Empresas anunciam primeiro pivô do mundo acionado por energia solar
CI
Imagem: Divulgação
TECNOLOGIA

Empresas anunciam primeiro pivô do mundo acionado por energia solar

A solução chega ao mercado nas próximas semanas e pode facilitar irrigação em áreas remotas
Por: -Eliza Maliszewski

Estão em fase final os testes do primeiro pivô central do mundo acionado exclusivamente por energia solar. A novidade deve chegar ao mercado já nas próximas semanas.

Fruto de um trabalho de seis meses de pesquisa e desenvolvimento, em uma parceria das empresas Solbras (energia solar) e Valley (irrigação), a solução promete ampliar as áreas irrigadas no mundo, possibilitando o uso em locais sem acesso à rede elétrica. “ A potência envolvida no acionamento dos pivôs é alta e a fonte solar é intermitente, o que poderia tornar o funcionamento do pivô um pouco instável. No entanto, o dimensionamento correto do sistema fez com que o pivô entregasse todos os parâmetros exigidos para a irrigação”, afirmou Fábio Mucin, Diretor de Operações da Solbras.

O projeto piloto é desenvolvido em Minas Gerais, maior polo de irrigação do país, onde foi instalada uma usina fotovoltaica exclusivamente para o teste. Com potência de 128 kWp, o sistema alimenta um pivô capaz de irrigar 96,4 hectares por uma média de 6 a 8 horas/dia. “Estamos revolucionando o mercado, democratizando o acesso à irrigação e oferecendo a produtores de todo o mundo a possibilidade de aumentarem sua produtividade. Uma solução desenvolvida no Brasil e que será colocada disposição do mercado internacional”, comemora o Diretor Presidente da Valmont no Brasil, Renato Silva.

O produto é indicado para locais onde a logística de diesel é difícil e cara, já que a conjugação com outras fontes de energia alternativas pode ser uma boa opção para permitir a constância da irrigação, principalmente em dias nublados. Sobre o retorno do investimento, a comparação direta deste tipo de sistema é com o gerador à diesel, alternativa mais utilizada atualmente. Assim, considerando o uso do pivô durante o ano inteiro, o retorno do investimento inicial é calculado em cerca de 2 anos, já que o custo com operação e manutenção é mínimo, marginal em relação àquele com o diesel.
 

* Com informações da assessoria de imprensa
 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink