Exportação de soja do Brasil deve cair 12% em 2019, estiagem é risco, diz Anec

Exportação

Exportação de soja do Brasil deve cair 12% em 2019, estiagem é risco, diz Anec

Em 2018, o Brasil embarcou um recorde de 82,8 milhões de toneladas de soja, segundo a Anec
Por:
550 acessos

O Brasil deverá exportar 73 milhões de toneladas de soja em 2019, projetou a Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec), em uma queda de cerca de 12 por cento ante o recorde registrado no ano passado, marcado pelo forte apetite chinês e uma safra histórica.

A entidade, contudo, alertou para a possibilidade de embarques menores, caso perdas expressivas sejam de fato registradas na atual temporada, dada a estiagem há mais de um mês em importantes áreas produtoras do país, o maior exportador global de soja.

“Hoje, sabemos que teremos uma safra com viés de baixa em relação à do ano passado. Dados indicam que deveremos ter perdas resultantes de calor excessivo no oeste do Paraná, sul de Mato Grosso do Sul e em alguns pontos do Centro-Oeste. Desta forma, nossas previsões de exportação de grãos poderão sofrer alterações decorrentes do clima”, afirmou em nota o diretor-geral da Anec, Sergio Mendes.

Em 2018, o Brasil embarcou um recorde de 82,8 milhões de toneladas de soja, segundo a Anec. O governo reportou na semana passada algo mais próximo de 84 milhões de toneladas.

No ano passado, os produtores brasileiros foram favorecidos por uma colheita de aproximadamente 120 milhões de toneladas e por uma maior demanda da China, que taxou a oleaginosa dos Estados Unidos em meio à guerra comercial e precisou se voltar ao produto sul-americano para suprir seu consumo doméstico.

De acordo com a Anec, só em dezembro foram enviados ao exterior 2,6 milhões de toneladas de soja, com 96 por cento desse volume indo para a China. A associação considerou o volume “atípico” para o mês.

Das exportações totais do ano, 10 milhões de toneladas foram puxadas por causa da guerra comercial entre EUA e China, as duas maiores economias do mundo, acrescentou a Anec.

Mendes, entretanto, pondera que a continuidade dessa disputa poderia prejudicar o Brasil.

“Embora o Brasil tenha sido beneficiado com um volume estimado em cerca de 10 milhões de toneladas absorvidas pela China, esse cenário gera imprevisibilidade, o que não é desejável para o nosso setor, que já lida com diversas outras variáveis, como o clima, oscilações do real com relação ao dólar e questões logísticas”, afirmou.

MILHO
Em relação ao milho, a Anec estima exportações de 31 milhões de toneladas em 2019, alta de 36 por cento ante o reportado em 2018, ano marcado por uma quebra de produção devido a adversidades climáticas.

Em dezembro, as vendas de milho do Brasil foram de 3,8 milhões de toneladas, segundo a entidade.

“A proximidade da colheita da soja, que deve ser iniciada mais cedo este ano em diversas regiões devido ao plantio realizado logo no início da janela, motivou os produtores a comercializarem seus estoques de milho, liberando espaço para armazenamento da nova safra de soja”, destacou a Anec.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink