Bula Micromite 240 SC

acessos
Diflubenzuron
8000
Arysta Lifescience

Composição

Diflubenzuron 240 g/L Benzoiluréia

Classificação

Inseticida/Acaricida
III - Medianamente tóxico
III - Produto perigoso
Não inflamável
Corrosivo
Suspensão Concentrada (SC)
Fisiológico inibidor da síntese de quitina
Arroz Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Bicheira da raiz do arroz
(Oryzophagus oryzae)
750 a 1000 mL p.c./ha - 15 a 30 L de calda/ha (aéreo) Uma aplicação. 70 dias. Aplicar o produto de 3 a 6 dias após a entrada da água permanente de irrigação
Lagarta do cartucho
(Spodoptera frugiperda)
80 a 100 mL p.c./ha - 15 a 30 L de calda/ha (aéreo) Uma aplicação. 70 dias. Pode ser aplicado em pré ou pós emergência da cultura
Citros Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Ácaro da falsa ferrugem
(Phyllocoptruta oleivora)
25 a 50 mL p.c./100L água 5 a 10 L de calda / planta - Uma aplicação. 30 dias. Quando for constatada presença do inseto
Bicho furão
(Ecdytolopha aurantiana)
25 mL p.c./100L água 5 a 10 L de calda / planta - Uma aplicação. 30 dias. Aplicar em baixas infestações
Minadora da folhas
(Phyllocnistis citrella)
40 a 50 mL p.c./100L água 5 a 10 L de calda / planta - Uma aplicação. 30 dias. Aplicar em baixas infestações
Psilideo
(Diaphorina citri)
15 a 45 mL p.c./100L água 5 a 10 L de calda / planta - Uma aplicação. 30 dias. Quando constatada a presença do inseto

- Frascos de plástico (polietileno) 1; 5 e 10 L.
- Bombona de plástico (polietileno) 5; 10; 20; 25; 50 e 100 L.
- Lata de folha de flandres 1; 2 e 5 L.
- Balde de folha de flandres 10 L.
- Bulk de polietileno de alta densidade 1000 L, 10000 kg ou 10000 L e 15000 kg ou 15000 L.
- Isotanque de metal de 10000 kg ou 10000 L, 15000 kg ou 15000 L, 20000 kg ou 20000 L.

INSTRUÇÕES DE USO: MICROMITE 240 SC é um inseticida/acaricida destinado ao controle das pragas abaixo relacionadas, na cultura de Citros:

ÉPOCA DE APLICAÇÃO: Ácaro da Falsa Ferrugem: começar as aplicações no início de seu ataque. Sob condições de alta população do ácaro, não se recomenda a utilização do produto. Bicho-Furão: efetuar o tratamento no início da infestação, antes que a larva penetre no fruto. Minadora das Folhas: Aplicar o produto no surgimento dos primeiros sintomas de ataque da praga nas brotações novas.

FREQÜÊNCIA DE APLICAÇÃO: Uma aplicação.

MODO DE APLICAÇÃO E EQUIPAMENTOS: Micromite 240 SC deve ser preparado em mistura com água e aplicado em pulverização usando volume de calda suficiente para dar cobertura uniforme a planta. Micromite 240 SC pode ser aplicado via terrestre com equipamentos tratorizados, do tipo pistola ou turbo atomizador, ou com pulverizadores costais manuais ou motorizados. Não há necessidade de mudanças e/ou adaptações nos equipamentos, podendo-se utilizar as máquinas normalmente encontradas no mercado.

LIMITAÇÕES DE USO: Micromite 240 SC não tem ação de choque e a morte das pragas ocorre alguns dias após o tratamento. Por isso, as aplicações devem ser sempre realizadas em períodos de baixa população das pragas.

INTERVALO DE SEGURANÇA: Citros : 30 dias

INTERVALO DE REENTRADA: Recomenda-se aguardar o completo secamento do produto sobre as folhas das plantas tratadas. Siga as instruções do item "Precauções após a Aplicação".

PRECAUÇÕES GERAIS: Uso exclusivamente agrícola. Não coma, não beba e não fume durante o manuseio do produto. Não utilize equipamentos com vazamento. Não desentupa bicos, orifícios e válvulas com a boca. Não distribua o produto com as mãos desprotegidas.

PRECAUÇÕES NO MANUSEIO: Use protetor ocular. Se houver contato do produto com os olhos, lave-os imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Use máscaras cobrindo o nariz e a boca. Caso o produto seja inalado ou aspirado, procure local arejado e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Use luva impermeável. Ao contato do produto com a pele, lave-a imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Ao abrir a embalagem, faça-o de modo a evitar respingos. Para abertura de embalagens, manipulação de embalagens cheias em uso, preparo e manuseio da calda, limpeza e manutenção de equipamentos de aplicação contaminados e descarte de embalagens vazias contaminadas, use macacão com mangas compridas ou calça comprida e camisa com mangas compridas, chapéu ou capuz, óculos protetor ou viseira facial, luvas, botas e avental impermeáveis; e máscara cobrindo o nariz e a boca. Não fume, não coma e não beba durante o manuseio com o produto.

PRECAUÇÕES DURANTE A APLICAÇÃO: Evite o máximo possível, o contato com a área de aplicação. Não aplique o produto contra o vento, nem na presença de ventos. A pulverização do produto produz neblina. Use máscara cobrindo o nariz e a boca. Use macacão com mangas compridas ou calça comprida e camisa com mangas compridas, chapéu ou capuz, óculos protetor ou viseira facial, luvas, botas e avental impermeáveis; e máscara cobrindo o nariz e a boca. Não fume, não coma e não beba durante a aplicação do produto.

PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO: Não reutilize a embalagem vazia. Mantenha o restante do produto adequadamente fechado, em local trancado, fora do alcance de crianças e animais. Tome banho, troque e lave as suas roupas. Evite ao máximo o contato com a área na qual já foi aplicado o produto até a completa secagem deste, pois há risco de contaminação. Caso necessite entrar na área na qual foi aplicado o produto, use todos os EPI´s destacados no item. Precauções durante a aplicação. Faça a manutenção e lavagem dos equipamentos de proteção individual após o uso destes. Para isso deverão ser utilizados: macacão com mangas compridas ou calça comprida e camisa com mangas compridas, avental impermeável, luvas e botas impermeáveis. A lavagem dos equipamentos deverá ser realizada em separado das outras roupas da família.

PRIMEIROS SOCORROS: Ingestão: Em caso de ingestão, não provoque vômito e procure logo um médico, levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto. Não dê nada por via oral a uma pessoa inconsciente. Olhos: Em caso de contato com os olhos, lave com água em abundância e procure um médico, levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto. Pele: Em caso de contato com a pele, lave com água e sabão em abundância e procure um médico, levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto. Inalação: Em caso de inalação, procure lugar arejado e vá ao médico, levando a embalagem, rótulo, bula ou receita agronômica do produto.

MECANISMO DE AÇÃO, ABSORÇÃO E EXCREÇÃO: Estudos realizados com animais de laboratório, demonstraram que o Diflubenzuron é absorvido e metabolizado, principalmente no fígado e rim, sendo rapidamente excretado pelas fezes e urina predominantemente. Os principais produtos de degradação encontrados são: 4- clorofenil uréia e acido 2,6 diflubenzóico. O Diflubenzuron não apresenta potencial de bioacumulação. Testes realizados com ratos, demonstraram que 85% do produto administrado foi eliminado pelas fezes e 2% pela urina, num período de 48 horas.

EFEITOS AGUDOS: Micromite 240 SC se mostrou moderadamente irritante para pele e olhos de coelho. Em cobaias, o produto não mostrou potencial sensibilizante à pele. DL50 oral (rato) > 5000 Mg/Kg. DL50 dérmica (rato) > 5000 mg/ kg. CL50 Inalatória ( rato) > 2 mg/ L

EFEITOS CRÔNICOS: Em estudos realizados com animais de laboratórios (ratos) expostos a doses que variaram de 156 ppm a 10.000 ppm de Diflubenzuron, foi observado redução no ganho de peso corpóreo das fêmeas submetidas às doses mais altas, assim como redução no nível de hemoglobina do sangue de machos e fêmeas, após um ano de teste, nos tratamentos a partir de 625 ppm.

ANTÍDOTO não específico. Tratamento sintomático em função do quadro clínico.

PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE: Este produto é PERIGOSO ao meio Ambiente (Classe III). Este produto é ALTAMENTE PERSISTENTE ao meio ambiente. Este produto é ALTAMENTE TÓXICO para microcrustáceos. Evite a contaminação ambiental - Preserva a Natureza. Não utilize equipamento com vazamento. Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes. Aplique somente as doses recomendadas. Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d'água. Descarte corretamente as embalagens e restos do produto.

INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO DO PRODUTO, VISANDO SUA CONSERVAÇÃO E PREVENÇÃO CONTRA ACIDENTES: Mantenha o produto em sua embalagem original, sempre fechada. O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas ou outros materiais. A construção deve ser de alvenaria ou de material não comburente. O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável. Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO. Tranque o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças. Deve haver sempre embalagens disponíveis adequadas, para envolver embalagens rompidas ou para recolhimento de produtos vazados. Em caso de armazéns deverão ser seguidas as instruções constantes da NBR 9843. Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal.

INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES: Contate as autoridades locais competentes e a Empresa. Utilize o Equipamento de Proteção Individual - EPI (Macacão de PVC, luvas e botas de borracha, óculos protetores e máscara contra eventuais vapores). Isole e sinalize a área contaminada. Em caso de derrame, estancar o escoamento, não permitindo que o produto entre em bueiros, drenos ou corpos de águas naturais. Siga as instruções:

Piso pavimentado: coloque material absorvente (p.ex. serragem ou terra) sobre o conteúdo derramado e recolha o material com auxílio de uma pá e coloque em recipiente lacrado e identificado devidamente. O produto derramado não deverá mais ser utilizado. Neste caso contate a empresa ou o distribuidor ou qualquer representante da empresa na região. O produto deverá ser desativado de acordo com as instruções de destinação adequada de resíduos e embalagens. Remova conforme orientações de destinação adequada de resíduos e embalagens. Lave o local com grande quantidade de água;

Solo: Retire as camadas de terra contaminada até atingir o solo não contaminado, e adote os mesmos procedimentos acima descritos para recolhimento e destinação adequada;

Corpos d'água: Interrompa imediatamente a captação para o consumo humano e animal e contate o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do recurso hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido. Em caso de incêndio, use extintores de água em forma de neblina, CO2 ou pó químico, ficando a favor do vento para evitar intoxicação.

DESTINAÇÃO ADEQUADA DE RESÍDUOS E EMBALAGENS: Não reutilize embalagens. As embalagens rígidas devem ser perfuradas de maneira a torná-las inadequadas para outros usos. Observe as legislações Estadual e Municipal específicas. Fica proibido enterrar embalagens. Consulte o Órgão Estadual de Meio Ambiente. Para desativação do produto contate a empresa e o Órgão Estadual do Meio Ambiente. A desativação do produto é feita através de incineração em fornos destinados para este tipo de operação e aprovados pelo órgão estadual responsável, equipados de câmaras para lavagem de gases efluentes.

Recomenda-se, de maneira geral, o manejo integrado de pragas (MIP), envolvendo todos os princípios e medidas disponíveis e viáveis de controle, como o controle cultural, controle biológico (predadores e parasitoides), controle microbiano, controle por comportamento, variedades resistentes e controle químico, sempre alternando produtos de diferentes grupos químicos, com mecanismos de ação distintos.
Recomenda-se, de modo geral, o manejo integrado de doenças, envolvendo todos os princípios e medidas disponíveis e viáveis de controle. O uso de sementes sadias, variedades resistentes, rotação de culturas, época adequada de semeadura, adubação equilibrada, controle biológico, manejo da irrigação e outros, visam o melhor equilíbrio do sistema.

Qualquer agente de controle de insetos pode ficar menos efetivo ao longo do tempo se a praga-alvo desenvolver algum mecanismo de resistência. Implementando-se as seguintes estratégias de manejo de resistência a inseticidas (MRI) pode-se prolongar a vida útil dos inseticidas:
- Qualquer produto para controle de inseto da mesma classe ou modo de ação não deve ser utilizado em gerações consecutivas da mesma praga;
- Utilizar somente as doses recomendadas no rótulo/bula;
- Em caso de dúvidas, consultar sempre um Engenheiro Agrônomo para direcionamento sobre as recomendações locais para o Manejo de Resistência a Inseticidas (MRI);
- Incluir outros métodos de controle de insetos (Ex.: Controle Cultural, Biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas (MIP) quando disponível e apropriado;
- Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para a orientação sobre as recomendações locais para o manejo de resistência.

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre MIP, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes programas sejam implementados. Qualquer agente de controle de insetos pode se tornar menos efetivo ao longo do tempo, se a praga alvo desenvolver algum mecanismo de resistência a ele. O Comitê Brasileiro de Ação a Resistência a Inseticidas (IRAC – BR) recomenda as seguintes estratégias de manejo de resistência visando prolongar a vida útil do inseticida:
- Qualquer produto para controle de pragas, da mesma classe ou modo de ação, não deve ser usado em gerações consecutivas da praga;
- Usar somente as doses recomendadas na bula/rótulo;
- Consultar sempre um Engenheiro Agrônomo para orientação sobre o Manejo de Resistência a Inseticidas;
- Incluir outros métodos de controle de pragas (Ex.: controle cultural, biológico, químico, etc) dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas, quando disponível e apropriado.