Abitrigo quer revisão de projetos para trigo no Cerrado
CI
Imagem: Marcel Oliveira
EXPANSÃO

Abitrigo quer revisão de projetos para trigo no Cerrado

A entidade enviou ofício ao Ministério da Agricultura
Por: -Eliza Maliszewski

A Associação Brasileira da Indústria do Trigo (Abitrigo) encaminhou um ofício à ministra da Agricultura, Tereza Cristina, pedindo que reavalie as ações que buscam expandir o cultivo do trigo no Cerrado. 

A entidade tomou a atitude depois de saber que o Mapa não aprovou a proposta elaborada em conjunto com a Embrapa que visava o maior cultivo. Por nota a Abitrigo ressalta que a Embrapa tem pleno domínio da pesquisa de expansão agrícola e que o custo do projeto foi irrisório dentro do orçamento da União.

Ainda lamenta a decisão do Mapa e diz que não “consegue entender a razão do mais importante componente da alimentação dos brasileiros não tomar a vanguarda dos projetos de expansão da política agrícola nacional”. 

“Uma ação que, aos olhos da Abitrigo, é imprescindível para reduzir a vulnerabilidade nacional, referente à dependência do País do trigo internacional para abastecer o mercado interno”, destaca o presidente-executivo da Abitrigo, Rubens Barbosa.

O Brasil não é autossuficiente em trigo e depende de importações do cereal mesmo tendo capacidade de expandir o cultivo. A Abitrigo “entende que o país não pode continuar a depender de importações para atender a quase 60% de seu consumo interno. Isso representa uma falha grande na segurança alimentar para a sociedade nacional”.

O trigo é o principal cereal da humanidade, chegando a responder nos países de maior consumo por 40% da necessidade alimentar das populações. Países como a Rússia alcançaram a autossuficiência após políticas governamentais. Em 1992 era dependente de importações e hoje é o maior exportador do cereal do mundo.

O Brasil, mesmo sendo um grande produtor agrícola mundial, tem o trigo como o único grão importado. Apesar de possuir grande diversidade alimentar, o País ainda tem no trigo sua principal fonte energética, respondendo por 18% das necessidades da população brasileira, superando o arroz e o feijão.  
 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink