Cultivar com ar é mais eficiente do que plantar
CI
Imagem: Marcel Oliveira
PESQUISA

Cultivar com ar é mais eficiente do que plantar

Análise mostrou que cultivar alimentos do ar é 10 vezes mais eficiente do que soja no solo
Por:

Uma equipe de pesquisadores do Instituto Max Planck de Fisiologia Molecular de Plantas, da Universidade de Nápoles Federico II, do Instituto Weizmann de Ciências e da Escola Porter de Meio Ambiente e Ciências da Terra descobriu que produzir alimentos a partir do ar seria muito mais eficiente do que cultivar em solo. Em seu artigo publicado em Proceedings of the National Academy of Sciences, o grupo descreve sua análise e comparação da eficiência do cultivo de safras (soja) e do uso de uma técnica de alimento do ar.

Por vários anos, pesquisadores de todo o mundo têm estudado a ideia de cultivar "alimentos do ar", combinando um recurso de combustível renovável com o carbono do ar para criar alimentos para um tipo de bactéria que cria proteínas comestíveis. Um desses projetos é o Solar Foods na Finlândia, onde os pesquisadores têm a meta de construir uma planta de demonstração até 2023. Nesse novo esforço, os pesquisadores procuraram comparar a eficiência do cultivo de uma cultura básica, a soja, com o cultivo de alimentos do ar.

Para fazer suas comparações, os pesquisadores usaram um sistema de comida do ar que usa painéis de energia solar para fazer eletricidade, que é combinada com o dióxido de carbono do ar para produzir alimentos para micróbios cultivados em um biorreator. A proteína que os micróbios produzem é então tratada para remover os ácidos nucléicos e então seca para produzir um pó adequado para consumo por humanos e animais.

Eles compararam a eficiência do sistema com um campo de soja de 10 quilômetros quadrados . A análise mostrou que cultivar alimentos do ar era 10 vezes mais eficiente do que cultivar soja no solo. Dito de outra forma, eles sugeriram que um pedaço de terra de 10 quilômetros quadrados na Amazônia usado para cultivar soja poderia ser convertido em um pedaço de terra de um quilômetro quadrado para o cultivo de alimentos do ar, com os outros nove quilômetros quadrados virados de volta ao crescimento da floresta selvagem. Eles também observaram que a proteína produzida usando a abordagem de comida do ar tinha o dobro do valor calórico da maioria das outras culturas, como milho, trigo e arroz.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.