Aplicação de adubo nitrogenado na soja é desnecessária, aponta pesquisa

Agronegócio

Aplicação de adubo nitrogenado na soja é desnecessária, aponta pesquisa

Alerta é feito pela Embrapa no início do cultivo
Por: -Leonardo Gottems
21364 acessos
De acordo com estudo da Embrapa, a adubação nitrogenada da soja é desnecessária, seja na semeadura ou em qualquer outra fase do desenvolvimento. Pesquisas realizadas e confirmadas nas décadas de 80 e 90 demonstraram que a utilização de um inoculante de boa qualidade seria o suficiente para suprir todo o nitrogênio necessário para se alcançar boas produtividades.

 
As pesquisadoras Ieda Mendes (Embrapa Cerrados) e Mariangela Hungria (Embrapa Soja) estão agora alertando os produtores que iniciam o cultivo da oleaginosa. Segundo elas, verificou-se a ausência de respostas da cultura brasileira à adubação nitrogenada, desde que as boas práticas de inoculação fossem observadas.
 
O Comitê Estratégico Soja Brasil (CESB) coordenou pesquisa na safra 2012/2013 avaliando a adubação nitrogenada (lanço e foliar) na fase de enchimento de grãos da soja (R5.3) nas principais regiões produtoras. Dos 51 experimentos para avaliar efeito da suplementação com ureia (líquida e granulada), em 98% dos casos foi constatada a inviabilidade da aplicação de nitrogênio.

 
“No Brasil, graças ao processo de FBN (Fixação Biológica de Nitrogênio), a inoculação substitui totalmente a necessidade do uso de adubos nitrogenados nas lavouras de soja. O inoculante contém bactérias selecionadas do gênero Bradyrhizobium que, quando associadas às raízes de soja, conseguem converter o nitrogênio da atmosfera em compostos nitrogenados, que serão utilizados pela planta”, afirma Ieda de Mendes, pesquisadora da Embrapa Cerrados.
 
Outra vantagem da substituição dos fertilizantes nitrogenados industriais pela inoculação da soja com bactérias é a economia. Pelos cálculos dos pesquisadores, o uso de apenas 20 kg de N/ha na forma de uréia (equivalente a 42 kg desse adubo) na soja cultivada no Brasil resultaria em um custo adicional de cerca de R$ 62,50 por hectare, totalizando R$ 1,7 bilhão nos 30 milhões de hectares cultivados com soja em 2013.

 
Os especialistas destacam ainda o benefício ambiental. Como metade dos adubos nitrogenados são perdidos na lixiviação, desnitrificação e volatilização, esses fertilizantes causam a poluição de mananciais hídricos (rios, lagos, lençóis freáticos) e a redução da camada de ozônio.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink