China compra soja dos EUA mesmo com atritos
CME MILHO (DEZ/20) US$ 3,696 (-0,16%)
| Dólar (compra) R$ 5,48 (1,59%)

Imagem: Nadia Borges

ANÁLISE AGROLINK

China compra soja dos EUA mesmo com atritos

Cenário climático parece favorável à cultura: boas perspectivas de produção são mantidas
Por: -Leonardo Gottems
756 acessos

O preço da soja na Bolsa de Cereais de Chicago (CBOT) registrou na segunda-feira (27.07) uma alta de 1,75 ponto no contrato de Agosto/20, fechando em US$ 9,065 por bushel. Os demais vencimentos em destaque da commodity na CBOT fecharam a sessão com valorizações entre 0,50 e 1,75 ponto.

A T&F Consultoria Agroeconômica aponta que a sessão de futuros da soja na CBOT terminou com um leve avanço, em um mercado que acompanhou de perto o comportamento da demanda externa, especialmente no que diz respeito à China: “Novas compras hoje por 132.000 tons foram adicionadas a volumes significativos nas sessões anteriores. Além disso, houve vendas adicionais de 250.371 tons para o México. Por outro lado, o aumento das tensões políticas entre Washington e Pequim transmitiu incertezas. Por sua vez, o cenário climático parece favorável à cultura. Boas perspectivas de produção são mantidas”.

“No fechamento desta segunda-feira, os futuros de soja do mês anterior ficaram levemente para 2 3/4 centavos positivos. No primeiro mês, os futuros de farelo de soja subiram até US$ 1,70/tonelada. Os futuros do óleo de soja recuaram de 20 a 21 pontos. O USDA anunciou duas grandes vendas de soja esta manhã. O México reservou 250.371 tons, e a China comprou 132.000”apontam os analistas.

CHINA

Ainda de acordo com a T&F Consultoria Agroeconômica, os relatórios vindos do exterior registram que a China teria comprado um cargo de safa nova soja norte-americana, para embarque a partir de setembro e dois cargo de safra nova brasileira, para embarque a partir de fevereiro de 2021. “Mas, o que prevaleceu hoje em Chicago foi o sentimento de grande incerteza sobre o agravamento da tensão com a China, que pode restringir a demanda de soja americana,direcionando-a para a América do Sul (Brasil, Argentina, Paraguai)”, concluem a equipe de analista da T&F.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink