Cânhamo resistente ao dicamba preocupa nos EUA
CI
Imagem: Divulgação
MUNDO

Cânhamo resistente ao dicamba preocupa nos EUA 

“Quando usamos herbicidas, selecionamos plantas que podem sobreviver a esses herbicidas por meio de uma variedade de mecanismos"
Por: -Leonardo Gottems

Cientistas de plantas daninhas da Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, confirmaram a tolerância ao herbicida dicamba em uma crescente população de cânhamo (Amaranthus tuberculatus) na cidade de Champaign. No estudo, a dicamba conseguiu controlar 65% do cânhamo no campo quando aplicada na dose indicada. Enquanto na estufa, as plantas mostraram uma redução de cinco a dez vezes na eficácia do herbicida em comparação com as plantas de controle. 

Os pesquisadores disseram que esse não é um grande nível de resistência, mas há uma diferença. A população nunca havia sido pulverizada com dicamba ou seu princípio ativo, 2,4D, ao qual também é resistente. Então, por que o cânhamo parou de responder a esses herbicidas? 

“Quando usamos herbicidas, selecionamos plantas que podem sobreviver a esses herbicidas por meio de uma variedade de mecanismos. Historicamente, essa era uma mutação pontual em um local de ação, mas agora, cada vez mais, estamos vendo resistência metabólica, onde as ervas daninhas ativam os genes de desintoxicação antes que os produtos químicos possam fazer mal. Portanto, essas populações de ervas daninhas estão acumulando conjuntos de genes que são ativos contra vários herbicidas, e há reatividade cruzada ", disse Pat Tranel, professor do Departamento de Ciências de Culturas de Illinois e coautor do estudo. 

Tranel e seus colegas já sabiam que o cânhamo d'água na população do condado de Champaign era resistente ao herbicida sintético 2,4D auxina. Visto que a dicamba também é uma auxina sintética, não é muito forçado imaginar que a via de desintoxicação poderia ser a mesma. Mas o cânhamo na população de estudo é resistente a herbicidas em cinco outros grupos de locais de ação, então a reatividade cruzada pode vir de qualquer lugar. 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.