CNA debate reforma tributária e protocolo de monitoramento bovino
CME MILHO (DEZ/20) US$ 4,090 (1,09%)
| Dólar (compra) R$ 5,61 (0,12%)

Imagem: Marcel Oliveira

DEBATE

CNA debate reforma tributária e protocolo de monitoramento bovino

A Comissão Nacional de Pecuária de Corte da CNA discutiu, na sexta (28), os impactos da reforma tributária para a cadeia produtiva
Por:
105 acessos

A Comissão Nacional de Pecuária de Corte da CNA discutiu, na sexta (28), os impactos da reforma tributária para a cadeia produtiva, com a apresentação dos principais pontos das Propostas de Emenda à Constituição (PEC) n.º 45, da Câmara, e 110, do Senado, e o Projeto de Lei 3887, do governo.

O coordenador do Núcleo Econômico da Confederação, Renato Conchon, apontou a criação de uma alíquota única, o imposto seletivo, a transformação do produtor rural pessoa física em contribuinte e o fim da desoneração da cesta básica como os principais pontos que afetam o setor agropecuário brasileiro.

“Uma alíquota única vai proporcionar queda na rentabilidade, além de inviabilizar pequenos e médios produtores rurais. Em relação ao imposto seletivo, no caso da pecuária, haverá aumento de tributos em produtos para melhoramento da performance do gado, por exemplo.”

Conchon esclareceu que o agro não é contrário à reforma. No entanto, o setor espera que a proposta aprovada não inviabilize o setor produtivo.

“O produtor rural, pessoa física, se tornando contribuinte, vai trocar sua equipe de agrônomos e veterinários por advogados e contadores já que será obrigado a fazer a contabilidade mensal da sua propriedade. Com isso aumentará custo de produção e de compliance”, ressaltou.

Na avaliação do presidente da Comissão, Antônio Pitangui de Salvo, é fundamental o papel que a CNA está fazendo em Brasília, ao manter um diálogo positivo com parlamentares e governo.

“O Sistema precisa falar sobre isso, mostrar que o aumento de tributos irá onerar o setor e trará um grande problema para sociedade a curto, médio e longo prazo. Sem contar que precisamos reverter a visão de que o setor não paga imposto, porque isso não é verdade. Porém, não queremos taxar ainda mais nossa atividade.”

De Salvo afirmou ainda que os produtores rurais precisam ser informados sobre o tamanho dos prejuízos que a reforma trará se for aprovada do jeito está sendo proposta no Congresso.

“É importante entenderem a situação porque nenhum produtor vai absorver um aumento de 15% no custo da produção, por exemplo. Ou seja, isso acabará sendo repassado para a sociedade no preço dos alimentos.”

Outro tema debatido na reunião da Comissão foi o protocolo de monitoramento Boi na Linha. A iniciativa é desenvolvida pelo Imaflora, organização que certifica a qualidade e o desempenho socioambiental dos setores florestal e agrícola.

Inakake ressaltou que o protocolo busca tornar mais claras as regras de monitoramento, auditoria e transparência dos resultados, além de comunicar as partes interessadas e envolvidas com o intuito de fortalecer e proporcionar uma condição mais competitiva para os animais de abate.

Anúncios que podem lhe interessar


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink