Exportação de trigo argentino deve cair

MUNDO

Exportação de trigo argentino deve cair

"Devido aos efeitos do clima seco, além do granizo no início de outubro, esperamos que os rendimentos sejam menores "
Por: -Leonardo Gottems
305 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente

Estimativas de periódicos argentinos indicam que as exportações de trigo para o ano comercial de 2018/2019 devem fechar em 13,6 milhões de toneladas, ou seja, 600 mil toneladas do que o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) havia previsto anteriormente em um de seus relatórios. Além disso, os periódicos concordam com a estimativa oficial de produção de trigo do USDA de 19,5 milhões de toneladas. 

"Devido aos efeitos do clima seco no sudeste de Córdoba e no sudoeste de Santa Fé, além do granizo no início de outubro, esperamos que os rendimentos sejam menores do que os projetados em setembro, quando a maioria dos campos de trigo em todo o país estavam em muito boas condições. A maioria dos analistas estava esperando uma produção de 20 a 21 milhões de toneladas. Atualmente, a maioria das projeções dos contatos varia entre 19,0 e 19,5 milhões de toneladas”, informa o Departamento. 

No início de setembro de 2018, o governo argentino aplicou impostos sobre todas as exportações, as chamadas retenciones, para arrecadar receita, ao mesmo tempo em que uma forte desvalorização proporcionou aos exportadores um impulso na competitividade. Para o USDA, o novo esquema de impostos de exportação é diferente do que estava em vigor nas safras passadas. 

“A maioria das commodities a granel pagará um imposto de 4 pesos argentinos por US $ 1 em dólares americanos do valor da exportação, enquanto a maioria dos produtos de valor agregado pagará 3 pesos argentinos por dólar. Em termos percentuais, o imposto de exportação para o trigo é de aproximadamente 10,5% e 8,0% para a farinha de trigo, com base na taxa de câmbio atual”, diz o texto. 

Além disso, a produção argentina de milho para o ciclo 2018/2019 está prevista em 41,5 milhões de toneladas, 500 mil toneladas acima do que previu o USDA, devido a um aumento na área colhida. Nesse cenário, a produção de arroz para a próxima safra está projetada em 1,22 milhões de toneladas (base bruta), 80 mil toneladas abaixo do USDA.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink