Embrapa trabalha no melhoramento de café Conilon na Amazônia
CI
Agronegócio

Embrapa trabalha no melhoramento de café Conilon na Amazônia

Os cientistas buscam aumentar a produtividade, a tolerância a doenças e a qualidade dos grãos de café
Por:
- Pesquisadores da Embrapa Rondônia, unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, realizam essa semana uma importante etapa de um longo trabalho de melhoramento genético de café. Plantas com características desejáveis foram cruzadas em campo em uma tentativa de gerar descentes ainda melhores. Os cientistas buscam aumentar a produtividade, a tolerância a doenças e a qualidade dos grãos de café.

O trabalho é realizado com 25 diferentes materiais genéticos de café da variedade Conilon previamente selecionados. As plantas foram clonadas e deram origem a lavouras experimentais. Por meio de irrigação, as plantas foram induzidas a florescer em período seco e os cruzamentos são feitos com o pólen, cuidadosamente colocado na flores das outras plantas, em uma sequência lógica, explica o pesquisador André Rostand Ramalho, da Embrapa Rondônia.

As sementes geradas em cada cruzamento serão semeadas e as mudas plantadas em dezembro do próximo ano. Os pesquisadores vão avaliar o crescimento, a resistência a pragas e doenças e posteriormente a produtividade e a qualidade dos grãos de café.

O pesquisador Rodrigo Barros Rocha, da Embrapa Rondônia, explica que a maior parte dos descendentes não deve apresentar características superiores às plantas que a originaram. Os poucos que apresentarem avanços por conta da mera combinação genética, no entanto, poderão subsidiar a formação de uma nova cultivar de café Conilon.

Trabalho de fôlego

A etapa de cruzamento que os pesquisadores realizam essa semana é apenas um pequeno pedaço de um trabalho muito mais longo e que envolve dezenas de profissionais. As plantas utilizadas neste experimento foram coletadas em 1998 e o trabalho para gerar uma nova cultivar deve levar ainda de oito a dez anos.

Pesquisas iniciadas há mais tempo, no entanto, devem gerar resultado em um futuro próximo. Na última safra, por exemplo, plantas elite que fazem parte do trabalho de melhoramento genético da Embrapa Rondônia no Campo Experimental de Ouro Preto do Oeste produziram em média 100 sacas de café beneficiado por hectare no terceiro ano de colheita. A média no Estado não chega a 20 sacas de café por hectare.

O aumento da produtividade é uma das apostas dos cientistas para o avanço da cafeicultura em Rondônia. Além de plantas com genética superior, tratos culturais como adubação, poda e desbrota são fundamentais para aumentar a produção dos cafeeiros. O aumento da produtividade tende a proporcionar maior lucro e menor impacto no meio ambiente, uma vez que permite crescimento de produção sem a necessidade de abertura de novas áreas de floresta nativa. Atualmente, o Estado de Rondônia é o segundo maior produtor nacional de café Conilon, atrás apenas do Espírito Santo.

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink