Fazenda média na Espanha tem 46,9 hectares
CI
Imagem: Pixabay
INTERNACIONAL

Fazenda média na Espanha tem 46,9 hectares

A fazenda média tem 36 cabeças de gado e emprega 1,8 unidades de trabalho por ano
Por:

O Valor Acrescentado Líquido foi de 53.866 euros por exploração e o valor dos subsídios correntes líquidos foi de 12.996 euros por exploração, o que representou cerca de um quarto do VPL. O Ministério da Agricultura, Pesca e Alimentação publicou em seu site os resultados provisórios da Rede Nacional de Contabilidade Agrária (RECAN) correspondentes ao ano de 2019, o que indica que a exploração média é de 46,9 hectares, dos quais 19,6 (41,7%) estão arrendados , possui 36 unidades pecuárias (UG) e emprega 1,8 unidades de trabalho por ano (UTAs), das quais pouco mais de dois quintos são assalariados.

A Rede Nacional de Contabilidade Agrária (RECAN) é um inquérito realizado anualmente em Espanha a uma amostra de 9.200 explorações agrícolas comerciais. A sua metodologia encontra-se harmonizada em toda a União Europeia, o que tem facilitado que se converta numa ferramenta fundamental para poder realizar o diagnóstico da agricultura espanhola no âmbito do Plano Estratégico de Espanha para a Política Agrícola Comum pós-2020.

Os principais resultados são:

Ø A Produção Bruta Total (PBT) foi de 93.041 euros por exploração, com a seguinte estrutura: produção vegetal (60,5%) e produção animal (38,5%), enquanto o resto corresponde a outra produção, incluindo outras actividades lucrativas.

Esse resultado médio varia quando analisado de acordo com a orientação produtiva das propriedades agrícolas. Assim, as explorações com maior PBT por exploração correspondem aos granívoros (suínos e aves) com 436.474 euros por exploração; seguido da horticultura, com 209.269 euros por quinta; herbívoros (bovinos, ovinos e caprinos), com 100.493 euros por quinta; culturas lenhosas (árvores de fruto, olival e vinha), com 61.446 euros por quinta.

Pelo contrário, as explorações com predomínio de culturas herbáceas (cereais, oleaginosas, proteaginosas e outras culturas anuais extensivas) são as que apresentam o valor mais baixo, com um PBT de 57.994 euros por exploração, ou seja, o diferencial entre as mais altas e as o menor é pouco mais de sete vezes.

Algo semelhante, embora com muito menos variabilidade, ocorre quando analisamos o PBT por comunidades autônomas. Assim, a comunidade com maior valor é Murcia, com 117.735 euros por exploração, face a Madrid, com 58.033 euros por exploração. Nesse caso, o diferencial entre o mais alto e o mais baixo é um pouco mais do que o dobro. 

Os Custos Totais (TC) atingiram o valor de 67.820 euros por operação, o que equivale a quase três quartos do PBT, com a seguinte estrutura: Custos Específicos Totais (45%), Custos Gerais (24%), Custo da fatores externos (23%) e o restante corresponde a amortizações (8%).

Dentro dos custos específicos podemos diferenciar os correspondentes a culturas (sementes, fertilizantes, produtos fitossanitários e outros), com um valor médio de 11.546 euros por exploração, e os correspondentes a gado (rações, forragens, despesas veterinárias e outros), com um valor médio de 18.447 euros por quinta.

Os custos gerais, no valor de 16.357 euros por operação, são compostos por: energia, com 4.690 euros; manutenção de máquinas e edifícios (4.025 euros); obras de terceiros e leasing de máquinas (2.829 euros), e outras despesas gerais (4.813 euros).

Por último, os custos com fatores produtivos externos, no valor de 15.648 euros por operação, constituem: salários e contribuições para a segurança social com 12.548 euros, arrendamentos (2.833 euros) e juros pagos, no valor de 267 euros por operação.

Os subsídios actuais ascenderam a 12.373 euros por exploração, dos quais 16% correspondem a pagamentos associados à agricultura e pecuária, 69% a pagamentos dissociados, 14% são ajudas ao desenvolvimento rural e o resto a outros subsídios.

Ao analisar o saldo das explorações agrícolas, observamos que o valor médio dos ativos era de 372.098 euros por exploração, sendo a sua principal componente os terrenos permanentes e culturas, com um valor de 184.372 euros por exploração, sendo o restante distribuído por edifícios, máquinas e criação de gado. O passivo (créditos a recuperar) atingiu o valor médio de 14.435 euros por operação , o que representa cerca de 4% do total do ativo.

O Valor Acrescentado Líquido (VPL), que constitui a remuneração de todos os fatores de produção utilizados no processo produtivo, foi de 53.866 euros por exploração. O valor dos subsídios correntes líquidos, que foi de 12.996 euros por exploração, representou cerca de um quarto do VAL.

O Valor Acrescentado Líquido por Unidade de Trabalho Ano (VPL / UTA) foi de 30.668 euros por exploração em média. Apenas 50% do total das explorações ultrapassou o valor de 20.847 euros por exploração.

O Resultado Operacional Líquido (RNE), que constitui a remuneração dos fatores de produção próprios utilizados no processo produtivo, bem como dos riscos do negócio, foi de 38.096 euros por operação.

Este documento, bem como resultados mais detalhados das principais variáveis ??sobre características gerais, produção, custos, subsídios, ativos e passivos, principais resultados, tanto a nível nacional como por comunidades autónomas, para quatorze linhas de produção e cinco intervalos de dimensão económica pode ser verificado no seguinte link: Rede Nacional de Contabilidade Agrária (RECAN) (mapa.gob.es)


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.