AGROQUÍMICOS

Brasil já compra 3 X mais defensivos genéricos que especialidades

Aenda comemora vitórias do segmento
Por: -Leonardo Gottems
958 acessos

As vendas de produtos agroquímicos chamados “genéricos” (ou equivalentes) totalizaram 283,05 mil toneladas no Brasil no ano passado. É o que apontam dados do Sindiveg (Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal) divulgados na semana passada pela Aenda (Associação Brasileira dos Defensivos Genéricos).

O resultado é mais que o triplo do volume comercializado de “especialidades” (marcas comerciais), que em 2016 somaram 94,12 mil toneladas no País. “Os números de 2016 não deixam dúvidas sobre a penetração dos produtos genéricos no mercado brasileiro, segundo dados do Sindiveg”, afirma o engenheiro agrônomo Tulio Teixeira de Oliveira, que é diretor executivo da Aenda.

Já em termos de receita, as especialidades mantém superioridade de 47,66% sobre os produtos genéricos. Enquanto as marcas comerciais faturaram US$ 5,70 bilhões no ano passado, os genéricos totalizaram US$ 3,86 bilhões.

“Nos anos 90 a Aenda teve um expressivo realce no setor agrícola como resultado do seu esforço técnico e político para implantar no Brasil o regime de registro por equivalência para os Defensivos no Brasil. Foram inúmeras palestra em Universidades e Centros de Pesquisas para despertar o interesse pelo assunto e que motivou o desenvolvimento da tecnologia laboratorial para realização dos testes toxicológicos no país. O empenho foi coroado de êxito com a edição do Decreto 4074 no início de 2002”, afirma Tulio Teixeira de Oliveira.

“Contudo, as grandes empresas deste segmento apostam suas fichas no desenvolvimento de novas moléculas e a profusão de produtos genéricos excita a concorrência e abaixa os preços em geral, prejudicando a lucratividade dos novos produtos. E, como é sabido, o mercado brasileiro é um dos maiores do mundo, senão o maior. O certo é que situações continuaram a surgir pós episódio da implantação do registro por equivalência”, conclui.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink