Comissão Interna de Prevenção de Acidentes está entre as prioridades das Unidades da Embrapa, em Dourados

Agronegócio

Comissão Interna de Prevenção de Acidentes está entre as prioridades das Unidades da Embrapa, em Dourados

Em Dourados, existem duas Unidades da Embrapa: a Embrapa Agropecuária Oeste e a Embrapa Produtos e Mercado Dourados
Por:
2332 acessos

Em Dourados, existem duas Unidades da Embrapa: a Embrapa Agropecuária Oeste e a Embrapa Produtos e Mercado Dourados

Os oito cipeiros da Embrapa Agropecuária Oeste, eleitos e indicados em 16 de setembro, para o período de um ano, foram empossados no dia 7 de outubro pelo chefe geral, Guilherme Asmus, assim como os dois representantes pela Segurança do Trabalho na Embrapa Produtos e Mercado com a presença de Ademar Zanatta, substituto de Huberto Paschoalick, representante regional em Dourados (veja os integrantes no fim desta notícia). As Unidades estão há mais de 560 dias sem registros de acidentes de trabalho. O desafio, segundo o chefe geral da Embrapa Agropecuária Oeste, é que este número de dias sem acidentes seja cada vez maior.

Asmus disse que a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa) possui uma grande responsabilidade em estar atenta com as questões "que envolvem a segurança do grupo de trabalhadores, identificando gargalos, problemas e oportunidades de melhoria. Isso constitui a melhoria na qualidade do ambiente em que trabalhamos e constitui-se em um elemento de diminuição de riscos para o trabalhador." Zanatta lembrou que os membros da Cipa contam com o apoio dos empregados da Embrapa na identificação dos problemas para a melhor resolução para a saúde dos trabalhadores.

A chefe administrativa da Agropecuária Oeste, Erica Bonin, enfatizou a importância do diálogo já existente entre a Cipa e a empresa, e deixou o canal aberto para novos diálogos.

Os novos cipeiros aprenderam e/ou foram atualizados sobre a Norma Regulamentadora 5 (NR 5), referente à Comissão Interna de Prevenção de Acidente (CIPA) do Ministério do Trabalho. O curso foi nos dias 5 de outubro (à tarde), 6 e 7 de outubro de 2016 (período integral), com carga horária de 20 horas. De acordo com a NR 5, cabe à Cipa, entre outras atribuições, fazer cronograma anual de ações da Cipa, fixar objetivos claros, checar os resultados, apurar distorções e corrigir falhas.

Os professores do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), empresa contratada pelas Unidades da Embrapa em Dourados, foram Juliano Lopes e Olacir Marques. Christiane Sayuri e Franciele Costa (técnica de Segurança do Trabalho da Unidade) lembram que a cada ano em que são realizados cursos para cipeiros, o quadro de professores é renovado para que novas experiências profissionais possam ser compartilhadas.

O professor Lopes lembrou que as Normas Regulamentadoras (NRs) são procedimentos de segurança do trabalho previstas na legislação trabalhista. "A prevenção é uma via de mão dupla: a prevenção por parte da empresa que deve orientar e conscientizar os trabalhadores e por parte dos trabalhadores que devem colocar as normas de segurança em prática e tirar dúvida quando tiver", afirmou Lopes.

O professor Olacir Marques explicou que o Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (Sesmet) representa a gerência da empresa, na figura do técnico de segurança do trabalho. Ao se deparar com algum risco na empresa, a Cipa se dirige ao Sesmet. Marques deixou claro que "Cipa não é briga entre patrão e empregado. A função de cipeiro existe para preservar a integridade física de todos contra uma situação de risco no trabalho. A Cipa é coletiva e não pessoa."

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink