Carne mais magra graças a corrida genética
CME MILHO (DEZ/20) US$ 4,200 (0,72%)
| Dólar (compra) R$ 5,63 (0,59%)


Agronegócio

Carne mais magra graças a corrida genética

A busca por carne mais magra é uma forma de ampliar o consumo interno de suínos
Por:
138 acessos

Reprodutores suínos requisitados como o Agroceres 415 e o LM 6200 DanBred ganharam um concorrente de peso: o Talent, lançado pela TopPigs, empresa de origem holandesa há 60 anos no mercado de genética e inseminação artificial de suínos. O geneticista André Ribeiro da Costa afirma que o Talent associa alto rendimento e carne magra.

Se depender de propaganda, o Talent deve avançar rápido. A empresa fechou contrato publicitário com o nadador César Cielo, campeão olímpico e atual recordista dos 50 e 100 metros livres. As primeiras peças foram exibidas na PorkExpo, na última semana, em Curitiba.

A corrida genética tem melhorado a conversão alimentar e reduzido a concentração de gordura na carne suína, afirma Costa. Ele conta que o Talent pode aumentar um quilo ao consumir apenas 2 quilos de ração (recebendo suplementos que favorecem o aproveitamento). O ganho de peso diário é de 940 gramas até os 100 kg, peso bom para o corte. O Talent fica pronto com toucinho de 12,6 milímetros de espessura. “A média brasileira é de 14 milímetros”, compara o geneticista.

A busca por carne mais magra é uma forma de ampliar o consumo interno. O setor tenta conquistar os consumidores que rejeitam alimentos gordurosos. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 50% dos homens e 48% das mulheres apresentam sobrepeso no país.

Segundo Costa, chegou-se ao ponto de a carne suína ficar magra demais. “A carne suína tem gordura concentrada nas bordas. O consumidor consegue separar essa gordura. Em alguns casos, quando toda a gordura é retirada, fica até muito seca”, avalia.

A melhor conversão de ração em carne acelera o ciclo de criação para 90 dias e favorece a produção de carne magra. “Para produzir 1 kg de gordura são necessárias 9 mil calorias e, para um quilo de carne, basta metade”, argumenta Fabiano Coser, diretor executivo da Associação Bra­sileira dos Criadores de Suínos.

Anúncios que podem lhe interessar


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink