Evento orienta produtores sobre manejo da podridão da uva madura
CI
Imagem: Arquivo Agrolink
EVENTO

Evento orienta produtores sobre manejo da podridão da uva madura

Junto das chuvas que chegam ao Vale do São Francisco, vêm também as preocupações aos produtores de uva da região
Por:

Junto das chuvas que chegam ao Vale do São Francisco, vêm também as preocupações aos produtores de uva da região. Uma das principais delas é a ocorrência da podridão da uva madura ou podridão de glomerela, doença que se desenvolve em condições de clima úmido e quente, causando grandes perdas na produção e na qualidade das uvas. Para auxiliar os viticultores a lidarem com a situação, a Embrapa irá promover o workshop "Manejo da Podridão de Glomerela" em Videira, no dia 8 de junho (quarta-feira), a partir das 18h, no Auditório da Biblioteca da Univasf, em Petrolina-PE.

O evento é gratuito, sem necessidade de inscrição prévia, e contará com palestras sobre epidemiologia e manejo da podridão de glomerela em videira, com os pesquisadores Diógenes da Cruz Batista (Embrapa Semiárido, Petrolina-PE) e Lucas Garrido (Embrapa Uva e Vinho, Bento Gonçalves-RS).

A podridão de glomerela é uma doença fúngica causada por um complexo de espécies do gênero Colletotrichum, sendo a espécie Colletotrichum gloeosporioides (teleomorfo: Glomerella cingulata) a tradicionalmente associada à doença, dando nome a ela. Problema frequente na região Sul do Brasil desde o início dos anos 2000, passou a provocar perdas significativas nos parreirais do Vale do São Francisco, a partir de março de 2020, em pleno período chuvoso. 

Além do fator climático, outro aspecto que favorece o aparecimento da doença é o acúmulo de açúcares durante a maturação dos cachos. Cultivares de uva que necessitam de altos teores de açúcares nas bagas para que sejam aceitas comercialmente podem ser mais afetadas pela doença. Assim, sua ocorrência na região do Vale também está associada ao aumento significativo da área plantada com cultivares com essa característica, como a BRS Vitória, a BRS Núbia e a Sweet Globe.

De acordo com o pesquisador Diógenes Batista, o patógeno pode infectar em qualquer fase de desenvolvimento do fruto. Para prevenir perdas com a doença é importante a adoção do manejo integrado com a utilização de diferentes estratégias de controle. 

A estratégia mais indicada, em primeiro lugar, é a preventiva, com o uso fungicidas registrados para o controle da doença. Após o surgimento dos primeiros sintomas, a medida mais importante é retirar das plantas os cachos doentes e descartá-los adequadamente, evitando a contaminação de cachos sadios próximos e o progresso da doença no pomar. Sem essa medida, existe a possibilidade de total falha no controle, mesmo com a pulverização de fungicidas.

Também é necessário fazer o controle de insetos pragas e disseminadores da doença (drosofilídeos) com produtos inseticidas indicados. Após a colheita, recomenda-se arrancar e descartar os cachos doentes e inadequados para comercialização que ficaram na planta, evitando a disseminação para outras partes da planta durante a fase de repouso.

Para mais informações, acesse a Circular Técnica sobre a Podridão da uva madura em 'BRS Vitória' no Submédio do Vale do São Francisco.

Serviço:

Workshop Manejo da Podridão de Glomerela em Videira

Data: 08/06 (Quarta-feira)
Horário: 18h
Local: Auditório da Biblioteca da Univasf, Petrolina-PE


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.