Bula Shambda 50 EC - Sharda

Bula Shambda 50 EC

CI
Lambda-cialotrina
23618
Sharda

Composição

Lambda-Cialotrina 50 g/L

Classificação

Terrestre/Aérea
Inseticida
1 - Produto Extremamente Tóxico
II - Produto muito perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Concentrado Emulsionável (EC)
Contato, Ingestão

Tipo: Bombona.
Material: Metálico/Plástico.
Capacidade: 25; 50; 100; 200 L.
Tipo: Frasco.
Material: Plástico.
Capacidade: 0,1; 0,2; 0,25; 0,5; 10; 50 L.
Tipo: Galão.
Material: Plástico.
Capacidade: 5; 10; 20 L.
Tipo: Isotanque.
Material: Metálico.
Capacidade: 1.000 L.

INSTRUÇÕES DE USO

SHAMBDA 50 EC é um inseticida de ação de contato e de ingestão, do grupo químico piretróide, que contém o ingrediente ativo labda-cialotrina, 50 g/L, na formulação Concentrado Emulsionável (EC).

INDICAÇÕES DE USO

Inseticida recomendado para as culturas do algodão, café, milho, soja, tomate e trigo.

MODO DE APLICAÇÃO

SHAMBDA 50 EC deve ser aplicado na dosagem recomendada, diluído em água.
Equipamentos de aplicação:
SHAMBDA 50 EC pode ser aplicado através de pulverizadores costal manual ou costal motorizado, pulverizador tratorizado e através de aeronave agrícola. Realizar a pulverização procurando obter uma cobertura uniforme das plantas; obtendo uma cobertura total da folhagem. Os equipamentos de pulverização devem ser equipados com filtros adequados a cada tipo de bico.

PULVERIZADOR TERRESTRE:
- Pulverizador tratorizado: Com barra de pulverização: utilizar bicos cônicos das séries D; ou equivalentes, com pressão de 80 a 150 lbs/pol² (PSI). Utilizar volume de calda de 100 a 250 L/ha nas culturas de algodão, café, milho, soja e trigo.
- Pulverizador costal:
Manual: utilizar bicos cônicos das séries D; ou equivalentes, com pressão de 40 a 60 lbs/pol² (PSI). Observar para que ocorra uma boa cobertura da cultura tratada.
Motorizado: utilizar bicos cônicos das séries D; ou equivalentes, com pressão de 40 a 60 lbs/pol² (PSI). Utilizar volume de calda de 400 – 800 L/ha na cultura do tomate.

PULVERIZAÇÃO AÉREA:
- Aeronave agrícola:
Aviões com barra: utilizar 30 a 40 L/ha voando uma altura de 3,5 a 4,5 metros com uma faixa de deposição de 15 metros. Tamanho de gotas de 200 a 300, com densidade de gotas acima de 30 gotas/cm². Utilizar bicos cônicos da série D8 a D12, com pressão de 25 a 35 lbs/pol² (PSI). O número de bicos para equipar a barra deve ser de 44 a 48, MICRONAIR: trabalhar com faixa de aplicação de 18 metros, pressão de 30 lbs/pol², com 4 micronair, regulado o V.R.V. para a posição 13 ou 14, voando de 8 a 10 metros de altura.
- Condições climáticas:
Temperatura inferior a 28ºC;
Umidade relativa (mínimo), 55%;
Velocidade do vento (máximo), 10 km/h.
Observações locais deverão ser realizadas visando reduzir ao máximo as perdas por volatização ou deriva.
Instruções para preparo da calda de pulverização:
Encher o tanque do pulverizador com água até a metade de seu volume e adicionar SHAMBDA 50 EC. Manter o misturador mecânico ou o retorno em funcionamento e completar o volume do tanque com água. Manter a agitação da calda de forma contínua durante seu preparo.
Lavagem do equipamento de pulverização:
Somente utilizar equipamentos limpos e devidamente conservados. Após a aplicação do produto, realizar lavagem completa do equipamento.

INTERVALO DE SEGURANÇA

Algodão: 10 dias;
Café: 1 dia;
Milho e Trigo: 15 dias;
Soja: 20 dias;
Tomate: 3 dias;

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS

Não entrar na área em que o produto foi aplicado antes da secagem completa da calda (no mínimo 24 horas após a aplicação). Caso necessite de entrar antes deste período, utilize os equipamentos de proteção individual (EPIs) recomendados para o uso durante a aplicação.

LIMITAÇÕES DE USO

- Somente utilizar as doses recomendadas.
- Os usos do produto estão restritos aos indicados no rótulo e na bula.
- Não misturar com produtos de reação alcalina, como a calda bordalesa.
- Quando este produto for utilizado nas doses recomendadas, não causará danos às culturas indicadas.
- O produto é incompatível com produtos de reação altamente alcalina como a calda bordalesa e calda sulfocálcica.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Incluir outros métodos de controle de insetos (ex. controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas (MIP) quando disponível e apropriado.

Qualquer agente de controle de insetos pode ficar menos efetivo ao longo do tempo se o inseto alvo desenvolver algum mecanismo de resistência. Implementando as seguintes estratégias de manejo de resistência a inseticidas (MIP) poderíamos prolongar a vida útil dos inseticidas.
- Qualquer produto para controle de inseto da mesma classe ou modo de ação não deve ser utilizado em gerações consecutivas da mesma praga. - Utilizar somente as doses recomendadas na bula.
- Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para direcionamento sobre recomendações locais para o MIP.