Bula Penncozeb 800 WP

acessos
Mancozebe
18207
UPL

Composição

Mancozebe 800 g/kg Alquilenobis (ditiocarbamato)

Classificação

Fungicida
IV - Pouco tóxico
III - Produto perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Pó molhável (WP)
Não Classificado

Arroz Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Brusone
(Pyricularia grisea)
2 a 3,5 kg p.c./ha 400 L de calda/ha 50 L de calda/ha (aéreo) Repetir aplicação com intervalo de 10 dias. Realizar 03 aplicações por ciclo da cultura. 32 dias. Iniciar as aplicações no início do emborrachamento
Banana Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Sigatoka negra
(Mycosphaerella fijiensis)
1,8 a 2,5 kg p.c./ha 20 L de calda/ha - Com intervalo de 7 dias nos períodos de maior incidência da doença. Realizar 04 aplicações por safra da cultura. 21 dias. Iniciar as aplicações preventivamente, visando uma boa cobertura das folhas
Batata Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Pinta preta grande
(Alternaria solani)
3 kg p.c./ha 600 L de calda/ha - Repetir aplicação em intervalo de 7 dias. Realizar 04 aplicações por ciclo da cultura. 7 dias. Iniciar as aplicações preventivamente quando as mudinhas atingirem 5 a 20 em de altura
Requeima
(Phytophthora infestans)
3 kg p.c./ha 600 L de calda/ha - Repetir aplicação em intervalo de 7 dias. Realizar 04 aplicações por ciclo da cultura. 7 dias. Iniciar as aplicações preventivamente quando as mudinhas atingirem 5 a 20 em de altura
Citros Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Ácaro da falsa ferrugem
(Phyllocoptruta oleivora)
200 a 250 g p.c./100 L de água 2000 L de calda/ha - Realizar 03 aplicações por safra. 14 dias. Deve-se efetuar inspeções periódicas no pomar, sendo a cada 7 dias no verão e a cada 15 dias no inverno. Observar frutos, folhas e ramos, utilizando-se de uma lupa com aumento de 10 a 12 vezes. O tratamento deve ser efetuado quando 10% ou mais das partes vistoriadas apresentarem 20 ou mais ácaros por cm². Inspecionar frutos, folhas e ramos, principalmente na parte externa da planta
Mancha preta
(Phyllosticta citricarpa)
300 g p.c./100 L de água 2000 L de calda/ha - Realizar no máximo 03 aplicações por safra, com 30 dias de intervalo. 14 dias. O pomar deve ser pulverizada na época de maior susceptibilidade da planta, que corresponde ao período de 4 a 5 meses após a queda das pétalas
Feijão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Antracnose
(Colletotrichum lindemuthianum)
2 a 3 kg p.c./ha 400 L de calda/ha até 50 L de calda/ha (aéreo) Repetir aplicação em intervalos de 15 dias. Realizar três aplicações por ciclo da cultura. 14 dias. Iniciar as aplicações 30 dias após a emergência das plantas
Maçã Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Sarna da maçã
(Venturia inaequalis)
200 a 250 g p.c./100 L de água 1000 L de calda/ha - Repetir aplicação em intervalos de 7 dias. Realizar no máximo 04 aplicações por ciclo da cultura. 7 dias. Iniciar as aplicações na fase de dormência
Tomate Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Pinta preta grande
(Alternaria solani)
3 kg p.c./ha 1000 L de calda/ha - Repetir aplicação em intervalos médios de 7 dias. Realizar 04 aplicações por ciclo da cultura. 7 dias. Iniciar as aplicações preventivamente quando as plantas apresentarem as primeiras folhas
Requeima
(Phytophthora infestans)
3 kg p.c./ha 1000 L de calda/ha - Repetir aplicação em intervalos médios de 7 dias. Realizar 04 aplicações por ciclo da cultura. 7 dias. Iniciar as aplicações preventivamente quando as plantas apresentarem as primeiras folhas
Uva Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Míldio
(Plasmopara viticola)
250 a 350 g p.c./100 L de água 1000 L de calda/ha - Repetir com intervalos de 7 dias. Realizar no máximo 04 aplicações por safra da cultura. 7 dias. Iniciar as aplicações um pouco antes do florescimento

Saco de papel com 4 camadas, revestido de polietileno contendo 10 e 25 kg.

INSTRUÇOES DE USO:

CULTURAS / PRAGAS / DOSE:
Vide a seção “Indicações de Uso/Doses”

Obs.: 1 quilo do produto comercial equivale a 800 gramas do ingrediente ativo.

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:
- Arroz: iniciar as aplicações no início do emborrachamento, repetindo com intervalo de 10 dias. Realizar 03 aplicações por ciclo da cultura.

- Banana: iniciar as aplicações preventivamente, visando uma boa cobertura das folhas, com intervalo de 7 dias nos períodos de maior incidência da doença.
Em condições desfavoráveis à doença e menor lançamento de folhas, poderá ser prolongado o intervalo em dias.
Realizar 04 aplicações por safra da cultura.

- Batata: iniciar as aplicações preventivamente quando as mudinhas atingirem 5 a 20 em de altura, repetindo com intervalo de 7 dias. Realizar 04 aplicações por ciclo da cultura.

- Citros:
. Ácaro-da-falsa-ferrugem: deve-se efetuar inspeções periódicas no pomar, sendo a cada 7 dias no verão e a cada 15 dias no inverno. Observar frutos, folhas e ramos, utilizando-se de uma lupa com aumento de 10 a 12 vezes. O tratamento deve ser efetuado quando 10% ou mais das partes vistoriadas apresentarem 20 ou mais ácaros por cm².
Inspecionar frutos, folhas e ramos, principalmente na parte externa da planta. Realizar 03 aplicações por safra.
. Mancha-preta: o pomar deve ser pulverizada na época de maior susceptibilidade da planta, que corresponde ao período de 4 a 5 meses após a queda das pétalas. Realizar no máximo 03 aplicações por safra, com 30 dias de intervalo.

- Feijão: iniciar as aplicações 30 dias após a emergência das plantas, repetindo com intervalos de 15 dias. Realizar 03 aplicações por ciclo da cultura.

- Maçã: iniciar as aplicações na fase de dormência, repetindo a intervalos de 7 dias. Realizar no máximo 04 aplicações por ciclo da cultura.

- Tomate: iniciar as aplicações preventivamente quando as plantas apresentarem as primeiras folhas, repetindo com intervalos médios de 7 dias. Realizar 04 aplicações por ciclo da cultura.

- Uva: iniciar as aplicações um pouco antes do florescimento, repetindo com intervalos de 7 dias. Realizar no máximo 04 aplicações por safra da cultura.

MODO DE APLICAÇÃO:
Recomendações gerais:
1)Aplicação Terrestre: deve-se utilizar pulverizadores de barra ou costaI, pulverizadores acoplados a trator ou atomizadores costais motorizados com bomba centrífuga. Utilizar bicos tipo cone ou equivalentes, com pressão aferida de acordo com o tipo de bico/fabricante e tamanho de gota desejável. A altura da barra deve permitir uma boa cobertura de toda parte aérea da planta (caule, folhas e frutos). No caso de se utilizar outros equipamentos, estes devem sempre proporcionar boa cobertura de pulverização das plantas.
Deve-se utilizar os seguintes volumes de calda:
- Arroz: 400 litros/ha
- Batata: 600 Iitros/ha
- Citros : 2000 litros/ha
- Feijão: 400 litros/ha
- Tomate: 1000 litros/ha
- Maçã: 1000 litros/ha
- Uva: 1000 litros/ha

2) Aplicação Aérea: utilizar 50 L/ha de calda, sendo que a aplicação deve ser realizada somente por empresa especializada, sob orientação de um Engenheiro Agrônomo.

- Recomendações específicas:
Para a cultura da Banana as aplicações devem ser feitas em ultra baixo volume, utilizando-se das seguintes opções:
1) Fazer uma diluição prévia do produto em pequena quantidade de água, adicionar emulsionante na dose recomendada pelo fabricante e 5 litros de óleo agrícola. Completar com água até atingir o volume de 20 litros de calda por hectare.
2) Fazer uma diluição prévia do produto em pequena quantidade de água, adicionar emulsionante na dose recomendada pelo fabricante. Completar com óleo agrícola até atingir o volume de 15 litros de calda por hectare.

- Equipamentos de aplicação:
Aplicação terrestre: utilizar atomizador costal motorizado ou atomizador canhão modelo AF 427 bananeiro, observando sempre que seja feita uma cobertura total das folhas.

. Aplicação aérea com utilização de barra e bicos: usar bicos de jato cone vazio, do tipo D5, com disco (core) nunca maior que 45 graus, espaçados a cada 20 em. Pressão na barra ao redor de 30 libras. Largura da faixa de pulverização deve ser estabelecida por teste. A altura de vôo de 2,0 a 3,0 metros sobre a cultura; em locais onde essa altura não for possível, fazer arremates com pulverizações transversais, paralelas aos obstáculos, Ventos de 15 km por hora, sem ventos de rajada.

. Aplicação aérea com utilização de atomizadores rotativos (Micronair AU 3000): Usar 4 atomizadores. Ângulo das pás de 25 a 35°, ajustado segundo as condições de vento, temperatura e umidade relativa, para reduzir ao mínimo as perdas por deriva e evaporação. Largura da faixa devendo ser estabelecida por teste. Altura de vôo de 3,0 a 4,0 metros sobre a cultura. Pressão conforme a vazão, seguindo a tabela do fabricante.

Para a cultura do Citros, no controle do ácaro-da-falsa-ferrugem, a pulverização pode ser feita com equipamento turbo-atomizador e/ou pistola. As aplicações devem atingir muito bem a parte interna e externa das plantas, até atingir o ponto de escorrimento.

INTERVALO DE SEGURANÇA:
Arroz: 32 dias; Banana: 21 dias; Batata, maçã, tomate e uva: 7 dias; Citros e feijão: 14 dias.

LIMITAÇÕES DE USO
Fitotoxicidade: o produto não é fitotóxico às culturas indicadas quando utilizado de acordo com as instruções de uso recomendadas.

Incluir outros métodos de controle de pragas (ex. controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Doenças (MID) quando disponíveis e apropriados.

Qualquer agente de controle de doenças pode tornar-se menos efetivo ao longo do tempo devido ao desenvolvimento de resistência. O Comitê Brasileiro de Ação a Resistência a Fungicidas (FRAC-BR) recomenda as seguintes estratégias de manejo de resistência visando prolongar a vida útil dos fungicidas:
- Qualquer produto para controle de doenças da mesma classe ou modo de ação não deve ser utilizado em aplicações consecutivas do mesmo patógeno, no ciclo da cultura.
- Usar somente as doses recomendadas no rótulo/bula.
- Consultar sempre um Engenheiro Agrônomo para orientação sobre as recomendações locais para o manejo de resistência.
- Incluir outros métodos de controle de pragas (ex. controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Doenças (MID) quando disponíveis e apropriados.

Compatibilidade

Não se conhecem casos de incompatibilidade