CI

Sun-Diuron 800 WG

Geral
Nome Técnico:
Diurom
Registro MAPA:
32222
Empresa Registrante:
Wynca
Composição
Ingrediente Ativo Concentração
Diurom 800 g/kg
Classificação
Técnica de Aplicação:
Terrestre/Aérea
Classe Agronômica:
Herbicida
Toxicológica:
5 - Produto Improvável de Causar Dano Agudo
Ambiental:
II - Produto muito perigoso
Inflamabilidade:
Não inflamável
Corrosividade:
Não corrosivo
Formulação:
Granulado Dispersível (WG)
Modo de Ação:
Seletivo, Sistêmico

Indicações de Uso

Tipo: Caixa
Material: Fibra celulósica
Capacidade: 1; 2; 3; 4; 5; 10; 15; 20; 25; 50 kg;

Tipo: Saco
Material: Plástico, Plástico metalizado, Fibra celulósica
Capacidade: 1; 2; 3; 4; 5; 10; 15; 20; 25; 50 kg;

Tipo: Saco
Material: Plástico, Plástico metalizado(contendo saco hidrossolúvel)
Capacidade: 0,1; 0,2; 0,25; 0,5; 1,0; 2,0; 2,5; 3,0 kg;

Tipo: Tambor
Material: Metálico e Fibra celulósica
Capacidade: 1; 2; 3; 4; 5; 10; 15; 20; 25; 50 kg.

INSTRUÇÕES DE USO

O produto é um herbicida para aplicação em pré e pós-emergência, seletivo, de ação sistêmica, do grupo químico da ureia, que contém o ingrediente ativo diurom, 800 g/kg, granulado dispersível, indicado para o controle de plantas infestantes em pré e pós emergência inicial nas culturas de abacaxi, alfafa, algodão, cacau, café, cana-de-açúcar, citros, seringueira.

MODO DE APLICAÇÃO

Deve ser aplicado nas dosagens recomendadas, diluído em água, através de pulverizador costal; tratorizado com barra; ou através de aeronaves agrícolas.
Os equipamentos de pulverização devem ser equipados com filtros adequados a cada tipo de bico. Pode ser aplicado ao solo em pré-emergência das plantas infestantes. O grau de controle e a duração do efeito variam de acordo com a dose aplicada, chuvas, temperatura e textura do solo e micro-organismos. A umidade é necessária para uma boa ação do produto. - Em pós-emergência usar espalhante adesivo nas doses recomendadas pelo fabricante e aplicar logo após a germinação das plantas infestantes para o controle de gramíneas ou até o primeiro par de folhas para o controle de folhas largas. As plantas infestantes devem estar em pleno desenvolvimento, sob condições de alta umidade e temperatura acima de 21º C.
- As doses descritas são expressas para aplicação em área total. Para tratamento em faixas use proporcionalmente menos.
- Usar doses menores para aplicações em solos leves e doses maiores para solos pesados. Em pós-emergência usar doses mais baixas para plantas infestantes menores e doses mais altas para plantas infestantes maiores.
- Sob ameaça de chuva suspender as aplicações. Caso ocorram chuvas nas primeiras 6 horas após a aplicação a eficiência do produto pode diminuir.
- Manter uniformidade da calda de pulverização e a boa cobertura das plantas infestantes e/ou do solo.
- Nas aplicações em pré-emergência o solo deve estar bem preparado, livre de torrões e úmido.

Equipamentos de aplicação

APLICAÇÃO TERRESTRE

Equipamentos

Pulverizador costal ou tratorizado de barra, com pressão constante (15 a 50 lb/pol²).

Altura da barra

Deve permitir boa cobertura do solo e/ou plantas infestantes. Observar que a barra em toda sua extensão esteja na mesma altura.

Tipos de bico

Na pré e pós-emergência usar bicos de jato plano (ex.: Teejet, XR Teejet, TK, DG ou Twinjet); ou de jato cônico (ex.: Fulljet, Conejet), de acordo com as recomendações do fabricante.

Volume de aplicação

De 250 a 400 L de calda/ha em pré-emergência e 350 a 800 L de calda/ha em pós-emergência.

Obseervação

Manter agitação contínua no tanque de pulverização e fechar o registro do pulverizador durante as paradas e manobras do equipamento de pulverização para evitar a sobreposição nas faixas de aplicação.

APLICAÇÃO AÉREA

Somente poderá ser aplicado via aérea na cultura da cana-de açúcar em pré-emergência da cultura.

Equipamentos

Aeronaves agrícolas equipadas com barra de bicos.

Tipo de bico

Cônico D8, D10 ou D12, core 45.

Volume de aplicação

De 30 a 50 L de calda/ha.

Ângulo dos bicos em relação à direção de voo

De 135º.

Altura de voo

De 2 a 4 metros sobre o solo.

Largura da faixa de deposição efetiva

De acordo com a aeronave, de modo a proporcionar uma boa cobertura. Evitar a sobreposição das faixas de aplicação.

Condições atmosféricas
Temperatura: inferior a 25ºC;
Umidade relativa do ar superior a 70%;
Velocidade do vento inferior a 10 km/h.

Observações locais deverão ser realizadas visando reduzir ao máximo as perdas por volatilização ou deriva.

Preparo da calda

O abastecimento do tanque do pulverizador deve ser feito enchendo o tanque até 3/4 da sua capacidade com água, mantendo o agitador ou retorno em funcionamento e então adicionando o produto previamente misturado com água em um balde, completando por fim o volume com água. Caso indicado, o espalhante deve ser o último produto a ser adicionado à calda. A agitação deve ser constante durante a preparação e aplicação do produto. Prepare apenas a quantidade necessária de calda para uma aplicação, pulverizando o mais rápido possível após sua preparação. Caso aconteça algum imprevisto que interrompa a agitação do produto possibilitando a formação de depósitos no fundo do tanque do pulverizador, agitar vigorosamente a calda antes de reiniciar a operação.

Observação

Antes da aplicação do produto o equipamento de pulverização deve estar limpo e bem conservado, procedendo então a calibragem do equipamento com água para a correta pulverização do produto.
Recomendações para evitar a deriva

Não permita que a deriva proveniente da aplicação atinja culturas vizinhas, áreas habitadas, leitos de rios e outras fontes de água, criações e áreas de preservação ambiental. Siga as restrições existentes na legislação pertinente. O potencial de deriva é determinado pela interação de muitos fatores relativos ao equipamento de pulverização e o clima. O aplicador deve considerar todos estes fatores quando da decisão de aplicar.

Lavagem do equipamento de pulverização

Antes da aplicação, comece com o equipamento limpo e bem conservado. Imediatamente após a aplicação, proceda a uma completa limpeza de todo o equipamento para reduzir o risco da formação de depósitos sólidos que podem se tornar difíceis de serem removidos. O adiamento, mesmo por poucas horas, somente torna a limpeza mais difícil. A não lavagem ou mesmo a lavagem inadequada do pulverizador pode resultar em danos às culturas posteriores.

1. Esvazie o equipamento de pulverização. Enxague completamente o pulverizador e faça circular água limpa pelas mangueiras, barras e bicos. Solte e fisicamente remova os depósitos visíveis de produtos.

2. Complete o pulverizador com água limpa e adicione amônia caseira (AJAX AMONÍACO OU SIMILAR COM 3% de AMÔNIA) na proporção de 1% (1 litro para 100 litros de água). Circule esta solução pelas mangueiras, barras e bicos. Desligue a barra e encha o tanque com água limpa. Circule pelo sistema de pulverização por 15 minutos. Circule então pelas mangueiras, barra e bicos. Esvazie o tanque.

3. Remova e limpe bicos, filtros e difusores em um balde com a solução de limpeza.

4. Repita o passo 2.

5. Enxague completamente o pulverizador, mangueiras, barra e bicos com água limpa diversas vezes. Limpe tudo que for associado ao pulverizador, inclusive o material usado para o enchimento de tanque. Tome todas as medidas de segurança necessárias durante a limpeza. Não limpe o equipamento perto de nascentes, fontes de água ou de plantas úteis. Descarte os resíduos da limpeza de acordo com a legislação local.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS

Não entrar na área em que o produto foi aplicado antes da secagem completa da calda (no mínimo 24 horas após a aplicação). Caso necessite entrar antes deste período, utilizar os equipamentos de proteção individual (EPIs) recomendados para o uso durante a aplicação.

LIMITAÇÕES DE USO

Os usos do produto estão restritos aos indicados no rótulo e bula. Somente utilizar as doses recomendadas. Culturas tratadas não devem ser usadas para alimentação animal. Nas aplicações de pré-emergência o solo deve estar bem preparado, livre de torrões e úmido. A tolerância de novas variedades ou novos porta-enxertos no caso de citros deve ser determinada antes de se adotar o produto como prática. Para rotação de cultura observar o período mínimo de 1 ano após a última aplicação para o plantio das culturas para as quais o produto está registrado. Não aplicar através de sistemas de irrigação. Não se recomenda o plantio de culturas intercalares em áreas tratadas.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre programas de Manejo Integrado, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes programas sejam implementados.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo Comitê de Ação à Resistência a Herbicida – HRAC - BR.

Assine a nossa newsletter e receba nossas notícias e informações direto no seu email

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.