A margem de comercialização dos frigoríficos é a menor do ano
CI
Agronegócio

A margem de comercialização dos frigoríficos é a menor do ano

A dificuldade na venda de carne constrói este cenário
Por:
Os frigoríficos trabalham com escalas de abate curtas, mas seguem tentando pagar menos pelo animal terminado.

A dificuldade na venda de carne constrói este cenário.

Segundo levantamento da Scot Consultoria, nesta quarta-feira (20/3), em São Paulo muitas indústrias estavam com as escalas completas somente para esta semana.

Mesmo assim, existiam tentativas de compra de até R$94,00/@, à vista, enquanto a referência no estado segue em R$97,50/@, nas mesmas condições.

A margem dos frigoríficos está no menor patamar do ano, o que força a pressão de baixa. A diferença entre o Equivalente Desossa e o preço pago pela arroba, que em janeiro chegou a 32,0%, está em 19,6%.

A estabilidade na maioria das praças pecuárias demonstra que este cenário de pressão por parte da indústria e resistência do pecuarista em entregar boiadas, ocorre em todo país.

Situação oposta no Nordeste. A seca que afeta a região tem forçado a entrega de animais e reduz o preço de compra. No Oeste da Bahia, os preços caíram R$1,00/@.

No mercado atacadista de carne bovina, o frigorífico resiste em reduzir os preços para não estreitar muito as margens, já que o consumo é ruim.

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.