Agricultores paulistas apostam em nova variedade de uva

Agronegócio

Agricultores paulistas apostam em nova variedade de uva

Agricultores paulistas, que apostam em uma nova variedade de uva, usam uma técnica que inverteu o ciclo de produção da fruta
Por:
328 acessos

A aposta no cultivo de uma nova variedade de uva, própria para vinho, cria expectativa de bons lucros para os agricultores de São Paulo. Para garantir o sucesso, eles usam uma técnica que inverteu o ciclo de produção da fruta.

Em pleno inverno, as uvas amadurecendo nos pés são uma novidade em Louveira, no centro-leste de São Paulo. O município é produtor das variedades de mesa colhidas em períodos mais quentes. Mas alguns agricultores começam a mudar essa tradição.

O agricultor Daniel Miqueletto viajou o mundo atrás de uma uva indicada para vinho, mas que se adaptasse às condições de Louveira e pudesse produzir nos meses mais frios do ano. Ele acabou escolhendo a variedade cirra. “O desafio é ter uma fruta de qualidade que a gente possa, no futuro, levar produtos diferenciados que expressem todo o potencial do solo e do clima”, disse.

Três anos depois de iniciar a busca, ele ainda continua fazendo experiências. O agrônomo do IAC, Instituto Agronômico de Campinas, Mário José Pedro Júnior explicou a vantagem de produzir a uva para vinho no inverno. “Nessa época do ano, quando a gente espera que esse tipo de uva de vinho venha maturar, ela deve maturar com bastante sol, bastante diferença de temperatura entre o dia e a noite e, principalmente, sem chuva no mês de maturação”, disse.

Segundo os pesquisadores, é a baixa umidade do inverno paulista que deve provocar o aumento do teor de brix da uva, ou seja, o índice de açúcar. O agricultor Antônio José Benvegnu também recebeu orientações técnicas e aposta na novidade. Com 50 anos de experiência no cultivo de uvas; ele assume que não conhecia essa variedade, mas está animado com os resultados prometidos.

“Se a uva atingir o brix normal de 23 a 24, eu posso com uma caixa de uva fazer cinco garrafas de vinho e vender cada uma por R$ 20. Eu vou agregar muito valor”, avaliou seu Antônio.

O grande diferencial para que seja possível o cultivo desta uva no Estado de São Paulo é o que os técnicos chamam de pode extemporânea, ou seja, a poda fora de época, feita obrigatoriamente duas vezes ano.

O primeiro corte dos galhos é feito entre os meses de julho e agosto, logo após a colheita. Cerca de um mês depois, novos cachos começam a brotar. Em janeiro, é realizada a segunda poda. Mas, desta vez, os frutos são mantidos, visando a produtividade. Então, basta esperar a colheita no inverno.

Segundo o IAC, durante os meses de junho e julho chove uma média de dez dias. Neste ano, o inverno está atípico. Até agora, já foram 20 dias de chuva. Mesmo com as variações, a expectativa dos produtores é de bons resultados.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink