Aumentam os custos de produção de leite, diz CNA


Agronegócio

Aumentam os custos de produção de leite, diz CNA

Por:
23 acessos

Os pecuaristas estão gastando mais para a produção de leite, segundo a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). Segundo dados da entidade, apesar do aumento do preço nominal, o custo de produção também sofreu reajuste. O estudo da CNA mostra, por exemplo, que em 2001 o pecuarista precisava desembolsar 716 litros de leite para comprar uma tonelada de milho. No ano passado, foram necessários 1.071 litros. O cereal e a soja, juntos, respondem por 50% dos custos de produção nos sistemas mais recursos tecnológicos.

Entre janeiro e dezembro de 2002, o preço médio pago ao produtor de Minas Gerais aumentou 59,2%, passando de R$ 0,27 para R$ 0,43 o litro. Apesar disso, nesse período, segundo a pesquisa da CNA, a relação de troca entre o leite e os insumos esteve muito ajustada. A variação no caso do diesel, por exemplo, foi mínima: passou de 325 litros de leite para cada 100 litros do combustível para 320. Os itens energia e combustível respondem por 5% dos custos operacionais da produção. "Isso significa que, apesar do preço melhor, o produtor precisa de maior volume para comprar os insumos", avalia Marcelo Costa Martins, assessor técnico da CNA.

Baseados nesses dados, os técnicos acreditam que no ano passado o crescimento da produção de leite pode ter sido nulo ou de apenas 2% para uma média história de 4% ao ano na última década, totalizando 21,1 bilhões de litros. Outro número apontado pela CNA refere-se aos dados da entressafra. Entre 2001 e 2002, as estimativas apontam que os custos de produção tenham subido de 25% a 30%. No ano passado, por exemplo, entre maio e setembro, o acréscimo foi de 11,4% e, em 2001, a variação foi negativa em 9,7%. Comparando-se os preços médios nas duas entressafras, houve aumento de 11,4% entre um ano e outro.

Para Martins, se houver sinalização de melhoria na relação de troca, o produtor pode investir na alimentação na entressafra e aumentar a produção. "Hoje, como está, o pecuarista está com o pé no freio."

O presidente da Comissão Nacional de Pecuária Leiteira da CNA, Rodrigo Alvim, diz que em algumas regiões, com o aumento dos custos, o pecuarista está pagando para produzir. Mas ele acredita que possa haver alternativa de redução dos custos como o uso de bagaço de laranja ao invés de milho. Alvim diz ainda que os preços internos não estão equiparados aos internacionais, o que representa margem de manobra para reajuste e também competitividade. A diferença entre o preço internacional e o do mercado interno é de aproximadamente 20%.

Segundo Alvim, um dos incentivos para o aumento da produção este ano pode ser o Programa Fome Zero. Ele também acredita que é preciso rever as margens de lucros de toda cadeia produtiva e o governo deva incentivar a exportação.

Neila Baldi


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink