Microturbinas à CO2 comprimido TESLA e GE, baratas e com 60 kg p/ eletrificar cidade com 10 mil pessoas

Por:
782 acessos

Mesmo quem pesquisa e acompanha, diariamente e de forma independente, os principais avanços científicos mundiais recentes na geração de energias e nas sustentabilidades ambientais, futuras, se emociona muito ao ver as novas tecnologias, em testes finais ou já em fabricação, e suas elevadas eficácias, baixíssimos  custos e, possíveis, excelentes resultados sociais, ambientais, de saúde e conhecimentos para o futuro de toda a raça humana mais dos animais e das plantas.

Obviamente, como sempre, muitas empresas e de diversos setores (principalmente as lentas de decisão e que insistem em cartelizar para dominar o mercado e lucrar até 1000% mais que seus custos reais e só pensando nos seus acionistas mais prêmios milionários para diretores etc. que mais especulam do que geram riquezas/empregos/desenvolvimentos reais, limpos e sustentáveis etc.) mais muitos investidores, acionistas sanguessugas e “scalpers” (inclusive os chamados “abutres”) perderão muito, pois ou não acreditarão ou demorarão a se convencer/mudar. Também, com este novo modelo de possível grande armazenamento para usos imediatos, nos momentos com alta demanda mais com a elevada previsibilidade, levarão a um modelo de entrega com menores oscilações diárias dos preços das energias, situação que as Bolsas e os especuladores detestam.

Contam os historiadores que o gênio Nicholas Tesla - após mais de 700 inventos patenteados, testados e liberados - confessou em seu leito de morte (morreu em 1943 pobre e no esquecimento) que sua única decepção era ainda não ter desenvolvido e fabricado a sua famosa turbina Tesla, de baixo custo e alta eficiência e sustentabilidade, então, a ser movida por vapor ou ar comprimido, ou seja, ainda sem possível geração dupla, pois não se pode queimar o vapor ou o ar natural ou mesmo gás carbônico, frios, liberados ao final, como se pode fazer atualmente com o gás natural, biogás ou singás nos modernos moto-geradores ou em “boilers” (caldeiras) ou em “fire tubes” ou nos “heat-exchangers” (trocadores de calor) para produção de vapor ou aquecimento/refrigeração, esta quase gratuita via chillers de absorção/roubadores térmicos.

Vide e surpreenda-se com as principais patentes Tesla em:

 https://nikolateslabrasil.wordpress.com/2016/01/16/patentes-de-nikola-tesla/comment-page-1/

É verdade que a proposta da turbina de Tesla não era inovadora, pois o turbo-compressor como conhecemos hoje foi inventado em 1905, pelo engenheiro suíço Alfred Büchi.Em sua patente, concedida naquele mesmo ano, ele descrevia “uma máquina reciprocante pela qual a energia dos gases expelidos pelo motor aumentaria o fluxo da mistura ar-combustível” no qual “a energia cinética dos gases de escape moveria um eixo ligado a uma turbina, que serviria como pré-compressor para o ar admitido pelos cilindros”. Exatamente o que faz um turbo moderno. Em 1952, em continuidade, a Cummins inscreveu nas 500 Milhas de Indianápolis um carro de corridas com motor turbodiesel.

Hoje, as turbinas mais conhecidas - e com alta eficácia em veículos leves e pesados de transportes e mesmo em alguns automóveis (quase todas somente com fins automotivos e somente a base de fumaça muito quente e a ser expelida) são a Garret, a Holset e a Borgwarner.

Mesmo assim, somente nos últimos 5 anos, pela situação anterior de derivados de petróleo ainda baratos mais fortes entradas da energias solar e eólica (estas mesmo que com baixos rendimentos reais de 20-40% pelas elevadas perdas na captação e na geração e perdas elevadíssimas na caríssima transmissão), os desenvolvimentos e fabricação de tais turbinas do tipo Tesla PARA GERAÇÃO ELÉTRICA evoluiu algo.

No Brasil, incrivelmente, estamos acompanhando o final de desenvolvimento e a fabricação, já em andamento, por um amigo pesquisador/inventor independente do sul do País, de uma turbina tipo Tesla capaz de gerar 1,0 Mwh apenas pelo empuxo de gás natural (o que também permitirá gerações duplas) e, futuramente, também com singas de lixo urbano ou resíduos de biomassas e até com fezes de animais, todos bem preparados e desidratados para 18% de umidade e com tempo de residência médio de apenas 40-60 minutos nos nossos gaseificadores para produzir singas com até 35% de hidrogênio mais 10% de metano (patentes requeridas), comparado com 17 a 41 dias de residência média necessária do biogás nos bons biodigestores (para produzir 35% de metano, altamente contaminante, mais 10% de hidrogênio).

Por outro lado e além disso, ontem, fomos surpreendidos com a noticia oficial do Departamento de Turbinas a Vapor da GE Global Research dos EUA (vide filmete no link a seguir) apresentando uma turbina minúscula em níquel (com apenas 60 kg e que cabe numa mesa de conferencia) mas tem capacidade de gerar eletricidade para uma cidade inteira com 10.000 habitantes. Segundo a reportagem, ela é movida por gás carbônico comprimido e em alta temperatura (dióxido de carbono) na forma de um fluido supercrítico e até circulante e, somente ela, tem um custo estimado, incrível, em apenas 150 libras/unidade.

Embora pequena, tal turbina GE pode muito contribuir, em conjunto, para solucionar os maiores desafios energéticos do Mundo. A pequena máquina compacta com somente 68 kg (por ser altamente quente e idem pressurizada) poderá ser, no futuro, a chave para a geração de muito mais energia limpa e eficiente e isto numa situação de estimativa de crescimento de 50% na demanda elétrica mundial até 2030, mas que precisará ser limpa e sustentável senão não terá competitividade mercadológica.

Embora em estágio de fim de desenvolvimento no final de 2017, a GR estima que deve evoluir bastante em gerações reais até o final de 2018. A GE estima que tal turbina será um forte rival de todos os sistemas que usam baterias armazenadoras.

A empresa já tem funcionando uma pequena turbina com apenas 68 kg para gerar 10 MW a base de dioxido de carbono supercrítico em alta pressão e em até 700º C e capaz de eletrificar cidade com até 10.000 habitantes, lembrando que estamos descrevendo apenas uma turbina de geração final - em substituição aos moto-geradores atuais a base de combustíveis fosseis ou a gás natural, biogás e singas e mesmo de turbinas do tipo jato – e não os sistemas produtores e pressionadores/aquecedores de CO2 supercrítico necessários (aliás, o que se consegue facilmente nos modernos gaseificadores de resíduos de biomassas mais sobras alimentos, lixo urbano, fezes etc.., onde a temperatura de produção do singas rico em hidrogênio e também com alto teor de gases carbônicos fica entre 800-1.100 o C na saída e com pressão de 5 a 60 bar, conforme a tecnológica empregada mais o porte mais a riqueza e equilíbrio em kcal/kg e % de umidade das fontes de detritos e dos carburantes).

O engenheiro chefe da GE e responsável pelo projeto acima, Mr. Doug Hofer, cita, adicionalmente que o tamanho super compacto mais a elevada capacidade geradora da turbina GE irão torná-la muito útil no armazenamento em grade de muita energia elétrica para uso programado ou não (preestocada na forma de gases aquecidos e comprimidos). Segundo ele, tal turbina foi projetada para ser bem mais eficiente do que as atuais turbinas a vapor no processo de conversão imediata do calor em eletricidade (uma característica do poder do CO2).

Já segundo o MIT’S Technology News, essa tecnologia pode ser uma grande melhoria em relação às turbinas a vapor e com eficiência até 45% maior.

Ao ler a reportagem e ver o filmete a seguir, imediatamente, me lembrei do automóvel “Delorean” movido a lixo do famoso filme “De Volta para o Futuro” de 1985.

Vide agora pequeno artigo, por Juliana Miranda, em português acerca em:

https://www.sitedecuriosidades.com/curiosidade/turbina-minuscula-tem-capacidade-de-gerar-energia-para-uma-cidade-inteira.html

Vide também filmete curto comprobatório e oficial da GE Research de setembro/2017 em inglês em:

https://youtu.be/ZDNADjH6NlY

ESTAMOS, OU NÃO, EM FASE DE MUDANÇAS RÁPIDAS EM NOSSAS MATRIZES ENERGÉTICAS, AMBIENTAIS, SOCIAIS E DE CONHECIMENTOS E QUE, ATÉ O MOMENTO, INDICAM UMA NOVA FASE MUITO MAIS BENÉFICA PARA O FUTURO DE TODOS OS SERES HUMANOS, ANIMAIS E PLANTAS?

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink