Brasília anuncia regras para importação de cargas com aves vivas e ovos
CI
Agronegócio

Brasília anuncia regras para importação de cargas com aves vivas e ovos

Por:

Apenas os aeroportos de Cumbica, em São Paulo, e Viracopos, em Campinas, poderão receber cargas com aves vivas ou ovos. Essa é uma das medidas anunciadas ontem pelo Ministério da Agricultura para evitar a entrada no Brasil do vírus influenza, responsável pela "gripe das aves" que está atacando criações na Ásia e nos Estados Unidos. Como adiantou o Valor, na segunda-feira, o governo brasileiro já havia suspendido a importação de material genético dos EUA, por causa da confirmação de um foco da doença em Delaware. Também estão suspensas as importações de aves e de arroz em casca de 11 países asiáticos.

Os técnicos do Programa Nacional de Sanidade Avícola do ministério querem que a Infraero equipe os principais aeroportos internacionais com detectores de matéria orgânica, semelhantes aos usados para detecção de metais. Para o gerente do programa, Egon Vieira da Silva, a maior chance da doença entrar no Brasil é justamente pelos aeroportos, através de aves ou ovos contaminados. O Brasil é um grande importador de material genético avícola, como pintos de um dia e ovos fecundados de aves de linhagem superior. Esse material é usado no melhoramento do plantel nacional. No ano passado, foram importados 1,2 milhões de aves e ovos, sendo que 60% vieram dos Estados Unidos.

Os especialistas chegaram à conclusão de que é pequena a chance do vírus entrar no país por meio de roupas ou sapatos contaminados. Por isso, o governo desistiu de instalar pedilúvios e de desinfetar aviões e contêineres. Também não vai adotar restrições de trânsito de aves dentro do Brasil. A possibilidade de contaminação por aves migratórias, principais agentes transmissores da doença pelo mundo, também foi considerada pequena pelos técnicos. "Os pontos de parada das aves migratórias que passam pelo Brasil são distantes das áreas de produção de frangos", explicou Vieira.

O governo também tem um plano de contingência pronto para ser adotado caso apareça algum foco da doença. Em questão de horas, os técnicos interditarão a propriedade, proibirão o transporte de aves e, caso a doença seja confirmada, o plantel será sacrificado. O secretário-executivo do ministério, Amaury Dimarzio, afirma que o vírus influenza nunca foi detectado no país.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink