Algodão

Algodão em pluma com boa liquidez

As exportações se enfraqueceram em setembro
Por:
192 acessos

Em setembro, o mercado de algodão em pluma apresentou boa liquidez, devido à posição mais flexível por parte dos vendedores, especialmente tradings. Mesmo assim, a “queda de braço” entre vendedores e compradores foi acirrada, com pressão de indústrias por preços menores. Entre 31 de agosto e 29 de setembro, o Indicador CEPEA/ESALQ, com pagamento em 8 dias, recuou 1,84%. A média de setembro, de R$ 2,4404/lp, é 0,28% maior que à de agosto/17, mas 0,65% abaixo da de setembro/16 (valores atualizados pelo IGP-DI de agosto/17). Ao longo do mês, algumas indústrias brasileiras compraram pequenos volumes de pluma no mercado spot para repor estoque, outras, por outro lado, se limitaram aos contratos já firmados anteriormente. Comerciantes, por sua vez, seguiram bastante ativos para novas aquisições em setembro. Com dificuldade de encontrar caminhões, agentes estiveram atentos ao cumprimento dos contratos realizados anteriormente, destinados aos mercados interno externo, segundo colaboradores do Cepea.

Com o Indicador CEPEA/ESALQ, em média, 12,9% superior à paridade de exportação em setembro, e com as oscilações nos valores externos (taxa de câmbio e ICE Futures), tradings estiveram voltadas às negociações no mercado doméstico.

Nesse cenário, as exportações se enfraqueceram em setembro. Segundo cálculos do Cepea, a média de setembro/17 para os contratos de exportação referente à safra 2017/18 foi de US$ 0,7466/lp, 3,36% superior à média de agosto/17 (US$ 0,7223/lp), para embarques programados para o segundo semestre de 2018. Para saídas entre agosto e dezembro de 2019 (referente à safra 2018/19), a média está em US$ 0,7455/lp, alta de 3,46% frente à do mês anterior. Além das negociações a preços fixos, outras foram baseadas nos contratos da Bolsa de Nova York (ICE Futures).

De 31 de agosto a 29 de setembro, conforme cálculos do Cepea, a paridade de exportação na condição FAS (Free Alongside Ship), porto de Paranaguá (PR), caiu 1,39%, enquanto a média de setembro foi de R$ 2,1621/lp, 0,79% acima da de agosto/17 (R$ 2,1451/lp). No acumulado do mês, o Índice Cotlook A (referente à pluma posta no Extremo Oriente) baixou 1,87%, com média de US$ 0,8049/lp. Já o dólar se valorizou 0,54% frente ao Real em setembro. A média mensal do dólar, por sua vez, esteve 0,46% inferior à de agosto.

Dados da BBM (Bolsa Brasileira de Mercadorias) tabulados pelo Cepea apontam que 55,5% da safra 2016/17, estimada em 1,529 milhão de toneladas, teria sido comercializada até 2 de outubro. Desse total, 54,5% foram direcionados ao mercado interno e 45,5%, ao externo.

Os contratos na Bolsa de Nova York caíram, em setembro, devido à expectativa de boa safra e ao avanço da colheita nas lavouras norte-americanas, além do fortalecimento do dólar no mercado internacional. Entre 31 de agosto e 29 de setembro, o contrato Out/17 registrou baixa de 1,44%, fechando a US$ 0,6908/lp no dia 29; o contrato Dez/17 recuou 1,45% (US$ 0,6845/lp). No mesmo período, o vencimento Mar/18 apresentou queda de 1,11% (US$ 0,6778/lp) e Mai/18, de 1,03% (US$ 0,6835/lp).

Em relação às lavouras da safra 2017/18 norte-americana, 67% da área semeada já tem abertura de maçãs, 3 pontos percentuais abaixo do mesmo período de 2016, segundo a Secex. Quanto à colheita, estima-se que tenha avançado em 17% da área dos Estados Unidos em setembro, apenas 2 p.p. superior ao ano anterior. Em relação à qualidade das lavouras, 57% estão em boas e ótimas condições, acima dos 29% do ano anterior; 27% estão em condições medianas, contra 26% do mesmo período de 2016, e 16%, em ruins e péssimas condições, apenas 1 ponto percentual do registrado há um ano.

MERCADO EXTERNO – De ago/17 a set/17, a exportação brasileira registrou 132,7 mil toneladas, alta de 95,2%, segundo dados da Secex. Já na parcial de 2017 (jan-set), as vendas totalizam 371 mil t, queda de 30% frente ao mesmo período de 2016. Em set/17, o faturamento foi de US$ 212,7 milhões de t, 94% superior ao de ago/17, com valor médio de US$ 0,7269/lp, leve recuo de 0,8% no período. Em moeda nacional, o preço foi de R$ 2.2794,67/lp, 1,2% inferior ao de agosto/17.

A importação brasileira, por sua vez, teve volume seis vezes maior que em agosto/17, totalizando 406,6 mil t. De jan-set/17, as compras registraram aumento de 50,4% frente a 2016 (jan-set), indo para 33,4 mil t. Em set/17, o preço médio de importação foi de US$ 1.322,70, queda de 18% comparado a agosto/17, mas 66% superior ao de set/16.

O Icac (Comitê Internacional do Algodão), revisou positivamente os dados da safra 2017/18. Com expansão de 3% na área semeada, a produção mundial pode atingir os 25,4 milhões de t, 10% maior que o colhido na temporada 2016/17, impulsionado pelo crescimento nos principais produtores, como Estados Unidos, Índia, China, Paquistão e Brasil. Preços competitivos para o algodão frente a outras culturas no período de semeio (com a média do Cotlook A em US$ 0,83/lp, alta de 18,6% comparado à safra anterior) foram os fatores de elevação. Para o consumo 2017/18, é esperado aumento de 2,7%, indo para 25,2 milhões de t. O maior crescimento deve ser registrado na China e, de forma mais moderada, na Índia, Turquia, Bangladesh, Vietnã e Brasil. O estoque mundial está estimado em 18,7 milhões de t, apenas 0,8% maior que o da safra 2016/17. Quanto à comercialização global 2017/18, se espera volume de 7,9 milhões de t, 2% menor no mesmo comparativo.

CAROÇO – Em setembro, o ritmo de negócios esteve lento, sendo que a maioria dos lotes negociados envolveu pequenos volumes. Cautelosos para novos fechamentos, compradores se queixaram quanto às vendas e ao repasse dos preços do caroço para os derivados (como torta, farelo e óleo). Assim, indústrias trabalham com o caroço contratado e/ou com produto já em estoque.

Segundo dados captados pelo Cepea, em setembro/17, o preço médio do caroço no mercado spot em Primavera do Leste (MT), recuou 1,4% frente ao mês anterior, com média de R$ 435,63/t; em Campo Novo do Parecis (MT), a média foi de R$ 404,42/t, aumento de apenas 0,3%, e em Lucas do Rio Verde (MT), de R$ 372,65/t (-6,3%). Já em Barreiras (BA), com menor disponibilidade no spot, subiu 10,7% em setembro, com média de R$ 681,25/t.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink