Economista defende 'benefícios' do desmatamento da Amazônia

Agronegócio

Economista defende 'benefícios' do desmatamento da Amazônia

Produção de soja deve ser expandida, afirma pesquisador do Ipea. Região precisa gerar riqueza e catástrofe climática não vai acontecer, diz
Por:
270 acessos
Ainda há muito espaço para o desenvolvimento da agricultura na Amazônia e, enquanto ela trouxer riqueza e desenvolvimento, não deve ser impedida, ainda que cause algum desmatamento.

A posição, que provavelmente não agradará a muitos ambientalistas, é defendida pelo economista e pesquisador do Instituto de Pesquisas Aplicadas (Ipea), Eustáquio Reis, que há mais 20 anos estuda a região.

Segundo Reis, “as pessoas tendem a apontar os custos do desmatamento, mas poucas vezes apontam que as atividades que geraram desmatamento podem gerar benefícios também”.

Ele acredita que o avanço da agropecuária sobre a floresta será contido naturalmente pela valorização da terra, na medida em que a colonização avançar, e que, mesmo sem restrições impostas pelo governo, a floresta não será totalmente devastada como apregoam alguns ambientalistas.

“Daqui a algum tempo vai ficar muito caro desmatar”, defende, lembrando ainda que nas zonas centrais da Amazônia chove demais para que culturas como a soja possam ser instaladas. “Este tipo de cultura precisa de três meses de seca por ano”, diz.
O país não deve e nem pode abrir mão de seu território amazônico para gerar riqueza e trazer importantes divisas estrangeiras, resultado das exportações de produtos agrícolas. “Vamos viver de vender castanhas?”, pergunta (a castanha é um dos principais produtos extrativistas da região).

Tampouco a criação de um mercado de créditos de carbono, com o qual se pagaria para manter a floresta em pé e em torno do qual há crescentes discussões, parece convencer o pesquisador. “Não há ninguém que vai pagar pelo carbono da floresta o que vale um hectare de soja”, afirma.

Isso não significa que Reis seja favorável ao desmatamento indiscriminado. Segundo ele, é importante haver restrições, zoneamentos e reservas que protejam a floresta em certas regiões.

A pecuária, em sua opinião, é um problema porque pode ser praticada em qualquer parte da Amazônia, inclusive onde há chuva o ano inteiro. “Os pecuaristas usam muita terra para a quantidade de gado que têm”, aponta, defendendo um aumento da produtividade.

De qualquer forma, acredita, uma devastação que cause uma catástrofe climática não deve ocorrer. “Você acredita que a destruição da Mata Atlântica teve impactos tão grande assim para o clima? Que o clima ficou insuportável? Valeu a pena desmatar São Paulo, não valeu?”, indaga. “Você já ouviu falar que os americanos vão deixar voltar com as pradarias e deixar de plantar soja? A Europa era totalmente coberta com floresta. Eles vão recuperar isso?”

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink