Alta dos insumos vai impactar custos de produção da cana

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Leia nossos Termos de Uso e Termos de Privacidade. Ao clicar em Aceitar & Fechar, você consente com a utilização de cookies.


CI
Imagem: Pixabay
PREÇOS

Alta dos insumos vai impactar custos de produção da cana

Inicialmente houve restrição da oferta de insumos agrícolas, que logo se somou a uma forte desvalorização cambial
Por: -Aline Merladete

O aumento do preço dos fertilizantes ao longo de 2020 deve impactar os custos dos produtores independentes de cana-de-açúcar da região Centro-Sul do Brasil na safra 2021/2022, segundo o boletim Ativos da Cana-de-Açúcar do Projeto Campo Futuro.

O documento foi elaborado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) e o Programa de Educação Continuada em Economia e Gestão de Empresas (Pecege).Entre os principais aspectos da evolução dos preços dos insumos em 2020, a publicação destaca a pandemia da Covid-19. Inicialmente houve restrição da oferta de insumos agrícolas, que logo se somou a uma forte desvalorização cambial, encarecendo os fertilizantes e, em seguida, os defensivos. 

A recuperação dos preços das commodities agrícolas a partir do segundo semestre de 2020 também acelerou a alta dos preços dos insumos.

No caso do diesel, apesar de seu valor no período de CTT (corte, carregamento e transbordo) ter sido favorável ao longo da safra 2020/2021, quando se avalia o preço no período de tratos de cana planta (primeiro corte) e cana soca (segundo corte), entre o final de 2019 e início de 2020, verifica-se que o mesmo correspondeu a um aumento de custos de produção frente à safra 2019/2020.

Para a safra 2021/2022, a expectativa é de elevação do preço do diesel, tanto para as etapas de formação do canavial (entre novembro de 2020 e março de 2021), quanto para o CTT (entre abril e novembro de 2021), com uma alta ainda mais expressiva.

De acordo com o boletim, os diversos aumentos de preços de matérias-primas registrados na pandemia não se refletiram nos custos da safra 2020/2021, tendo sido incorporados, na maior parte, na safra 2021/2022. “Por outro lado, parte do cenário de aumento de custos deve-se também a expectativa de melhores remunerações para produtores e usinas de cana-de-açúcar”, diz a publicação.

*As informações são da CNA.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink