Energia fotovoltaica ainda esta atrasada
CI
Imagem: Pixabay
BRASIL

Energia fotovoltaica ainda esta atrasada

A ABSOLAR defende a conclusão da adesão do Brasil à Aliança Solar Internacional
Por: -Eliza Maliszewski

O Brasil é um destaque no crescimento da produção de energia solar. Desde 2017, a solar vem dobrando a sua capacidade instalada no país. Passou de 1 GW em 2017 para 2 GW em 2018, 4 GW em 2019 e 6 GW em 202.0. Os dados são da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar). 

Por outro lado a entidade destaca que esse número poderia ser ainda maior já que possui um dos melhores recursos solares do planeta. Mas o país está atrasado frente aos demais países no uso da energia solar fotovoltaica. “Fechamos 2019 na 16ª posição no ranking mundial da energia solar, muito aquém do nosso potencial imenso. Nas outras fontes renováveis, o Brasil é liderança mundial: estamos em 2º lugar na fonte hídrica, 2º lugar na biomassa e 8º lugar na eólica”, comenta o presidente executivo, Rodrigo Sauaia.

Para ajudar nesse desenvolvimento a Absolar defende a conclusão da adesão do Brasil à Aliança Solar Internacional – ASI (International Solar Alliance – ISA, em inglês), coalisão intergovernamental que reúne as nações com os melhores recursos solares do planeta. A medida seria estratégica para ampliar o protagonismo brasileiro no uso e desenvolvimento da tecnologia solar fotovoltaica no cenário mundial.
 
A entrada poderia abrir as portas para que o país se beneficie de programas e ações multilaterais nas áreas de financiamento, programas de incentivo, políticas públicas, regulação, modelos de negócio, tecnologia e pesquisa e desenvolvimento, entre outras. “Precisamos recuperar o tempo perdido e nossa participação plena na ASI contribuirá para que possamos incorporar as melhores práticas internacionais, acelerar o desenvolvimento da fonte solar fotovoltaica em nosso país e nos posicionarmos como um ator relevante neste setor, cada vez mais estratégico no cenário mundial”, ressalta Sauaia.
 
O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, compartilha da mesma ideia. Em mensagem gravada para a terceira assembleia geral da ASI, na semana passada ele disse que a energia solar tem papel essencial na transição para um futuro com baixas emissões de carbono e na promoção de segurança energética no mundo. “A geração solar está rapidamente se consolidando como uma fonte segura e acessível no Brasil”, acrescentou Albuquerque.
 
A ASI foi lançada durante a Conferência do Clima em Paris (COP 21), em 2015, e posteriormente formalizada em Nova Delhi, Índia, em 15 de novembro de 2016, com os objetivos de: reduzir o custo da energia solar; mobilizar mais de US$ 1 trilhão em investimentos para a implementação maciça de energia solar até 2030; e preparar o caminho para novas tecnologias usando o Sol como recurso primário.
 
O pedido de entrada do Brasil na ASI já foi encaminhado pela presidência da República ao Congresso Nacional, em regime de prioridade, e aguarda a apreciação pelo Plenário do Legislativo Federal. O comunicado da Presidência esclarece que a adesão do Brasil à ASI não implicará em custos ou em aportes de recursos por parte do governo brasileiro.
 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink