Como escolher as plantas de cobertura: confira dicas da Epagri
CME MILHO (DEZ/20) US$ 3,782 (-0,26%)
| Dólar (compra) R$ 5,38 (2,78%)

Imagem: Divulgação

AGRICULTURA

Como escolher as plantas de cobertura: confira dicas da Epagri

Uso de plantas de cobertura é uma das práticas do plantio direto
Por:
713 acessos

Onde se pratica o plantio direto, depois da colheita é hora de as plantas de cobertura assumirem a área de cultivo. Essas plantas, também conhecidas como adubos verdes, têm o papel de proteger a superfície e melhorar as condições químicas, físicas e biológicas do solo, beneficiando as culturas comerciais. Mas para escolher a espécie adequada a cada situação, é preciso prestar atenção a uma série de fatores. Confira as dicas dos profissionais da Epagri:

Necessidades da cultura comercial

Cada espécie de planta de cobertura pode ter efeitos diferentes sobre as culturas implantadas na sequência. O engenheiro-agrônomo Lauro Krunwald, extensionista da Epagri de Atalanta, aconselha que se leve em consideração o fator mais limitante na produção da cultura comercial. “Se eu trabalho com uma cultura altamente exigente em nitrogênio, como o milho, é interessante que entre as culturas que estão nessa área haja alguma leguminosa, pois elas são fixadoras de naturais de nitrogênio”, explica. Alguns exemplos de leguminosas são o tremoço, as ervilhacas, a ervilha forrageira, as mucunas, o feijão de porco e o guandu anão.

No caso da fruticultura, por exemplo, a situação é diferente. “Se houver muita fixação de nitrogênio no solo, isso poderá aumentar a incidência de doenças na videira e diminuir o grau brix da uva”, cita o extensionista. Ainda nos pomares, é preciso analisar se a florada da planta de cobertura pode competir com a florada da cultura principal, já que as fruteiras dividem a área com as espécies de cobertura. Nos pomares catarinenses, a aveia preta, o nabo forrageiro e consórcios de aveia preta com ervilhaca ou com nabo são as plantas de cobertura mais comuns.

Produção de fitomassa

Em um solo com baixo teor de matéria orgânica, a dica de Lauro é incluir plantas de cobertura que fixam maior quantidade de carbono em menor tempo e que tenham raízes agressivas e profundas e bastante massa seca, como milheto, capim sudão, braquiária, nabo forrageiro ou tremoço. “Ao longo de anos teremos um solo com características físicas talvez muito parecidas com as originais após a retirada da mata nativa”, diz o extensionista.

Características da planta de cobertura

É fundamental conhecer o comportamento da planta de cobertura antes de levá-la a campo. O pesquisador Leandro do Prado Wildner, do Centro de Pesquisa para Agricultura Familiar (Epagri/Cepaf), cita características importantes para observar na hora da escolha: “Velocidade de crescimento inicial, eficiência na cobertura do solo, capacidade de reciclagem de nutrientes, sistema radicular profundo e bem desenvolvido, elevada produção de fitomassa, resistência à seca, resistência à geada, baixo nível de ataque de pragas e doenças, tolerância à baixa fertilidade, capacidade de adaptação a solos degradados e não ter comportamento de invasora”, destaca.

Época de semeadura

Existem plantas de cobertura mais indicadas para cultivo no verão e outras para o inverno. “No entanto, usamos essa denominação apenas para identificar as espécies, uma vez que a época de plantio ocorre a partir do momento em que o solo não se encontra cultivado com uma cultura comercial. Em função do tamanho dessa janela e da próxima cultura é que o agricultor vai escolher a planta de cobertura”, explica Leandro.

Espécies de verão

As plantas de cobertura de verão podem ser semeadas de meados de setembro até dezembro (onde não há risco de geada, o período pode se estender até o fim do verão). Elas são cultivadas, preferencialmente, entre a colheita da cultura de verão (primeira safra) e a semeadura da cultura de inverno. “É o período chamado de janela outonal, no qual o solo tem ficado descoberto, sendo tomado por inços, perpetuando pragas e doenças e sofrendo sérios problemas de erosão por causa das chuvas intensas do período”, ressalta Leandro.

As espécies de verão mais comuns são as mucunas, as crotalárias, feijão-de-porco, guandu anão, caupi ou feijão miúdo, teosinto, milheto, capim sudão, sorgo e trigo mourisco.

Espécies de inverno

São chamadas de plantas de cobertura de inverno as semeadas desde o fim do verão (início de março) até o início do inverno (junho). As principais são aveia preta, aveia branca, centeio, azevém, tremoço branco, tremoço azul, ervilha forrageira, ervilhaca comum, ervilhaca peluda, gorga e nabo forrageiro.

Capacidade de manejo

De nada adianta a planta de cobertura ter as características desejadas se o produtor não tem condições de manejá-la adequadamente. No caso de plantas que produzem bastante massa seca, é preciso ter equipamentos adequados para acamá-las e implantar os cultivos em sucessão. “É importante saber se o produtor tem as ferramentas para colher, armazenar e semear adequadamente cada tipo de planta de cobertura”, acrescenta Lauro. Outro fator importante é a capacidade de produzir sementes em quantidade suficiente para aumentar a área de cultivo.

Coloque na balança

O pesquisador Leandro pondera que, apesar de tantas características a serem observadas, dificilmente uma única espécie vai atender a todos os critérios. Por isso, vale colocar os prós e contras na balança. “Em função da espécie de adubo verde disponível na propriedade ou no mercado próximo, do sistema de produção e da condição do agricultor, deve-se considerar somente alguns desses critérios”, explica.

Busque orientação

A Epagri orienta agricultores de todas as regiões de Santa Catarina a cultivar plantas de cobertura para proteger e melhorar as condições do solo. Se precisar de ajuda para selecionar espécies ideais para sua área de cultivo, clique aqui para encontrar o escritório da Empresa no seu município.

Para aprender mais sobre as plantas de cobertura, assista.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink