Avança plantio do trigo no RS

Agronegócio

Avança plantio do trigo no RS

Com o benefício do clima, os produtores puderam retomar os trabalhos e concluíram, até o momento, o plantio de 81% da área prevista
Por: -Janice
624 acessos

O plantio da safra 2009 de trigo teve novo impulso no Rio Grande do Sul nesta última semana. Segundo levantamento semanal elaborado pela Emater/RS-Ascar sobre as culturas no Estado, embora as precipitações tenham deixado a desejar em algumas localidades, a umidade resultante das chuvas foi bastante benéfica. Como conseqüência, os produtores puderam retomar os trabalhos e concluíram, até o momento, o plantio de 81% da área prevista. A germinação, também, ocorre sem dificuldades, com as plântulas se desenvolvendo com vigor e perfilhamento.

O plantio das áreas com canola, nas regiões da Fronteira Noroeste e Missões, estão praticamente concluídas. As temperaturas baixas e formação de geadas, ocorridas em algumas áreas de produção, causaram problemas na germinação. O Alto Uruguai foi a região mais afetada. Nas demais áreas, especialmente no Planalto, onde se situa a maior área da cultura, o padrão das lavouras permanece muito bom.

Cotações

O arroz em casca obteve uma variação positiva expressiva de 3,98% no preço médio da saca de 50kg, passando de R$ 24,86 para R$ 25,85. Os outros grãos mantiveram a tendência dos últimos dias. No feijão, o preço médio da saca diminuiu 0,43%, passando para R$ 65,45. Milho e trigo tiveram suas cotações médias reduzidas em 1,32% e 0,54%, com a saca passando para R$ 18,67 e R$ 24,05, respectivamente. No caso da soja, a variação cambial do dólar influenciou positivamente na cotação média, em reais, da saca de 60kg e a variação foi de +1,37%, passando para R$ 445,92.

Na mais tradicional e maior região produtora de citros do Estado, o Vale do Caí, a ocorrência de chuvas espaçadas tem permitido a colheita regular dessas frutas. Além disso, a permanência das baixas temperaturas tem propiciado uma intensa coloração alaranjada nos frutos, tornando-as mais atrativas para o consumidor. Encontra-se em colheita as bergamotas das variedades Ponkan e Caí, as laranjas variedades Céu Precoce e Umbigo Monte Parnaso e a lima ácida Tahiti.

No Vale do Paranhana e Encosta da Serra, a cultura da batata-inglesa está com 35% da área colhida. As reduções na produtividade vêm se confirmando, estando perto de 50%. A colheita da batata- doce na região Centro Sul também se encontra em plena atividade e, até o momento, 13,4% da cultura já foi colhida do município da Barra do Ribeiro.

No município de Mampituba, no Litoral Norte, existe uma área de pomares de banana de 2.300 ha, com produtividade média de 14 t/ha e que, nesse ano, está superando em 17% a do ano anterior. Os bananicultores estão negociando, na média geral, por R$ 0,80/kg.

O campo nativo do Estado está com sua capacidade de suporte bastante comprometida em decorrência do baixo volume de chuvas e da má qualidade da forragem disponível. O retorno das chuvas permitiu a retomada da semeadura e o replantio de novas áreas com as principais forrageiras de inverno – aveia e azevém. A cana-de-açúcar começou a ser utilizada para suplementação energética do rebanho leiteiro.

Mais uma semana consecutiva de alta nos preços médios do quilo do boi e da vaca gorda. Foi o que apurou a pesquisa de preços realizada pela Emater/RS-Ascar. Desta vez, o preço médio do boi gordo passou de R$ 2,60 para R$ 2,63 o quilo vivo, alta de 1,15%. A variação da vaca gorda foi maior, 2,17%, passando de R$ 2,30 para R$ 2,35 o quilo vivo. A escassez na oferta de animais aptos para o abate, em decorrência da redução da qualidade do campo nativo e o retardo no desenvolvimento das pastagens de inverno, segue sendo a principal causa para elevação dos preços.

Devido à baixa umidade em que se encontram os solos nas principais regiões produtoras, os ovinos apresentam bom estado sanitário e nutricional, com os criadores realizando as praticas de manejo que antecedem o nascimento dos cordeiros. Neste período, é usual que os criadores realizem a descola e tosa dos posteriores das ovelhas, a administração de vermífugos e a vacinação contra a clostridiose. A principal preocupação dos produtores, no momento, está nas condições ambientais, uma vez que a chuva combinada com o frio causa sérios problemas aos cordeiros em sua fase inicial de desenvolvimento.

Leite

O preço médio do leite reagiu positivamente no decorrer da semana no mercado estadual. Segundo a pesquisa de preços realizada pela Emater/RS-Ascar, nas principais regiões de produção o preço médio do pago ao produtor saltou da faixa dos R$ 0,60 para R$ 0,61, aumento de 1,67%. Os preços mínimo e máximo não sofreram alteração mantendo-se respectivamente em R$ 0,50 e R$ 0,75 o litro. As informações são da assessoria de imprensa da Emater-RS.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink