Anúncio da Corteva coloca em xeque futuro do clorpirifós

Imagem: Marcel Oliveira

POLÊMICA

Anúncio da Corteva coloca em xeque futuro do clorpirifós

Inseticida é considerado eficaz contra diversas pragas na maioria das grande culturas, mas sobre pressão
Por: -Leonardo Gottems
31819 acessos

No início de fevereiro a Corteva, divisão agrícola da fusão entre as empresas Dow e DuPont, anunciou que irá suspender até 2021 a produção de dois defensivos agrícolas com o ingrediente ativo clorpirifós: Lorsban e Cobalt. Os inseticidas possuem recomendações contra pragas importantes para praticamente todas as grandes culturas. 

A explicação dada pela empresa foi centrada na baixa da comercialização das marcas, que reduziram em 20% as vendas no período atual, quando comparado com a década de 1990. Mas, a decisão foi tomada também em um período de forte pressão contra os clorpirifós nos Estados Unidos. 

Estudos científicos mostram que o inseticida poderia estar afetando a saúde das crianças. Entre os problemas atribuídos ao agroquímico estão o baixo peso no nascimento, QI reduzido e distúrbios de atenção, menciona artigo publicado na plataforma Integrated Crop Management News, da Iowa State University.

A Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA, na sigla em inglês) tem permitido o registro de produtos à base de clorpirifós, mas sofre uma alta pressão para restringir seus usos ou até mesmo bani-los. A decisão final em território norte-americano será tomada em 1º de outubro de 2022. 

Na Europa a utilização do clorpirifós já foi banida e no Estado da Califórnia, a venda do inseticida foi proibida no início deste mês. A partir de 2021, a proibição será estendida ao uso e a posse do produto. O Havaí e o Estado de Nova Iorque irão banir o químico em 2022, já Oregon, Washington, Connecticut, Nova Jersey e Maryland possuem planos de implementar o banimento no futuro. 

No entanto, o uso do defensivo agrícola pelos produtores rurais é considerado necessário, já que o princípio ativo do clorpirifós se mostra um dos mais eficientes no combate a diversas pragas. Por conta disso, alternativas começam a ser implementadas para combater os pulgões em lavouras de soja nos Estados Unidos como o afidopiropeno (Grupo 9D; Sefina, Inscalis, da BASF) e o sulfoxaflor (Grupo 4C; Transform WG da Corteva). Ambos os produtos tiveram sua aprovação da EPA para utilização em território norte-americano no ano passado.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink