“De vilões a heróis”, queijos puxam valor de referência do leite
CME MILHO (DEZ/20) US$ 3,650 (0,50%)
| Dólar (compra) R$ 5,55 (0,74%)

Imagem: Marcel Oliveira

QUEIJO

“De vilões a heróis”, queijos puxam valor de referência do leite

Leite tem seu maior valor de referência para um mês de junho, desde o início da série histórica
Por:
232 acessos

Após terem chegado ao menor patamar de preço do ano em maio, os queijos tiveram uma valorização acentuada ao longo dos últimos 40 dias e puxaram o valor de referência do preço no mercado paranaense. O principal destaque foi a muçarela, cujo preço médio aumentou 47,5% do início de maio a 7 de julho, chegando ao seu segundo maior patamar em dez anos. Os dados foram apresentados em reunião virtual do Conselho Paritário Produtores/Indústria do Paraná (Conseleite-PR), realizada nesta terça-feira (21). O colegiado aprovou o valor de referência projetado de R$ 1,6986, para o leite entregue em julho a ser pago em agosto. 

“É impressionante a variabilidade que este derivado [a muçarela] teve no período. Os queijos, que eram os vilões, passaram a heróis”, comparou José Roberto Canziani, da Universidade Federal do Paraná (UFPR), um dos responsáveis pelo levantamento. 

Além da muçarela, outros queijos também tiveram valorização expressiva. De maio ao primeiro decêndio de julho, o preço do queijo prato avançou 33,4% e o do provolone, 14,1%. Parmesão e requeijão tiveram oscilação positiva de 4,8% e 5,6%, respectivamente. Outro ponto que demonstra a força momentânea dos queijos é a relação com o leite UHT. Na média histórica, um quilo de muçarela, por exemplo, corresponde ao preço de sete litros de UTH. Em março, a relação estava inferior a seis. Com a valorização, um quilo da muçarela passou a corresponder a 8,5 litros de UHT. 

A última vez que o preço dos queijos teve uma alta tão acentuada em um período curto foi em julho de 2016. Na ocasião, após a valorização súbita, os preços também despencaram rapidamente nos meses seguintes. Por isso, os especialistas fazem um alerta. “É um momento de extrema cautela, porque é um momento atípico. Estamos em um momento em que as variações são muito positivas, mas, em breve, podem ser muito negativas”, apontou a professora Vânia Guimarães, da UFPR, que também elaborou o acompanhamento de mercado. 

Alta 

Com a exceção de alguns derivados, como iogurte e doce de leite, que se mantiveram estáveis, os outros produtos também tiveram oscilação positiva – embora em variação não tão expressiva quanto a dos queijos. Diante deste cenário, o valor de referência do leite aumentou 22%, de maio para junho, saltando de R$ 1,3046 para R$ 1,5975. 

Na avaliação do vice-presidente do Conseleite-PR, Ronei Volpi, apesar de o mercado aquecido, o setor deve adotar um tom de prudência, em razão cenário atípico provocado pelo combate à Covid-19. “Embora o cenário aponte para preços favoráveis, a situação conjuntural aconselha termos cautela em função das incertezas econômicas, sociais e de mercado, em função da pandemia”, disse o vice-presidente do Conseleite-PR, Ronei Volpi.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink