Inscrições do AgroResidência seguem até o dia 17
CME MILHO (DEZ/20) US$ 4,046 (0,55%)
| Dólar (compra) R$ 5,60 (-0,69%)

Imagem: Pixabay

QUALIFICAÇÃO

Inscrições do AgroResidência seguem até o dia 17

Programa vai selecionar projetos voltados para a qualificação técnica de estudantes e recém-egressos
Por:
49 acessos

Termina na próxima segunda-feira (17) o prazo para inscrição no primeiro edital do AgroResidência - Programa de Residência Profissional Agrícola, que vai selecionar projetos de instituições de ensino públicas federais voltados para a qualificação técnica de estudantes e recém-egressos de cursos de ciências agrárias e afins. Clique aqui para ter acesso ao edital.
 
Até a manhã desta quarta-feira (12), a Secretaria de Agricultura Familiar e Cooperativismo do Ministério da Agricultura recebeu propostas enviadas por Instituições de Ensino de Minas Gerais, Rondônia, Alagoas, Mato Grosso, Pernambuco, Paraíba e Goiás. A divulgação do resultado da análise de habilitação está prevista para 25 de agosto. Já o resultado final do edital deverá ser anunciado no dia 2 de outubro.
 
Os projetos aprovados no edital deverão promover a inserção dos residentes das áreas de ciências agrárias e afins no ambiente real de trabalho, por meio de treinamento prático, orientado e supervisionado, propiciando o desenvolvimento de conhecimentos, habilidades e atitudes necessárias ao exercício profissional.
 
Serão destinados R$ 17,1 milhões para financiar as propostas selecionadas pelo período de dois anos. Os projetos podem prever gastos de custeio de bolsa para residentes de cursos técnicos de nível médio, no valor de R$ 900, e de nível superior, no valor R$ 1.200. A carga horária do trabalho dos residentes será de 40 horas semanais.
 
Outra possibilidade é o custeio de bolsa para professor orientador, que corresponderá ao valor de R$ 200 por orientado. Cada professor deverá orientar entre cinco e 10 residentes, sendo assim, a bolsa pode variar de R$ 1 mil a R$ 2 mil.
 
As propostas podem prever ainda custos com a participação dos residentes, professor orientador, técnico orientador e de colaboradores eventuais em reuniões, oficinas, seminários, congressos e afins, como também de despesas correntes de custeio em geral para a execução das atividades. Esses não poderão exceder 20% do valor total do projeto apresentado pela instituição de ensino.
 
São consideradas unidades residentes, para a realização das atividades, fazendas ou unidades de produção, empresas do agronegócio, cooperativas, empresas de assistência técnica (nacionais ou internacionais), da administração direta e indireta e a sociedade civil organizada.
 
O Ministério da Agricultura elaborou o Manual de Operações do AgroResdiência para orientar e auxiliar os interessados em participar. O documento apresenta diretrizes e critérios para participação, recomendações relativas à coordenação e gestão, além informações gerais sobre o programa.

 Coordenado pela Secretaria de Agricultura Familiar e Cooperativismo do Mapa, por meio do Departamento de Desenvolvimento Comunitário, o AgroResidência foi instituído pela Portaria nº 193/2020 e destina-se a apoiar a formação de profissionais com as competências necessárias para plena atuação nas áreas de ciências agrárias e áreas correlatas.
 
O secretário de Agricultura Familiar e Cooperativismo do Ministério da Agricultura, Fernando Schwanke, destaca que o programa tem como objetivo, além da formação profissional desses jovens, trazê-los de volta para o meio rural.  
 

Anúncios que podem lhe interessar


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink