Bula Metamax líquido

acessos
Metarhizium anisopliae
8413
Bio Soja

Composição

Metarhizium anisopliae 2.5 % Inseticida biológico

Classificação

Inseticida microbiológico
I - Extremamente tóxica
IV - Produto pouco perigoso ao meio ambiente
Não inflamável
Não corrosivo
Suspensão Concentrada (SC)
Contato, Seletivo
Cana-de-açúcar Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Cigarrinha das raízes
(Mahanarva fimbriolata)
4 L p.c./ha 300 a 400 L de calda/ha - - Sem restrições. O produto deve ser aplicada toda vez que a população atinja o nível de controle

Bolsa plástica - Polietileno de baixa densidade - 1, 2 e 4L

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA
METAMAX é um inseticida microbiológico de ocorrência natural em solos, eficaz no controle da INSTRUÇÕES DE USO:
cigarrinha da raiz da cana-de-açúcar (Mahanarva fimbnolata) na cultura de cana-de-açúcar CULTURAS, PRAGAS, DOSES, NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:
Cultura:
Cana-de açúcar
(Saccharum officinarum)
Alvo biológico Nome comum/ Nome científico:
Cigarrinha da raiz da ana-de-açúcar (Mahanarva
fimbriolata)
Doses (L/ha): 4
Número de aplicações: 1
Época e intervalo de aplicação:
O monitoramento deve ser realizado no início do período chuvoso e durante todo o período de infestação, para que se possa acompanhar a evolução do controle da praga. O nível de controle é de 2 a 4 ninfas/metro e 0.5 a 0,75 adulto/cana. O produto deve ser aplicada toda vez que a população atinja o nível de controle.
MODO/EQUIPAMENTO DE APLICAÇÃO:
Aplicação terrestre com pulverizador costal ou sistema tratorizado, com jato dirigido à base das plantas, após a detecção da praga no campo e avaliação do nível de dano.
Limpeza do Equipamento
- Limpar muito bem o tanque/bicos do pulverizador para eliminar resíduos de inseticidas. herbicidas ou fungicidas químicos.
Atenção:
a) Não realizar a limpeza do pulverizador próximo de lagos, rios ou reservas de água.
b) Realizar esta limpeza em local adequado onde os resíduos tenham o destino estabelecido em legislação. O ideal é encher o tanque do pulverizador com água e adicionar 1 litro de solupan ou 1 kg de sabão em pó para cada 400 litros de água. Deixar esta mistura em repouso por 12 horas. Em seguida agitar a mistura e aspergir todo o volume através dos bicos de pulverização. Posteriormente enxaguar com água limpa usando como escoamento sempre os bicos de pulverização. Nessa operação aproveita-se para testar a regulagem da vazão.
Preparação da calda
O produto deve ser utilizado puro, sem adição de adjuvantes, para diluição em água limpa e de boa qualidade na dose de 4,C) L/ha em uma única aplicação. O volume de calda pode variar de 300 L/ha a 400 L/ha.
ÉPOCA DE APLICAÇÃO:
O monitoramento da praga é um passo importante para o controle da mesma. Este deve ser realizado
no inicio do período chuvoso e durante todo o período de infestação, para que se possa acompanhar a evolução do controle da praga. O nível de dano econômico (NDE) é de 20 ninfas/m linear de sulco e 1 adulto/cana. O nível de controle é de 2 - 4 ninfas/metro e 0,5 a 0,75 adulto/cana. A dose de 4Liha deve ser aplicada toda vez que o número de insetos encontrados no monitoramento atinja o nivel de controle.
INTERVALO DE SEGURANÇA:
Sem restrições.
INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NA CULTURA E ÁREAS TRATADAS:
Não há necessidade de observância de intervalo de reentrada, desde que as pessoas estejam calçadas ao entrarem na área tratada.
LIMITAÇÕES DE USO:
Os usos do produto estão restritos aos indicados no rótulo e bula.
Quando este produto for utilizado nas doses recomendadas não causará danos às ulturas indicadas.
Recomenda-se aplicar nas horas mais frescas do dia, preferencialmente ao final da tarde ou á norte em dias nublados ou com garoa bem fina. Nessas condições, a exposição dos conidios espores) do fungo à radiação UV do sol (fator de inviabilização do fungo) é menor.

ANTES DE USAR LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES.
PRODUTO PERIGOSO.
USE OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL COMO INDICADO.
INDIVÍDUOS IMUNOSSUPRIMIDOS OU COM HISTÓRICO RECENTE DE IMUNOSSUPRESSÃO NÃO DEVEM MANUSEAR NEM APLICAR ESTE PRODUTO, CONSIDERANDO QUE HÁ RELATOS DE CASOS CLÍNICOS DE INFECÇÃO FÚNGICA POR M. anisopliae NESTA
CONDIÇÃO.
PRECAUÇÕES GERAIS:
Produto para uso exclusivamente agrícola.
Não coma, não beba e não fume durante o manuseio e aplicação do produto.
Não manuseie ou aplique o produto sem os equipamentos de proteção individual (EPI) recomendados.
Os equipamentos de proteção individual (EPI) recomendados devem ser vestidos na seguinte ordem: macacão, botas, viseira facial e luvas.
Não utilize equipamentos de proteção individual (EPI) danificados.
Não utilize equipamentos com vazamentos ou defeitos.
Não desentupa bicos, orifícios e válvulas com a boca.
Não transporte o produto juntamente com alimentos, medicamentos, rações, animais e pessoas. PRECAUÇÕES NA PREPARAÇÃO DA CALDA:
- Produto extremamente irritante para os olhos;
- Caso ocorra contato acidental da pessoa com o produto, siga as orientações descritas em primeiros socorros e procure rapidamente um serviço médico de emergência.
- Ao abrir a embalagem, faça-o de modo a evitar respingos.
Utilize equipamento de proteção individual - EPI: macacão de algodão hidrorrepelente com mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas das calças por cima das botas; botas de borracha; avental impermeável, viseira facial e luvas de nitrila.
- Manuseie o produto em local aberto e ventilado.
PRECAUÇÕES DURANTE A APLICAÇÃO
Não aplique o produto na presença de ventos fortes e nas horas mais quentes do dia. Verifique a direção do vento e aplique de modo a não entrar na névoa do produto.
- Aplique o produto somente nas doses recomendadas.
- Utilize equipamento de proteção individual - EPI: macacão de algodão hidrorrepelente com mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas das calças por cima das botas; botas de borracha; avental impermeável, máscara com filtro P2 ou P3, óculos de segurança com proteção lateral, touca árabe e luvas de nitrila.
PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO
- Mantenha o restante do produto adequadamente fechado em sua embalagem original em local trancado, longe do alcance de crianças e animais.
Antes de retirar os equipamentos de proteção individual (EPI), lave as luvas ainda vestidas para evitar contaminação.
Os equipamentos de proteção individual (EPIs) recomendados devem ser retirados na seguinte ordem: óculos, botas, macacão e máscara.
- Tome banho imediatamente após a aplicação do produto.
Troque e lave as suas roupas de proteção separado das demais roupas da família. Ao lavar as roupas utilizar luvas e avental impermeável.
Faça a manutenção e lavagem dos equipamentos de proteção após cada aplicação do produto. Fique atento ao tempo de uso dos filtros, seguindo corretamente as especificações do fabricante. Não reutilizar a embalagem vazia.
- No descarte de embalagens utilize equipamento de proteção individual - EPI : macacão de algodão hidrorrepelente com mangas compridas e botas de borracha.
PRIMEIROS SOCORROS: procure logo um serviço médico de emergência levando a embalagem, rótulo, bula e/ou receituário agronômico do produto.
INGESTÃO: Se engolir o produto, não provoque vômito. Caso o vômito ocorra naturalmente, deite a pessoa de lado. Não dê nada para beber ou comer.
OLHOS: Em caso de contato, lave com muita água corrente durante pelo menos 15 minutos. Evite que a água de lavagem entre no outro olho.
PELE: Em caso de contato, tire a roupa contaminada e lave a pele com muita água corrente e sabão neutro.
INALAÇÃO: Se o produto for inalado ("respirado"), leve a pessoa para um local aberto e ventilado.
A pessoa que ajudar deverá proteger-se da contaminação usando luvas e avental impermeáveis, por exemplo
- INTOXICAÇÕES POR METAMAX LIQUIDO
INFORMAÇÕES MÉDICAS
Classe toxicológica: I - EXTREMAMENTE TÓXICO. Classificação toxicológica devido
excusvamene ao teste de Irritação/Corrosão Ocular.
Vias de exposição: oral,inalatória, dérmica e ocular. Metarhizium anisopliae (Metsch) é um fungo facilmente encontrado na natureza, em especial no solo.
Mecanismos de toxicidade: Não é esperado nenhum efeito toxigênico causado pela exposição ao Metarhizium anisopliae.
Sintomas e sinais clínicos: Este produto formulado pode causar reações oculares (vide efeitos agudos) provavelmente em função da reação ácida (pH= 4,98).
Conídios do fungo foram encontrados em órgãos dos animais testados com inoculação da substância teste pela via intranasal em até 3 dias após a inoculação e em conteúdo de ceco em até 7 dias após a inoculação.
Há relatos de reações alérgicas em manipuladores do fungo em laboratórios, como febre e problemas pulmonares e de pesquisador com sintomas de sensibilidade meses após manipulação do fungo sem a devida proteção (luvas e máscara).
Existem diversos relatos em literatura médica de Metarhizium anisopliae (Metsch) como causador de infecção oportunista em indivíduos imunossuprimidos.
Os estudos de toxicidade/patogenicidade desenvolvidos com este isolado não
demonstraram capacidade patogênica.

Diagnóstico: O diagnóstico pode ser feito com o isolamento e identificação macroscópica ou molecular a partir de cultura de tecidos.
Tratamento: Tratamento para o caso de irritação ocular deve ser sintomático e de suporte. O tratamento para o caso de infecção fúngica deve ser feito com antimicóticos sistêmicos conforme definido em protocolos específicos para infecção fúngica.
Contra-indicações: indução do vômito é contra-indicada em,razão do risco de aspiração.
ATENÇÃO: Ligue para o Disque-Intoxicação: 0800-722-6001 para notificar o caso e obter informações especializadas sobre o diagnóstico e tratamento.
Rede Nacional de Centros de Informação e Assistência Toxicológica
RENACIAT — ANVISA/MS
Notifique ao sistema de informação de agravos de notificação (SINAN / MS)
Telefone de Emergência da empresa: (16) 3811-5240
* Coleção de Microorganismos Entomopatogenicos Odemar Cardim Abreu Instituto
Biológico, Centro Experimental Central, Laboratório de Controle Biológico, C.P.70, CEP 13001-970, Campinas/SP. Código de depósito: IBCB 425.
Efeitos Agudos e Crônicos para Animais de Laboratório:
Efeitos agudos
DL50 oral: > 2000 mg/kg.
DL50 dérmica: > 4000 mg/kg.
CL50 inalatória: > 4000 mg/kg.
Irritação dérmica: considerado não irritante para coelhos albinos
Irritação ocular: uma dose de 0,1 mL da substância teste foi aplicada no saco conjuntival de coelhos albinos e na avaliação efetuada uma hora após a instilação, foi verificada hiperemia (grau 1) e irite (grau 1) em todos animais; quimose (grau 1) em um animal; quimose (grau 2) e opacidade da córnea (grau 1) em dois animais. Nas avaliações de 24- 48 horas, foi observado somente quimose (grau 1) em 1 animal. Na avaliação de 72 horas houve reversão de todas as reações em todos animais.
Sensibilização cutânea: não sensibilizante em teste com cobaias albinas.
Toxicidade /Patogenicidade Oral Aguda: o produto foi considerado como não tóxico, não
patogênico e não infectante. Não foi detectada a presença do fungo em órgãos, tecidos e fluidos corporais, até o limite de detecção do método (<1,0 x 101 ufc/mL) nos animais necropsiados em 1h e 3; 7 e 14 dias após a administração da substância teste. A taxa de eliminação (clearence) estimada para a dose de 108 ufc foi de até 3 dias após a administração.
Toxicidade/Patogenicidade Pulmonar Aguda: o produto foi considerado como não tóxico, não patogênico e não infectante. Entretanto, conídios do fungo foram isolados de órgãos (1 macho e 2 fêmeas) e conteúdo de ceco (3 machos) no grupo de animais necropsiados aos 3 dias pós dosagem e no grupo de animais necropsiados aos 7 dias somente de 1 fêmea foi isolado conídios do fungo. A taxa de eliminação estimada (clearence) para a dose de 108 ufc foi de até 7 dias após a administração. A presença de colônias encontradas nas placas semeadas com amostras de tecidos
dos animais demonstra que os conídios do fungo podem permanecer viáveis em tecidos de ratos, podendo sinalizar potencial de infectividade.
Toxicidade/Patogenicidade Intraperitoneal Aguda: o produto foi considerado como não tóxico, não patogênico e não infectante. O fungo não foi isolado de amostras de sangue dos animais
necropsiados 1 hora; 3; 7 e 21 após a administração da substância teste, até o limite de detecção do método (<1,0 x 101 ufc).
Efeitos crônicos:
Não foram realizados testes em longo prazo com mamíferos (exposição crônica). A referência de informações são os testes com mamíferos para verificar os efeitos agudos.
Por se tratar de um agrotóxico microbiano deve ser considerado o risco biológico inerente ao mesmo. Há relatos de reações alérgicas em manipuladores do fungo em laboratórios, como febre e problemas pulmonares e sintomas de sensibilidade meses após manipulação do fungo sem a devida proteção (luvas e máscara).
Existem diversos relatos em literatura médica de Metarhizium anisopliae (Metsch) como causador de infecção oportunista em indivíduos imunossuprimidos. Sendo assim, orienta-se a afastar pessoas com imunodeficiência ou imunossuprimidos da manipulação direta desses produtos.

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS
PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇÃO AO MEIO AMIBIENTE
Este produto é:
[]- Altamente Perigoso ao Meio Ambiente (CLASSE I)
[]- Muito Perigoso ao Meio Ambiente (CLASSE II)
[]- Perigoso ao Meio Ambiente (CLASSE III)
X - POUCO PERIGOSO AO MEIO AMBIENTE (CLASSE IV)
- Evite a contaminação ambiental - Preserve a Natureza.
- Não utilize equipamento com vazamento.
- Aplique somente as doses recomendadas.
- Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes
- Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d'água. Evite a contaminação da água.
- A destinação inadequada de embalagens ou restos de produtos ocasiona contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.
- Não execute aplicação aérea de agrotóxicos em áreas situadas a uma distância inferior a 500
(quinhentos) metros de povoação e de mananciais de capitação de água para abastecimento público e de 250 (duzentos e cinqüenta) metros de mananciais de água, moradias isoladas, agrupamentos de animais e vegetação susceptível a danos.
- Observe as disposições constantes na legislação estadual e municipal concernentes às atividades aeroagrícolas.
INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO DO PRODUTO, VISANDO SUA CONSERVAÇÃO E PREVENÇÃO CONTRA ACIDENTES:
- Mantenha o produto em sua embalagem original, sempre fechada.
- O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas, rações ou outros materiais.
- A construção deve ser de alvenaria ou de material não combustível. - O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável.
- Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO
- Tranque o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças.
- Deve haver sempre embalagens adequadas disponíveis, para envolver embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados.
- Em caso de armazéns, deverão ser seguidas as instruções da NBR 9843 da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT.
- Observe a legislação estadual e municipal.
INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES AMBIENTAIS: - Isole e sinalize a área contaminada.
- Contate as autoridades locais competentes e a Empresa Bio Soja Indústrias Químicas e Biológicas Ltda. Telefone de Emergência: (16) 3811-5240.
- Utilize Equipamentos de Proteção Individual — EPI (macacão impermeável, luvas e botas de borracha, óculos protetor e máscaras com filtros).
- Em caso de derrame, estanque o escoamento, não permitindo que o produto entre em bueiros, drenos ou corpos d'água. Siga as instruções abaixo:
EMBALAGEM SECUNDÁRIA (NÃO CONTAMINADA):
ESTA EMBALAGEM NÃO PODE SER LAVADA
ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA
O armazenamento da embalagem vazia, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, no próprio local onde são guardadas as embalagens cheias.
DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA
É obrigatória a devolução da embalagem vazia, pelo usuário, onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida pelo estabelecimento comercial.
TRANSPORTE
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas.
DESTINAÇÃO FINAL DAS EMBALAGENS VAZIAS
A destinação final das embalagens vazias, após a devolução pelos usuários, somente poderá ser realizada pela Empresa Registrante ou por empresas legalmente autorizadas pelos órgãos competentes.
É PROIBIDO AO USUÁRIO A REUTILIZAÇÃO E A RECICLAGEM DESTA EMBALAGEM VAZIA OU O FRACIONAMENTO E REEMBALAGEM DESTE PRODUTO.
EFEITOS SOBRE O MEIO AMBIENTE DECORRENTES DA DESTINAÇÃO INADEQUADA DA EMBALAGEM VAZIA E RESTOS DE PRODUTOS
A destinação inadequada das embalagens vazias e restos de produtos no meio ambiente causa contaminação do solo, da água e do ar prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.
PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO
Caso este produto venha a se tornar impróprio para utilização ou em desuso, consulte o registrante através do telefone indicado no rótulo para sua devolução e destinação final.
TRANSPORTE DE AGROTÓXICOS, COMPONENTES E AFINS:
O transporte está sujeito às regras e aos procedimentos estabelecidos na legislação específica, que inclui o acompanhamento da ficha de emergência do produto, bem como determina que os agrotóxicos não podem ser transportados junto de pessoas, animais, rações, medicamentos ou outros materiais.

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre MIP, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes programas sejam implementados.

Não existem infromações sobre o desenvolvimento de resistência de fitopatógenos