Estudo explica resistência antibiótica em maçã e pera

DESCOBERTA

Estudo explica resistência antibiótica em maçã e pera

Intenção é diminuir perdas em peras e maçãs
Por: -Leonardo Gottems
105 acessos

Quando os humanos têm infecções bacterianas, nós recorremos a antibióticos para sentir-nos melhor o quanto antes. É o mesmo que acontece com muitos cultivos importantes economicamente. Por décadas, produtores têm pulverizado estreptomicina em maçãs e peras para a bactéria que causa a erwinia amylovora, uma doença séria que custa mais de US$ 100 milhões em perdas somente nos Estados Unidos.

A bactéria que causa a doença está cada vez mais resistente a estreptomicina. Os produtores estão testando novos antibióticos, mas é amplamente reconhecido que é apenas uma questão de tempo para que a bactéria seja resistente a qualquer novo químico. É por isso que um grupo de cientistas da Universidade de Illinois e da Universidade Agrícola de Nanjing na China estão estudando dois novos antibióticos - kasugamycin and blasticidin S- enquanto é tempo.

“ Kasugamycin tem sido efetivo contra essa bactéria em maçãs e peras, mas nós não sabíamos o que era o mecanismo. Nós queríamos saber exatamente como está matando a bactéria. Se a bactéria desenvolver resistência mais tarde, nós saberemos mais sobre como atacar o problema”, diz Youfu Zhao, professor associado de patologia de plantas da Universidade de Illinois e co-autor de um novo estudo publicado na revista Molecular Plant-Microbe Interactions.

A bactéria que causa a Erwinia amylovora é frequentemente usada em modelo de sistema para sensibilidade e resistência de antibióticos. Os estudos demonstraram que ambos kasugamycin e o blasticidin S entram nas células bacterianas através de dois transportadores abrangendo a membrana da célula. Os transportadores normalmente carregam pequenas proteínas de um lado da membrana para o outro, mas os antibióticos podem sequestrá-los quando chegam dentro. Uma vez dentro da célula, os antibióticos atacam o gene crítico ksgA, que leva a morte da bactéria.

Zhao e sua equipe queriam saber se o mesmo processo estava ocorrendo com a Erwinia amylovora. Eles criaram estirpes mutantes e expuseram eles a kasugamycin e blasticidin S. Os pesquisadores encontraram duas estirpes mutantes resistentes a antibióticos, sugerindo que os transportadores eram os porteiros também na Erwinia amylovora.

Zhao e sua equipe também encontraram um gene RcsB que regula a expressão dos transportadores. “Se há uma maior expressão sob condições limitadas, isso significa que os antibióticos podem ser transportados realmente rapidamente e matar a bactéria eficientemente”, disse ele.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink