Instabilidade climática provoca queda na safra de grãos

Agronegócio

Instabilidade climática provoca queda na safra de grãos

Responsável por 39,89% da produção nacional, o Sul é a área mais prejudicada pelo clima, com diminuição de 10,2% da produção
Por:
735 acessos
A estiagem na região Sul e o excesso de chuvas no Nordeste devem levar o Brasil a colher na safra 2008/09 quase 10 milhões de toneladas de grãos a menos que no ciclo passado. O nono acompanhamento divulgado nesta segunda-feira (8) pela Conab mostra uma queda de 6,9% na colheita, saindo de 144,11 para 134,15 milhões de toneladas. Já a área plantada cresceu de 47,4 para 47,6 milhões de hectares.

Responsável por 39,89% da produção nacional, o Sul é a área mais prejudicada pelo clima, com diminuição de 10,2% da produção, estimada agora em 53,52 milhões t. No Centro-Oeste a safra será de 48,04 milhões t (-4,8%), no Sudeste 16,77 milhões t (-3,8%), no Nordeste 11,95 milhões t (-4,9%) e na região Norte 3,87 milhões t (-4,3%).
Das 14 culturas avaliadas pela Conab, apenas o arroz registra crescimento. Com mais de 80% da colheita concluída, a produção será de 12,74 milhões t, um recorde nacional. O melhor resultado até então foi registrado na temporada anterior, com 12,06 milhões t. Já a produção de feijão se mantém estável em 3,52 milhões t.

“Mesmo diante de todas as adversidades climáticas, o Brasil vai colher a segunda maior safra da história. Estamos mantendo um crescimento de mais de 60% nos últimos 10 anos”, diz o presidente da estatal Wagner Rossi. Segundo ele, a produção é suficiente para garantir o abastecimento interno e para manter aquecidas as exportações agrícolas do país.

A cultura mais prejudicada pelo clima é o milho. A produção nacional do cereal deve cair de 58,65 para 49,88 milhões t, diminuição de 15%. Somente no Sul a safra do cereal será 6,13 milhões t menor que a anterior. Já no Nordeste as chuvas frustraram as previsões de índices recordes de produtividade para estados como o Ceará. Ainda assim, a colheita do grão crescerá 6,8% na região, totalizando 4,69 milhões t.

As lavouras de soja também serão reduzidas em 4,8%, passando de 60,02 para 57,14 milhões de t. O estado que mais sofreu com a queda foi o Paraná, que concluiu a colheita em 9,51 milhões de t (-20,1%).

Oferta e demanda - A estatal projeta um volume recorde nas exportações de soja em grãos. Pela primeira vez o país deve atingir a marca de 25 milhões t, cerca de 500 mil t a mais que no ano passado. Outras 12,8 milhões t deixarão o país em forma de farelo. Já o mercado interno deve consumir 34,6 milhões t em grãos e 12 milhões de t de farelo de soja.

O Brasil também exportará 8 milhões t de milho e outras 45 milhões t do cereal serão consumidas pela indústria nacional. Ao final da safra, o estoque será de 9,14 milhões t.

Para realizar a pesquisa a Conab enviou a campo 72 técnicos, entre os dias 18 e 22 de maio. Eles entrevistaram agricultores, agrônomos, cooperativas, secretarias de agricultura, órgãos de assistência técnica e extensão rural e agentes financeiros nos principais municípios produtores do país.
 
Confira aqui o estudo completo.
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink