Exportação de carne suína do Brasil sobe 7% em março, afirma Abipecs

Agronegócio

Exportação de carne suína do Brasil sobe 7% em março, afirma Abipecs

No mês passado foram 47,3 mil toneladas exportadas
Por: -Patrícia Monteiro
911 acessos
As exportações de carne suína do Brasil tiveram aumento de quase 7 por cento em volume no mês de março, em relação ao mesmo mês do ano passado, enquanto em valor houve alta de 3 por cento, informou nesta segunda-feira (9) a Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína (Abipecs).

No mês passado foram 47,3 mil toneladas exportadas, gerando um faturamento de 121 milhões de dólares.

No acumulado do ano o volume embarcado subiu 3,45 por cento ante o primeiro trimestre de 2011. No primeiro trimestre, o volume totalizou 122,2 mil toneladas, com faturamento de 313,36 milhões de dólares.

O ganho ocorreu apesar da baixa recuperação das vendas para a Rússia e as restrições impostas pela Argentina.

Tradicionalmente, o mercado russo que era o principal destino das vendas de carnes suínas do Brasil ficou na terceira posição, comprando metade do volume adquirido no mesmo período do ano passado, com pouco mais de 8 mil toneladas em março.

"A Rússia, embora tenha voltado a comprar de quatro estabelecimentos brasileiros, continua com baixo desempenho nas nossas exportações", disse Pedro de Camargo Neto, presidente da Abipecs, em nota.

O embargo parcial russo teve início em junho do ano passado e incluiu todo o setor de carnes em três Estados -Mato Grosso, Paraná e Rio Grande do Sul-, mas o segmento de suínos foi o mais afetado desde então.

Para a Argentina, o país vendeu 427 toneladas, ou 1,32 milhão de dólares no mês de março, uma queda de 87 por cento em toneladas e 85,8 por cento em valor contra março de 2011.

O aumento das importações argentinas de carne suína do Brasil no ano passado gerou protestos no país vizinho, levando o governo local a adotar um sistema de licenças antecipadas de importação, o que na prática limitou as vendas brasileiras.

Na tentativa de solucionar o impasse, os dois países definiram em meados de março uma cota de entrada para a carne suína brasileira na Argentina.

A Ucrânia se configurou em março como maior mercado do produto do Brasil, consumindo 11,9 mil toneladas, ou 25,27 por cento do total das vendas.
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink