Dólar tem maior alta semanal em 3 meses com uso do real para "hedge"
CI
Imagem: Pixabay
ECONOMIA

Dólar tem maior alta semanal em 3 meses com uso do real para "hedge"

No fechamento, o dólar subiu 0,70%, a 5,2002 reais na venda
Por:

O dólar fechou em alta firme contra o real nesta quarta-feira, contabilizando a maior valorização semanal em três meses, com investidores voltando a montar posições na moeda brasileira para proteger aplicações em outros mercados.

Tal movimento fez o real descolar dos movimentos nos mercados de câmbio no exterior, que tinha o dólar em queda generalizada diante de esperanças de um acordo do Brexit e dados melhores nos Estados Unidos.

Depois de cair a 5,1295 reais (-0,67%) no começo do pregão, a moeda passou a ganhar força ao longo do restante do dia, até inverter o sinal e bater uma máxima de 5,2223 reais (+1,13%) logo após as 14h30.

No fechamento, o dólar subiu 0,70%, a 5,2002 reais na venda, maior valor desde 2 de dezembro (5,2422 reais). Foi a quarta alta consecutiva, período em que somou ganho de 2,40%.

A série é a mais longa do tipo desde as também quatro valorizações seguidas entre 13 e 16 de outubro.

Na semana, encurtada pelo Natal, a cotação saltou 2,28%, maior acréscimo desde a semana finda em 25 de setembro (+3,29%).

Com o movimento recente, o dólar reduziu a queda em dezembro para 2,74%. No ano, a divisa ainda dispara 29,59%, o que deixa o real na vice-lanterna entre 33 pares do dólar, à frente apenas do fragilizado pelo argentino, que recua 28,1%.

Segundo um profissional de um grande banco estrangeiro, o mercado parece estar voltando ao trade “compra de dólar/venda de juros e bolsa”, especialmente depois da valorização recente do real na esteira do otimismo global com vacinas.

“Com a notícia da mutação do vírus no Reino Unido, o risco voltou a afetar essas posições (de proteção) e o real está sendo usado para essa recomposição de hedge por ser uma moeda muita líquida”, disse.

Essa dinâmica havia sido quebrada recentemente --com real e Ibovespa em alta diante da farta liquidez global, da eleição norte-americana e do desenvolvimento de vacinas contra a Covid-19--, mas já tinha se mostrado presente nos últimos tempos, à medida que o colapso da Selic a mínimas históricas tornou a moeda doméstica um ativo barato para proteger investimentos em outros mercados brasileiros e mesmo no exterior.

O Ibovespa saltava 1% no fim da tarde, beirando os 118 mil pontos. Em 2020, o real cai 22,83%, e o principal índice das ações brasileiras avança 1,85%, mais do que apagando as perdas decorrentes da crise do coronavírus.

À medida que o fim do ano vai se aproximando, o volume de negócios tende a se reduzir, deixando o mercado mais suscetível a variações bruscas e fatores técnicos. Até 17h17, 225.995 contratos de dólar futuro haviam sido transacionados, 16% abaixo da média dos últimos 30 pregões e 20% aquém da média das últimas 90 sessões.

Apesar das altas recentes, alguns analistas ainda veem caminho de queda para o dólar.

“O mercado continuará a ver volatilidade, mas certamente parece que a tendência de baixa (do dólar) está bastante intacta”, disse o DailyForex em nota.

“Outra coisa a se prestar atenção é o fato de que a média móvel de 50 dias está se preparando para cruzar abaixo da média de 200 dias, a chamada ‘cruz da morte’, que pode enviar o dólar para baixo de um ponto de vista de longo prazo”, acrescentou o DailyForex.

A média móvel de 50 dias está em 5,3832 reais, enquanto a de 200 dias se encontra em 5,3619 reais.

Pela análise do Morgan Stanley, o real ainda está entre as moedas favoritas no mundo emergente, em contraposição a pares como won sul-coreano, dólar de Taiwan e shekel israelense.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink