Greve de produtores é realizada em 12 cidades na Argentina
CI
Imagem: Pixabay
PARALISAÇÃO

Greve de produtores é realizada em 12 cidades na Argentina

Os manifestantes emitiram um documento em nome da Mesa Diretora que pede o fim da “voracidade fiscal” do governo e do intervencionismo estatal
Por: -Aline Merladete

A paralisação de produtores agrícolas na Argentina afetou a distribuição de grãos e gado em 12 cidades do país nesta 4ª feira (13.jun). 

Os manifestantes emitiram um documento em nome da Mesa Diretora que pede o fim da “voracidade fiscal” do governo e do intervencionismo estatal. “Os governos] devem acompanhar e defender o setor produtivo nas reivindicações e também não agravar a situação, com mais pressão fiscal. Exigimos regras de jogo claras, previsibilidade para continuar sendo um dos setores mais dinâmicos da República e que, com nossos esforços, todos possamos sair da crise em que se encontra nossa querida Argentina”, traz o documento. A paralisação começou às 12h e tem previsão de durar 24 horas.

O protesto tem como principais motivos:

Superfaturamento de diesel e fertilizantes;

Defasagem cambial; Pressão tributária sobre o setor;

Políticas prejudiciais à agricultura; Inflação;

Níveis elevados de pobreza;

Escassez de combustível;

Administração da educação e da saúde do país.

O chefe de gabinete do governo da Argentina, Juan Manzur, criticou a greve. Para ele, a paralisação “não leva a nada”. Manzur pediu a compreensão de todos, principalmente de produtores agrícolas, segundo o jornal Clarín. Ele também mencionou os esforços do governo para solucionar a greve.

Luis Miguel Etchevehere, produtor e ex-ministro da Agricultura do governo Mauricio Macri (2015-2019), esteve em Entre Ríos. Segundo o jornal La Nación, Etchevehere considera o atual cenário imprevisível. “Não há esperança porque o governo é lunático. Ontem as exportações de milho foram novamente limitadas. É impossível prever qualquer coisa com um governo como este. Eles nos provocam. Não há como descrever essa verdadeira loucura”, disse o ex-ministro. Jorge Chemes, presidente das Confederações Rurais Argentinas (CRA), considera que a mobilização que o campo está realizando “é fruto, talvez.

Fonte: Poder 360.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.