Como evitar impactos como o do Canal de Suez?

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Leia nossos Termos de Uso e Termos de Privacidade. Ao clicar em Aceitar & Fechar, você consente com a utilização de cookies.


CI
Imagem: Pixabay
MUNDO

Como evitar impactos como o do Canal de Suez? 

" É preciso fazer algum tipo de seguro para o que se está transportando"
Por: -Leonardo Gottems

Recentemente o supernavio Evergiven ficou encalhado no Canal de Suez e causou enormes transtornos em uma das principais rotas do transporte marítimo mundial, congestionando cerca de 400 navios. Entre os principais impactos causados para as operações de comércio internacional que envolvem o transporte marítimo, o frete para a China quintuplicou, segundo o trader de commodities e sócio da Raad International Trading, Thomas Raad. 

De acordo com ele, em casos como esse em que ninguém prevê, é preciso fazer algum tipo de seguro para o que se está transportando. A recomendação para o importador é sempre colocar a carga no seguro. Se uma empresa está importando do Brasil para a China ou Dubai, por exemplo, deve segurar a mercadoria porque é um valor muito insignificante em relação ao total da carga. Muitas empresas com as quais já fiz negócio não colocaram seguro na carga. É a famosa economia burra”, critica. 

“Estou cotando frete para os destinos que sempre vendo, Jebel Ali, Jeddah, Doha mas os preços ainda estão dentro do normal. Talvez o transit time aumente. Depende dos operadores de transporte marítimo e donos de navios. São várias rotas que podem ser feitas, por exemplo, uma operadora pode preferir ir para a Espanha primeiro ou para a Itália para depois ir para o Oriente Médio. Já outra pode preferir ir para a África primeiro para depois subir”, exemplifica, dizendo que o Oriente Médio não sofreu ou se sofreu foi muito pouco um impacto tão grande nos preços tanto de produtos quanto de fretes em função dos operadores marítimos utilizarem outras rotas. 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink