Bill Gates financia projeto para acabar com a fome
CI
Imagem: Pixabay
PROJETOS

Bill Gates financia projeto para acabar com a fome

Projeto usa bactérias em cereais
Por: -Leonardo Gottems

O biólogo espanhol Luis Rubio lidera um projeto milionário financiado por Bill Gates para criar arroz e milho biotecnológicos mais baratos e acessíveis. Graças aos genes dos micróbios, os grãos podem gerar o dobro de alimentos sem a necessidade de fertilizantes, reduzindo o enorme impacto ambiental associado a esses produtos. 

O grupo de Rubio acaba de receber US$ 6,2 milhões da Fundação Bill e Melinda Gates para continuar o desenvolvimento desses supercereais. Desde 2011, a mesma equipe já recebeu outras duas rodadas de financiamentos que somadas somam cerca de oito milhões de dólares, explica o pesquisador do Centro de Biotecnologia e Genômica Vegetal (UPM-INIA). “O termo em inglês para definir esse tipo de doação é caridade, caridade em espanhol, mas não gosto de ver assim, o que a gente busca é combater a fome”, explica Rubio. 

O objetivo final é criar uma espécie de super-heróis da agricultura. Graças a sequências genéticas especiais doadas por micróbios, os grãos poderiam gerar o dobro do produto sem a necessidade do combustível que atualmente alimenta o crescimento das plantações em todo o mundo: fertilizantes químicos à base de nitrogênio.  

Este produto tornou-se popular desde a revolução verde dos anos 1960, em parte com base na introdução de variantes de arroz e milho que respondiam excepcionalmente ao nitrogênio. Um de seus maiores apoiadores foi o agrônomo do Texas Norman Borlaug, a quem se atribui a salvação de 245 milhões de vidas com suas colheitas e que ganhou o Prêmio Nobel da Paz em 1970. 

O problema é que esse modelo tornou-se deformidade e atualmente representa sérios problemas para os países mais pobres do mundo, pois seus agricultores não podem comprar os fertilizantes necessários. Além disso, o abuso de nitrogênio em países mais ricos criou uma crise global de saturação de rios e mares que geraram "zonas mortas" em corpos d'água em todo o mundo, incluindo a Espanha. 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink