Como alcançar o "boi China"
CME MILHO (DEZ/20) US$ 3,684 (0,11%)
| Dólar (compra) R$ 5,59 (2,18%)

Imagem: Eliza Maliszewski

PECUÁRIA DE PRECISÃO

Como alcançar o "boi China"

Tecnologia auxilia pecuarista a produzir animais mais jovens, que atendem exigência do mercado
Por: -Eliza Maliszewski
663 acessos


Você já ouviu falar no “boi padrão China”?  São animais com padrão que atendem aos interesses chineses. Os bois devem ser nascidos e criados em território brasileiro, ter no máximo quatro dentes incisivos permanentes, ter menos de 30 meses de idade no momento do abate, garantia de rastreabilidade, livres de doenças e restrições veterinárias.

Os chineses podem pagar até o dobro pela carne nesse padrão. Uma tecnologia desenvolvida pela Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), em Colina, interior paulista, preconiza justamente esse padrão: animais jovens e bem terminados.

É o chamado Boi 7.7.7, onde se atinge 21 arrobas em até 24 meses, quando normalmente os pecuaristas brasileiros levam três anos para produzir animais de 18 arrobas. São seguidos alguns conceitos: o animal deve alcançar sete arrobas na desmama, sete na recria e outras sete na engorda. Além da produção precoce, a tecnologia pode aumentar em até 30% os lucros dos pecuaristas.

O conceito tem revolucionado o modo de se produzir gado no Brasil, permitindo a redução da idade de abate dos animais e aumentando o peso de carcaça, algo interessante para os pecuaristas, frigoríficos e consumidores, por disponibilizar no mercado carne com melhor qualidade, com sabor, maciez e coloração mais atrativa para o consumidor. 

Os animais mais jovens tipo exportação remuneram melhor o produtor. No primeiro quadrimestre de 2020, por exemplo, a arroba do "boi padrão China" era vendida de R$ 5 a R$ 15 a mais do que arroba de animais mais velhos. "É necessário que sejam utilizadas diversas ferramentas para atingir esse resultado. O trabalho envolve, principalmente, manejo de pasto e suplementação alimentar", explica Gustavo Rezende Siqueira, pesquisador da APTA.

A dosagem da suplementação varia: quanto mais pesado o animal, maior a dosagem dos produtos. Em uma produção normal, os pecuaristas precisam de três anos para fazer o giro - período entre o início da produção até o abate. Com a tecnologia da APTA, é possível fazer um giro e meio nesse período. Essa precocidade do sistema é importante para todos os elos da cadeia de produção. Essa redução de tempo e permanência do animal no pasto aumenta em 30% os lucros dos produtores.

O conceito desenvolvido pela pesquisa paulista é adotado nas principais regiões produtoras de gado de corte do Brasil, como São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins, Goiás, Pará e Rondônia.

Nossa equipe esteve na APTA para conhecer melhor o conceito.
 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink