Bula Kroll - Arysta Lifescience

Bula Kroll

acessos
Cletodim + Quizalofop-P-Etílico
12718
Arysta Lifescience

Composição

Cletodim 240 g/L Oxima ciclohexanodiona
Quizalofop-P-ethyl 120 g/L Ácido ariloxifenoxipropiônico

Classificação

Herbicida
I - Extremamente tóxica
II - Produto muito perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Concentrado Emulsionável (EC)
Sistêmico

Algodão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Capim carrapicho
(Cenchrus echinatus)
0,3 a 0,4 L p.c./ha 200 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha Realizar uma aplicação. 50 dias. Aplicar em pós emergência com o estádio da planta daninha entre 2 - 4 perfilhos. Adicionar Alquil ester etoxilado do ácido fosfórico ou óleo mineral a 0,5% v/v
Capim colchão
(Digitaria horizontalis)
0,3 a 0,4 L p.c./ha 200 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha Realizar uma aplicação. 50 dias. Aplicar em pós emergência com o estádio da planta daninha entre 2 - 4 perfilhos. Adicionar Alquil ester etoxilado do ácido fosfórico ou óleo mineral a 0,5% v/v
Capim pé de galinha
(Eleusine indica)
0,3 a 0,4 L p.c./ha 200 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha Realizar uma aplicação. 50 dias. Aplicar em pós emergência com o estádio da planta daninha entre 2 - 4 perfilhos. Adicionar Alquil ester etoxilado do ácido fosfórico ou óleo mineral a 0,5% v/v
Milho
(Zea mays)
0,3 a 0,4 L p.c./ha 200 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha Realizar uma aplicação. 50 dias. Aplicar em pós emergência com o estádio da planta daninha entre 15 - 50 cm. Adicionar Alquil ester etoxilado do ácido fosfórico ou óleo mineral a 0,5% v/v
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
0,3 a 0,4 L p.c./ha 200 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha Realizar uma aplicação. 50 dias. Aplicar em pós emergência com o estádio da planta daninha entre 2 - 4 perfilhos. Adicionar Alquil ester etoxilado do ácido fosfórico ou óleo mineral a 0,5% v/v
Eucalipto Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Braquiarão
(Brachiaria brizantha)
0,7 L p.c./ha 200 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. Uso não alimentar. Após o transplantio das mudas e na pós-emergência das plantas daninhas, no estádio de 1 a 2 perfilhos. Adicionar Alquil ester etoxilado do ácido fosfórico ou óleo mineral a 0,5% v/v
Capim braquiária
(Brachiaria decumbens)
0,6 L p.c./ha 200 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. Uso não alimentar. Após o transplantio das mudas e na pós-emergência das plantas daninhas, no estádio de 1 a 2 perfilhos. Adicionar Alquil ester etoxilado do ácido fosfórico ou óleo mineral a 0,5% v/v
Capim carrapicho
(Cenchrus echinatus)
0,3 a 0,4 L p.c./ha 200 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha Realizar uma aplicação. Uso não alimentar. Aplicar em pós emergência com o estádio da planta daninha entre 2 - 4 perfilhos. Adicionar Alquil ester etoxilado do ácido fosfórico ou óleo mineral a 0,5% v/v
Capim colchão
(Digitaria horizontalis)
0,3 a 0,4 L p.c./ha 200 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha Realizar uma aplicação. Uso não alimentar. Aplicar em pós emergência com o estádio da planta daninha entre 2 - 4 perfilhos. Adicionar Alquil ester etoxilado do ácido fosfórico ou óleo mineral a 0,5% v/v
Capim colonião
(Panicum maximum)
0,6 L p.c./ha 200 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. Uso não alimentar. Após o transplantio das mudas e na pós-emergência das plantas daninhas, no estádio de 1 a 2 perfilhos. Adicionar Alquil ester etoxilado do ácido fosfórico ou óleo mineral a 0,5% v/v
Capim pé de galinha
(Eleusine indica)
0,3 a 0,4 L p.c./ha 200 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha Realizar uma aplicação. Uso não alimentar. Aplicar em pós emergência com o estádio da planta daninha entre 2 - 4 perfilhos. Adicionar Alquil ester etoxilado do ácido fosfórico ou óleo mineral a 0,5% v/v
Milho
(Zea mays)
0,3 a 0,4 L p.c./ha 200 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha Realizar uma aplicação. Uso não alimentar. Aplicar em pós emergência com o estádio da planta daninha entre 15 - 50 cm. Adicionar Alquil ester etoxilado do ácido fosfórico ou óleo mineral a 0,5% v/v
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
0,3 a 0,4 L p.c./ha 200 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha Realizar uma aplicação. Uso não alimentar. Aplicar em pós emergência com o estádio da planta daninha entre 2 - 4 perfilhos. Adicionar Alquil ester etoxilado do ácido fosfórico ou óleo mineral a 0,5% v/v
Soja Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Capim amargoso
(Digitaria insularis)
0,5 a 0,9 L p.c./ha 200 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha (aéreo) Realizar duas aplicações, com intervalos de 21 dias, na pré-semeadura da soja. A segunda pulverização deve ser realizada pelo menos 7 dias antes da semeadura 60 dias Realizar um programa de manejo do Capim-amargoso (Digitaria insularis) com 2 aplicações sequenciais quando as plantas invasoras estiverem do estádio vegetativo ao florescimento. Utilizar a menor dose para plantas mais jovens em estádio vegetativo e maior dose para plantas em estádio de florescimento. Adicionar Alquil ester etoxilado do ácido fosfórico ou óleo mineral a 0,5% v/v
Capim amargoso
(Digitaria insularis)
0,4 L p.c./ha 200 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação, 60 dias Complementar o programa de manejo do Capim-amargoso (Digitaria insularis) com uma aplicação na pós-emergência da cultura. Adicionar Alquil ester etoxilado do ácido fosfórico ou óleo mineral a 0,5% v/v
Capim carrapicho
(Cenchrus echinatus)
0,3 a 0,4 L p.c./ha 200 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha Realizar uma aplicação. 60 dias. Aplicar em pós emergência com o estádio da planta daninha entre 2 - 4 perfilhos. Adicionar Alquil ester etoxilado do ácido fosfórico ou óleo mineral a 0,5% v/v
Capim colchão
(Digitaria horizontalis)
0,3 a 0,4 L p.c./ha 200 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha Realizar uma aplicação. 60 dias. Aplicar em pós emergência com o estádio da planta daninha entre 2 - 4 perfilhos. Adicionar Alquil ester etoxilado do ácido fosfórico ou óleo mineral a 0,5% v/v
Capim pé de galinha
(Eleusine indica)
0,3 a 0,4 L p.c./ha 200 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha Realizar uma aplicação. 60 dias. Aplicar em pós emergência com o estádio da planta daninha entre 2 - 4 perfilhos. Adicionar Alquil ester etoxilado do ácido fosfórico ou óleo mineral a 0,5% v/v
Milho
(Zea mays)
0,3 a 0,4 L p.c./ha 200 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha Realizar uma aplicação. 60 dias. Aplicar em pós emergência com o estádio da planta daninha entre 15 - 50 cm. Adicionar Alquil ester etoxilado do ácido fosfórico ou óleo mineral a 0,5% v/v
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
0,3 a 0,4 L p.c./ha 200 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha Realizar uma aplicação. 60 dias. Aplicar em pós emergência com o estádio da planta daninha entre 2 - 4 perfilhos. Adicionar Alquil ester etoxilado do ácido fosfórico ou óleo mineral a 0,5% v/v
Tomate Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Capim carrapicho
(Cenchrus echinatus)
0,3 a 0,4 L p.c./ha 200 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha Realizar uma aplicação. 20 dias. Aplicar em pós emergência com o estádio da planta daninha entre 2 - 4 perfilhos. Adicionar Alquil ester etoxilado do ácido fosfórico ou óleo mineral a 0,5% v/v
Capim colchão
(Digitaria horizontalis)
0,3 a 0,4 L p.c./ha 200 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha Realizar uma aplicação. 20 dias. Aplicar em pós emergência com o estádio da planta daninha entre 2 - 4 perfilhos. Adicionar Alquil ester etoxilado do ácido fosfórico ou óleo mineral a 0,5% v/v
Capim pé de galinha
(Eleusine indica)
0,3 a 0,4 L p.c./ha 200 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha Realizar uma aplicação. 20 dias. Aplicar em pós emergência com o estádio da planta daninha entre 2 - 4 perfilhos. Adicionar Alquil ester etoxilado do ácido fosfórico ou óleo mineral a 0,5% v/v
Milho
(Zea mays)
0,3 a 0,4 L p.c./ha 200 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha Realizar uma aplicação. 20 dias. Aplicar em pós emergência com o estádio da planta daninha entre 15 - 50 cm.Adicionar Alquil ester etoxilado do ácido fosfórico ou óleo mineral a 0,5% v/v
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
0,3 a 0,4 L p.c./ha 200 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha Realizar uma aplicação. 20 dias. Aplicar em pós emergência com o estádio da planta daninha entre 2 - 4 perfilhos. Adicionar Alquil ester etoxilado do ácido fosfórico ou óleo mineral a 0,5% v/v

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:

KROLL deve ser aplicado uma única vez, na pós-emergência das culturas algodão, soja e tomate, quando a maioria das sementes das plantas daninhas (gramíneas) tiverem germinado. A pulverização pode ser feita em qualquer estádio de desenvolvimento da cultura, porém, antes do período crítico de competição. Para cultura do eucalipto, fazer uma única aplicação após o transplantio das mudas e na pós-emergência das plantas daninhas.

KROLL deve ser aplicado em gramíneas em fase ativa de crescimento e com no máximo de 2-4 perfilhos e o milho voluntário com 15 – 50 cm de altura. Para controle satisfatório é necessário observar as condições de umidade do solo, temperatura média entre 20 - 35°C e boa umidade do ar (acima de 50%). Em períodos de seca prolongada recomenda-se não aplicar o produto.

Algodão, Soja e Tomate: realizar uma única pulverização na pós-emergência da cultura e das plantas invasoras, com um volume de calda de 200 L/ha.
Eucalipto: Realizar uma única pulverização após o transplantio das mudas e na pós-emergência das plantas daninhas, com um volume de calda de 200 L/ha.
Soja (Manejo pré-semeadura/pós-emergência): realizar um programa de manejo com 2 aplicações sequenciais, com intervalo de 21 dias, na pré-semeadura da soja. A segunda pulverização deve ser realizada pelo menos 7 dias antes da semeadura. Complementar com 1 (uma) aplicação na pós-emergência da cultura. Utilizar volume de calda de 200 L/ha.

CONDIÇÕES CLIMÁTICAS IDEAIS PARA APLICAÇÃO:
Temperatura do ar (máxima): 35º C
Umidade Relativa do Ar: mínima de 50%
Velocidade do vento (máxima): 3 a 10 Km/hora

MODO/EQUIPAMENTO DE APLICAÇÃO:

Aplicação terrestre:
a) Pulverizador de barra tratorizado:
• Utilizar pontas uniformes e em bom estado, sendo recomendados pontas tipo leque da série 80, 110 ou similares, que produzam gotas entre 110 a 200 micras com densidade de gotas de 20-40 gotículas/cm2. Pressão de trabalho segundo recomendações do fabricante.
• Volume de calda de 200 L/ha.
• A altura da barra para bicos da série 80 deve ser de 50 cm acima do topo das plantas e para a série 110, deve ser de 30 cm.

b) Pulverizador costal manual:
• Utilizar bicos uniformes e em bom estado, sendo recomendados bicos do tipo leque da série 80 ou 110.
• Recomenda-se manter o ritmo das bombadas em cadência com os passos do aplicador visando obter uma pulverização uniforme e calibrar o equipamento para um volume de calda de 200 L/ha.

Aplicação aérea (para as culturas algodão, eucalipto, soja e tomate):

• A aeronave agrícola deverá estar equipada com barra, bicos da série D, que produzam gotas de 130 a 150 micras e calibrados para distribuir volume de calda de 30 a 50 L/ha, com uma densidade de 60 gotas/cm2 sobre o alvo.
• A faixa de deposição do produto será pré-determinada pelo tipo de aeronave.
• A altura do voo deverá ser de 3 a 4 metros e a velocidade dos ventos não deverá ser superior a 8 km/hora.
• Visando uma aplicação uniforme, deve-se utilizar recursos adequados para demarcar a largura exata da faixa de pulverização.

INTERVALO DE SEGURANÇA:
Algodão ........................................................................................................................ 50 dias
Eucalipto ........................................................................................................................ U.N.A.
Soja............................................................................................................................... 60 dias
Tomate ......................................................................................................................... 20 dias
U.N.A. – Uso não alimentar
INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS:

Não entre na área em que o produto foi aplicado antes da secagem completa da calda (no mínimo 24 horas após a aplicação). Caso necessite entrar antes deste período, utilize os equipamentos de proteção individual (EPls) recomendados para o uso durante a aplicação.

LIMITAÇÕES DE USO:

Não fazer aplicações onde culturas de gramíneas possam ser atingidas.

INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL A SEREM UTILIZADOS:

VIDE DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DA SAÚDE HUMANA.

INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃO A SEREM USADOS:

Vide Modo de Aplicação.

DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TRÍPLICE LAVAGEM DA EMBALAGEM OU TECNOLOGIA EQUIVALENTE:

Vide DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE.

INFORMAÇÕES SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA A DEVOLUÇÃO, DESTINAÇÃO, TRANSPORTE, RECICLAGEM, REUTILIZAÇÃO E INUTILIZAÇÃO DAS EMBALAGENS VAZIAS:

Vide DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE.

INFORMAÇÕES SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA A DEVOLUÇÃO E DESTINAÇÃO DE PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO:

Vide DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre programas de Manejo Integrado, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes programas sejam implementados.

O uso contínuo de herbicidas, com o mesmo mecanismo de ação, pode contribuir para o aumento da população de plantas infestantes a eles resistentes. Como prática de manejo de resistência de plantas infestantes deverão ser aplicados herbicidas, com diferentes mecanismos de ação, devidamente registrados para a cultura. Não havendo produtos alternativos recomenda-se a rotação de culturas que possibilite o uso de herbicidas com diferentes mecanismos de ação. Para maiores esclarecimentos consulte um Engenheiro Agrônomo.