esclarecimentos, consulte urn engenheiro agronomo.

Qualquer agente de controle de inseto pode se tornar menos efetivo ao longo do tempo, se a
praga alvo desenvolver algum mecanismo de resistencia a ele. O Comite Brasileiro de Ação a
Resistência a Inseticidas - IRAC-BR recomenda as seguintes estrategias de manejo de
resistencia, visando prolongar a vida útil dos inseticidas:
- Qualquer produto para controle de pragas, da mesma classe ou modo ação, não deve ser
utilizado em gerações consecutivas da praga.
- Usar somente doses recomendadas na bula/rótulo.
-
Consultar sempre urn Engenheiro Agronomo para orientação sobre o Manejo de Resistência
a Inseticidas.
-
Incluir outros metodos de controle de pragas (Ex. Controle cultural, biológico, etc.) dentro
do programa de Manejo Integrado de Pragas, quando disponivel e apropriado.