Bula Nimitz TS - Adama

Bula Nimitz TS

acessos
Fluensulfona
9118
Adama

Composição

Fluensulfona 500 g/L Fluoroalquenil Sulfona Heterociclica

Classificação

Nematicida Microbiológico
IV - Pouco tóxico
III - Produto perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Suspensão Concentrada para Tratamento de Sementes (FS)
Contato, Sistêmico

Milho Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Nematóide das lesões
(Pratylenchus brachyurus)
15 a 20 mL p.c. / 60.000 sementes 1000 mL de calda/100 kg de sementes - deve ser utilizado em aplicação única na forma de tratamento de sementes, preferencialmente próximo da semeadura. Não determinado. deve ser utilizado em aplicação única na forma de tratamento de sementes, preferencialmente próximo da semeadura
Soja Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Nematóide das galhas
(Meloidogyne javanica)
70 a 100 mL p.c. / 60.000 sementes 500 mL de calda/100 kg de sementes - deve ser utilizado em aplicação única na forma de tratamento de sementes, preferencialmente próximo da semeadura. Não determinado. deve ser utilizado em aplicação única na forma de tratamento de sementes, preferencialmente próximo da semeadura
Nematóide das lesões
(Pratylenchus brachyurus)
70 a 100 mL p.c. / 60.000 sementes 500 mL de calda/100 kg de sementes - deve ser utilizado em aplicação única na forma de tratamento de sementes, preferencialmente próximo da semeadura. Não determinado. deve ser utilizado em aplicação única na forma de tratamento de sementes, preferencialmente próximo da semeadura
Nematóide de cistos da soja
(Heterodera glycines)
70 a 100 mL p.c. / 60.000 sementes 500 mL de calda/100 kg de sementes - deve ser utilizado em aplicação única na forma de tratamento de sementes, preferencialmente próximo da semeadura. Não determinado. deve ser utilizado em aplicação única na forma de tratamento de sementes, preferencialmente próximo da semeadura

MODO DE APLICAÇÃO:

Volume de calda recomendado:
Milho: Diluir a dose do produto em volume de água até 1000 mL de calda, o suficiente, para tratar 100 Kg de sementes.

Soja: Diluir a dose do produto em volume de água até 500 mL de calda, o suficiente, para tratar 100 Kg de sementes.
Instruções para preparo da calda:
Passo 1 - Colocar a quantidade de produto desejada em um recipiente próprio para o preparo da calda.
Passo 2 - Colocar parte da água desejada gradativamente, misturando e formando uma mistura homogênea.
Passo 3 - Completar com a quantidade de água restante até atingir o volume de calda desejado.

Importante: Manter a calda em agitação permanente para evitar decantação.
Equipamentos de aplicação:
Utilizar maquinas específicas para tratamento de sementes que propiciem uma distribuição uniforme da calda sobre as sementes.
Operação de tratamento de sementes:
Com equipamentos de tratamento de batelada ou lotes: Colocar um peso de sementes conhecido. Adicionar o volume de calda desejado para este peso de sementes. Proceder à agitação/operação do equipamento de forma a obter uma distribuição uniforme da calda sobre as sementes durante um tempo de 1-2 minutos por batelada.
Com equipamentos de tratamento com fluxo contínuo de sementes (seguir as instruções do fabricante):
Passo 1 - Aferir o fluxo de sementes (peso) em um determinado período de tempo.
Passo 2 - Regular o volume de calda desejado para este peso de sementes, no mesmo período de tempo.

Importante:
Aferir periodicamente o fluxo de sementes e de calda a fim de evitar erros na aplicação.
Nunca tratar as sementes diretamente sobre lonas, sacos ou mesmo nas caixas de sementes das máquinas semeadoras.
A utilização de meios de tratamento de sementes que provoquem uma distribuição incompleta ou desuniforme do produto sobre as sementes, pode resultar em níveis indesejados ou falhas no controle dos alvos biológicos.
O tratamento deverá ser efetuado em local arejado e específico para esse fim. Utilizar somente sementes limpas (livres de poeira e impurezas) e de boa qualidade (alto poder germinativo e bom vigor).
Assegurar-se que após o tratamento as sementes estejam com umidade adequada para armazenamento e comercialização.
Manutenção:
Os mecanismos dosadores e pulverizadores destes equipamentos devem ser revisados e limpos diariamente ou a cada parada do equipamento. Resíduos de calda podem reduzir a capacidade das canecas ou copos dosadores ou afetar a regulagem de bicos e ou mecanismos de aplicação da calda sobre as sementes.

CONDIÇÕES CLIMÁTICAS:
Devem-se observar as condições climáticas ideais para a aplicação via terrestre e aérea do produto, tais como:
- Temperatura ambiente até 30ºC;
- Umidade relativa do ar no mínimo de 50%;
- Velocidade do vento entre 3 e 10 km/h;
Para outros parâmetros referentes à tecnologia de aplicação, seguir as recomendações técnicas indicadas pela pesquisa e/ou assistência técnica da região, sempre sob orientação de um Engenheiro Agrônomo.

INTERVALO DE SEGURANÇA:

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS:
Como a finalidade do produto é tratamento de sementes, não há restrições quanto à reentrada de pessoas em lavouras oriundas de sementes tratadas.

LIMITAÇÕES DE USO
• • Uso exclusivo para culturas agrícolas.
• • Uso exclusivo para tratamento industrial de sementes (TIS).

OUTRAS RECOMENDAÇÕES A SEREM OBSERVADAS:

• • Este produto promove o controle dos alvos, nas culturas e doses recomendadas, para as quais possui registro autorizado.
• • Visando alcançar o melhor potencial produtivo da cultura, recomenda-se o tratamento adicional com inseticidas e fungicidas, caso seja necessário o controle de insetos e doenças no tratamento de sementes.
• • Proceder à regulagem das semeadoras com as sementes já tratadas, pois poderá haver alteração na fluidez das mesmas. As semeadoras e seus kits de distribuição de sementes devem ser limpos diariamente para evitar o acúmulo de resíduos nas paredes e engrenagens das mesmas. A falta deste tipo de manutenção pode alterar o fluxo de semeadura ou até mesmo provocar o bloqueio do equipamento. A não observância destas indicações pode resultar em baixa população de plantas, falha no plantio, excesso de sementes por metro ou outras irregularidades no plantio.
• • Após o tratamento, as sementes devem ser mantidas à sombra.
• • Sementes tratadas não podem ser utilizadas para alimentação humana e animal ou uso industrial e nem deixadas expostas sobre o solo.

INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL A SEREM UTILIZADOS:

Vide recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana - ANVISA/MS.

INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃO A SEREM USADOS:
Vide item MODO DE APLICAÇÃO.

DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TRÍPLICE LAVAGEM DA EMBALAGEM OU TECNOLOGIA EQUIVALENTE:

Vide recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente - IBAMA/MMA.

INFORMAÇÕES SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA A DEVOLUÇÃO, DESTINAÇÃO, TRANSPORTE, RECICLAGEM, REUTILIZAÇÃO E INUTILIZAÇÃO DAS EMBALAGENS VAZIAS:

Vide recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente - IBAMA/MMA.

INFORMAÇÕES SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA A DEVOLUÇÃO E DESTINAÇÃO DE PRO-DUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO:

Vide recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente - IBAMA/MMA.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

INFORMAÇÕES SOBRE MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS:
Recomenda-se, de maneira geral, o manejo integrado das pragas, envolvendo todos os princípios e medidas disponíveis e viáveis de controle. O uso de sementes sadias, variedades resistentes, rotação de culturas, época adequada de semeadura, adubação equilibrada, inseticidas, manejo da irrigação e outros, visam o melhor equilíbrio do sistema.

RECOMENDAÇÕES SOBRE MANEJO DE RESISTÊNCIA:
A resistência de pragas a agrotóxicos ou qualquer outro agente de controle pode tornar-se um problema econômico, ou seja, fracassos no controle da praga podem ser observados devido à resistência. As seguintes estratégias podem prevenir, retardar ou reverter a evolução da resistência:
• Rotação de produtos com mecanismos de ação distintos, quando apropriado;
• Adotar outras táticas de controle, prevista no Manejo Integrado de Pragas (MIP) como rotação de culturas, controle biológico, controle por comportamento etc., sempre que disponível e apropriado;
• Utilizar as recomendações de dose e modo de aplicação de acordo com a bula do produto;
• Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para o direcionamento das principais estratégias regionais para o manejo de resistência e para a orientação técnica na aplicação de agroquímicos;
• Informações sobre possíveis casos de resistência em nematoides, devem ser encaminhados para o IRAC-BR (www.irac-br.org.br), ou para o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (www.agricultura.gov.br).