Infocafé de 03/06/22
CI
Imagem: Pixabay
INFOCAFÉ

Infocafé de 03/06/22

 N.Y. operou com forte baixa nesta sexta-feira (03), a posição setembro oscilou entre a mínima de -6,65pts e a máxima de +1,65 pontos, fechando em -5,70pts
Por:

 N.Y. operou com forte baixa nesta sexta-feira (03), a posição setembro oscilou entre a mínima de -6,65pts e a máxima de +1,65 pontos, fechando em -5,70pts. O acumulado na semana é de +2,85pts.

A moeda norte-americana fechou em queda de 0,20%, a R$ 4,7787. Na semana, o dólar subiu 0.86%. Por aqui, o IBGE divulgou mais cedo o resultado da produção industrial em abril, que apontou alta de apenas 0,1%, impactada pela alta dos preços das matérias primas, falta de insumos e restrições de oferta. Na véspera, o instituto mostrou que a economia brasileira cresceu 1% no 1º trimestre, puxada pelo setor de serviços. No exterior, o foco do dia está nos dados sobre criação de vagas de trabalho nos Estados Unidos em maio: segundo o Departamento do Trabalho, foram criadas 390 mil vagas no mês passado – acima do esperado pelos analistas –, e o desemprego permaneceu em 3,6%, indicando que o Federal Reserve (o BC dos EUA) pode ter espaço para seguir aumentando os juros para conter a inflação em alta. 

A produção de café arábica na Colômbia continua prevista em 13 milhões de sacas de 60 quilos, de acordo com dados divulgados recentemente pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), que trouxe ainda que apesar da alta nos preços do café, os produtores colombianos sentem fortemente os reflexos da guerra entre Rússia e Ucrânia, que inclusive completa 100 dias nesta sexta-feira (3). A Colômbia é o segundo maior produtor de café tipo arábica do mundo e há alguns meses vem relatando por meio dos reportes da Federação Nacional dos Cafeicultores (FNC) queda na produção em reposta aos efeitos climáticos. No país vizinho, o fenômeno climático La Niña favorece o excesso de chuva e vem impactando diretamente na produção. No reporte recém-divulgado, o USDA destacou que "as condições climáticas devem ser normais no segundo semestre de 2022, mas a tendência dos custos de insumos, principalmente fertilizantes, provavelmente prejudicará a produtividade do ciclo 2022/23". Acrescenta ainda que o produtor colombiano, dependente de importação de fertilizantes simples, como por exemplo nitrogênio, potássio e fósforo, já busca por produtivos alternativos para aplicação. "A invasão russa na Ucrânia apertou a oferta mundial de fertilizantes e pressionou os preços para cima. Como resultado, os produtores de café da Colômbia estão procurando por alternativas, como subprodutos de café para reduzir os custos de insumos", afirma.  A condição pode trazer problemas na produção dos próximos anos no país vizinho. Já com relação ao consumo, o USDA prevê em 2,2 milhões de sacas, o que também não apresenta alteração em relação à estimativa anterior. "Apesar da recuperação econômica da Colômbia, a incerteza global, o aumento os preços do café e as altas taxas de inflação de alimentos na Colômbia provavelmente impedirão o crescimento do consumo", destacou o documento.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.